.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

segunda-feira, 24 de março de 2008

Conversas com a namorada, II...

Foto dum Choro

Tite, 31 de Março de 1968

Minha Querida Milocas
………………….
Há três dias para trás, fui assistir ao choro, nós chamamos velório, de um soldado que morreu. É impressionante quando se faz um enterro nesta terra. Muitos nativos, penso que familiares e amigos que vivem noutras, bem distantes, localidades se deslocam para fazerem o choro. Depois de visitarem o morto, vão saindo aos pares, a chorar e cantar dando voltas na tabanca onde está o corpo, outros dançam ao som do batuque.
Toda a população da tabanca e os visitantes oferece algo de seu, porcos, galinhas, cana (aguardente), vinho, panos, etc. e deixam-se ficar sentados nas tabancas em redor.
Há beleza na cerimónia, pois durante o choro há várias “lutas” entre os nativos de povoações diversas, não quero deixar de falar nas corridas com os braços abertos no ar acenando e parando rapidamente voltados para os presentes para os admirarem.
Todos vêm vestidos de bons panos, só as mulheres mais chegadas ao morto têm o peito descoberto. Muitos dos homens pintam de forma exagerada o cabelo com o pó do arroz. Mas o mais que me impressionou foi a mãe do desafortunado, aparentando ter cerca de setenta anos, de quando em quando dava cambalhotas, outras vezes sentava-se no chão batendo fortemente com as mãos contra a terra. Era impressionante a sua dor e sofrimento pela perda do seu filho.
Por fim chegou a hora do enterro, muitas das oferendas foram depositadas na campa. O choro entre eles durou mais três dias. E segundo me disseram repete ao fim de três meses. Assim vai a nossa africa toda ela cheia de surpresas.


Tite, 07 de Abril de 1968
………………
Esta noite que passou, a de segunda para terça, não me deitei, pois gostei de passar uma noite servindo de ajudante de padeiro. Amassei pão, depois foi a vez de brincar, enquanto os meus camaradas trabalhavam no dito cujo, eu fazia especialidades, tais como: uma rosca, uma carcaça e um caracol. Nada de risotas, as coisas até ficaram engraçadinhas, só queria que provasses quando as mui nobre especialidades saíram do forno!
Depois quando já eram umas seis horas da “matina”, já o café pronto, agarrei nos meus feitos e, vai daí botei manteiga. Só te digo que quentinhos como estavam e barradinhos com “teiguinha” sabiam demais……….


Tite, 22 de Maio de 1968
……………...
Tenho assistido aos jogos das equipas de futebol que se construíram em Tite. Uma até tem equipamento vindo de Bissau. Impressionado com tanta destreza, ontem para distrair e variar fui também eu dar uns pontapés na bola, acontecendo-me um percalço. Mas eu conto o desenrolar da jogada para que melhor possas compreender:

A bola estava nas mãos do guarda-redes adversário que a passou a um defesa da sua equipa. Este correu com ela ficando no meio campo. Ao ter encontro com um camarada da minha equipa foi desarmado. Corre para a baliza contrária, passou a bola cá ao rapaz. Eu senhor da bola corro em profundidade, finto um, dois, três, qual Eusébio, quando me preparo para rematar à baliza, em vez de dar o pontapé na bola dou no chão e o golo fica por marcar. Não só sofri pelas críticas dos restantes membros da equipa como pelos assobios da assistência que entenderam todo, injustificadamente, que nada jogo. E como sofro agora com dores no pé de inchado que está, mas não te preocupes que isto passa.

Raul Pica Sinos

Sem comentários: