.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

sábado, 22 de julho de 2017

3º almoço anual em Mira, Aveiro, organizado pelo Jorge Claro em 1992.



Esta foto é do 3º almoço em Mira, Aveiro, organizado pelo Jorge Claro salvo erro em 1992. Aqui se verifica a evidente juventude dos participantes, muitos deles com bigode, outros bastante cabeludos, mas todos, ou quase todos, de gravata. Que belo friso.
Vêem-se aqui alguns companheiros já falecidos - o nosso alferes capelão Padre Luis Silva, Gentil, Heitor, Águas, Arrabaça, Botas, e outros que nunca mais apareceram nos almoços - Bagulho, Sargento Araújo, Alferes  Fernando Alves, entre outros.

LG.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

O primeiro ataque a Tite após a nossa chegada - pelo José Justo



O 1º. ATAQUE A TITE (19 DE JULHO DE 1967), DURANTE A NOSSA PERMANENCIA, DESTA VEZ VIVIDO PELO JUSTO.
_
A guerra na Guiné 7.000 guerrilheiros era sem dúvida muito mais intensa e sistemática, que em Angola 6.500 guerrilheiros e Moçambique 6.500 guerrilheiros.Devia-se isso principalmente a:Pequenez do território 36.128 Km2, portanto mais controlável pela guerrilha.Ser o PAIGC o único grupo armado que nos combatia; (ver mapa Africa)Fazer fronteira com dois países que nos eram hostis - Senegal a norte e Guiné Conakry a sul - e dos quais o IN recebia apoios.Como se não bastasse, tinha um clima terrível; calor e humidade intensos, pragas de mosquitos, formigas gigantes vorazes, dificuldade de abastecimento e conservação de frescos, água só filtrada e com um sabor horrível, tomava-mos duche e quando nos estava-mos a limpar já suava-mos de novo, etc.O PAIGC concentrava a luta de guerrilha, principalmente nos ataques nocturnos aos quartéis, com armas pesadas - de véspera engajavam os civis das tabancas próximas para carregarem as granadas e muitos fugiam a coberto da noite antes de espoletarem as granadas de morteiro (esta cena vai dar outra história curiosa).A nossa vida diária, e logo que começava a escurecer, era ir para dentro, ou estar muito perto dos abrigos subterrâneos (ver foto), ou de alguns edifícios reforçados com sacos de areia entre o telhado e a cobertura.O quartel estava sempre iluminado com duas principais linhas periféricas: o quartel propriamente dito, e uma linha posterior onde se situavam os postos de defesa avançada.A força motriz era fornecida por dois enormes geradores que funcionavam alternadamente 24 horas por dia, e tinham sempre um electricista de dia, que além da manutenção normal, tinha a função importantíssima de, quando se ouvissem as “saídas” (nome dado aos estrondos dos primeiros disparos dos morteiros e canhões sem-recuo) desligar todas as luzes, excepto da vedação posterior, para pudermos ver e repelir tentativas de aproximação e invasão do quartel.A parte mais mortífera dos ataques, eram os primeiros rebentamentos, O PAIGC instalava-se de noite, a alguns kms do quartel e como tinha a referência das luzes, podia calibrar e apontar as armas pesadas, sem pressas e com toda a precisão. Daí as primeiras granadas a cair, sempre tocavam os pontos mais vitais (numa operação, foi capturado a um guerrilheiro morto, um mapa pormenorizado do nosso quartel, assinalado com o comando, tms, etc. e até da prisão, com uma exactidão impressionante !!??)Uma noite, como sempre, estava no abrigo subterrâneo a jogar á Sueca e era hábito haver sempre alguém que se encarregava de ganhar algum “patacão” com um mini comércio de vinho, cerveja e alguns petisquitos de ocasião.Só que naquela noite, mau grado, não apareceu ninguém a “abrir a tasca” e estava tudo a seco. A “secura” na Guiné tinha dois grandes inconvenientes; O calor chegava aos 40 e tal graus, e “não bebo, logo penso...portanto...não rebentes a tola”.Claro que as jogas da Sueca eram levadas muito a sério, e sempre para as bebidas...quem perde paga, e segue a música.Dispus-me a ir á cantina buscar quatro belas e grandes cervejas de 6 dl.Tinha acabado de pagar, quando um barulho intenso denúncia as “saidas” bum...bum...bum...bum, aí estava mais um ataque...logo se apagam todas as luzes e desato a correr e a contar intimamente 1.2.3... - tinha aprendido na recruta, com um alferes que tinha estado na Guiné, que quando apanhados nesta situação, devemos começar a correr para o abrigo mais próximo, a contar e chegando ao 10-12-15 deitar no chão, fechar a boca e tapar fortemente os ouvidos com as mãos, por causa da descompressão de rebentamentos muito próximos.Corri que nem um desalmado, sempre a contar, mas aos vinte e tal, parei de contar...mas não me deitei no chão, sempre na ânsia de chegar até ao abrigo das transmissões.Sem luzes e numa noite bastante escura, corria e guiava-me mais pela intuição e o desespero de me abrigar, do que pela visão, quando um rebentamento tremendo de granada, na paliçada junto à porta de armas, me projecta não sei para onde, e senti um calor enorme. Ainda fiquei mais em pânico, pois as ondas de choque dos rebentamentos próximos, levantavam muita terra, e parte dessa “chuva” caiu-me em cima.Com a projecção, caí, mas logo me levantei e recomecei a correr. Dois ou três passos dados, senti uma pancada enorme na cara e na mão direita, que me deixou completamente tonto !! cheio de dores começo às apalpadelas, e passados segundos, apercebo-me que em vez de estar a correr na direcção da rua, com o rebentamento, tinha ficado virado para a parede do edifício já muito perto do abrigo, e tinha corrido a bom correr...DE ENCONTRO Á PAREDE.Por fim lá me abriguei, incólume, mas sem uma sapatilha e a cabeça toda empoeirada.Desta vez o ataque tinha feito desgraça entre nós, um deles foi o “piriquito” da Compª operacional, com 5 dias de Guiné, que se tinha desenfiado do reforço e morreu com um estilhaço que lhe entrou pelo anus...incrível.A seu tempo vou contar esta triste história, mais uma ironia do destino.No dia seguinte, na cantina e enquanto comentávamos a noite desgraçada da véspera, , perguntei como descargo de consciência das quatro cervejas que tinha pago e ficaram em cima do balcão, claro que já previa que tinham sido “capturas pelo IN”, mas não !!! o cantineiro (mas uma vez...os nomes) abre a arca e pôe-me as cervejas no balcão !!! fiquei de boca aberta...não comentei...e acabamos os dois por beber as 4 loirinhas.Não acredito num gesto destes na cantina de um quartel na Metrópole, onde os gajinhos das cantinas eram uns lateiros-mete-nojo.Se a maldita da guerra, terá uma única coisa de bom, será a forte amizade entre irmãos de armas e sofrimento, durante dois anos, num teatro estúpido de guerra.O que me dói, e ofende a minha inteligência, é; porque se provocam carnificinas, e passados anos os então inimigos, passam a irmãos !! não será possível a tal irmandade antes do morticínio ?? tá bem...pronto, já sei que não sou deste planeta !!Zé Justo.

Sobre o 19 de Julho, pelo Pica Sinos





Não sei se já repararam na forma como escreve o ex. aprendiz Eclesiástico em Tite e ex-Comandante de Bombeiros Voluntários de Baltar, Hipólito Sousa. Ele tem um talento natural para a escrita, inspiração nunca lhe falta. Escrever não é uma tarefa fácil, dá trabalho. Parece-me na forma como o Hipólito escreve tudo lhe é fácil no que diz respeito à escrita. Parabéns amigo. No entanto, para além da inspiração e do bem escrever, compreendo que com a idade que ele já tem, os acontecimentos de “lá longue” lhe vão fugindo. Acontece a muito boa gente. Digo isto e porque ao ler uma passagem do artigo que escreve este nosso amigo, refere que no ataque ao aquartelamento de 19 Julho 1967, o Contige e o Cabito de Penafiel, num ápice se atiraram para o chão, não dando conta o Cabito de quem já estava estatelado. De todo o modo, parece-me que o acontecimento merece mais uns acrescentos. Não que estivesse nesse abrigo, mas porque uma das personagens de tal “filme” me relatou. Então vamos lá “pró explico”. Há duas versões: O Cabito diz que quando começou a estoirar a “pirotecnia” foi ter com o Contige ao dito posto avançado. O Contige diz o contrário. Que quando a “festa” começou ao chegar ao abrigo do posto avançado o Cabito já lá se encontrava. Parece não ser importante saber ao certo quem chegou primeiro, mas é! Se foi o Contige, faz sentido que ele se deitasse de primeiro no chão e o Cabito por cima dele. Ou andaram para melhor cobertura a “dançar o puxa-puxa”, com os bidões vazios existentes no abrigo até caírem no chão, “tocando” ao Cabito ficar com a cara no traseiro do Contige? Para além deste imbróglio impossível de fazer “replay”, o que interessa saber é que o Contige ficou, como é natural, muito incomodado tal era a pressão no seu traseiro. O Cabito, como bom sapador, não desarmou, e a custo lá foi dizendo…comeces tu o que tiveres comido eu aguento! Não tiro a cara daqui. Pica Sinos.

O primeiro ataque a 19 de Julho, visto pelo Hipólito



19 de Julho de 1967 - o primeiro ataque do IN
Este “pinchavelho”, que me enfiaram para, deslocado, aceder à internet, põe-me à beira de um ataque de caspa, dando-me ganas de o atirar pela sanita abaixo. Liga, umas vezes, outras não, e desliga, amiúde, com o trabalho a meio, lembrando-me aquela vez, quando bombeiro militante, de, ao toque a feios da sirene do quartel, ter de interromper, no melhor da refrega, uma função conjugal que, por sinal, estava mesmo nas horinhas do senhor. Ossos do ofício, impecilhos, porém, de um maior rendimento artístico cá pr’ó blog, já que, quanto a refregas, propriamente ditas, estamos conversados. Àquele, menor rendimento, por prescrição médica, perante os sintomas evidentes de “caquetice crónica”, foi aconselhada terapêutica adequada para evitar solilóquios, sobretudo quanto aos estropícios do bart 1914, que nem troco dão. E começaram com pedalada de corredores de fundo! . . . mas, sol de pouca dura . . . As recordações são como as cerejas ou as baratas. Ainda de pensamento imberbe, não sublimei, na altura da nossa tragicomédia guineense, indícios que, ora, vou checando. Naquele primeiro ataque, de que fomos alvo a 19 de Julho, salvo o erro [sim, esse mesmo que o poeta Costinha historiou, versejando, “fui dar com o cabo SPM abrigado debaixo da cama”], soube-o agora, o Contige e o cabito, aquele, matulão, este, franganote, mas reguilóide quanto baste, estavam de sentinela num dos postos avançados. Mal as bojardas se fizeram sentir, já, ambos, acagaçados, estavam na horizontal, de “fuça” no chão, com a agravante de o cabito ficar deitado entre e no meio das pernas do Contige. Bonita posição, sim senhor, e que bem protegida estava a matula no quartel ! . . . Não sei, para ser franco, se essa posição, pouca ortodoxa, era já reveladora de qualquer tendência menos curial. O que sei é que, agora, na praia do Meco, o mesmo Contige e o Zé Manel, coabitam em “datchas” muito aconchegadinhas, entre si, não podendo, ora, precisar a posição exacta, se de lado, se por cima ou se por baixo. E que as respectivas consortes (de ambos) lhes lançam uns piropos brejeiros, disso sou testemunha ocular de vista. E que pediram, encarecidamente, para que a minha consorte não soubesse, também é verdade. Escrevi acima “acagaçados”, do que peço perdão. Por causa das cócegas, deveria, antes, ter escrito “defecados”.
Um xi do Hipólito

19 de Julho de 1967, o primeiro ataque IN após a nossa chegada - Os famosos versos do Costa!


JÁ NINGUÉM SE LEMBRA DISTO... FOI HÀ CINQUENTA ANOS...
VERSOS E DEPOIMENTOS, ALUSIVOS À DATA DE 19 DE JULHO DE 1967 AQUANDO DO 1º ATAQUE TERRORISTA AO AQUARTELAMENTO DE TITE GUINÉ, DEPOIS DA NOSSA CHEGADA, DA AUTORIA DE VÁRIOS COMPANHEIROS. OS VERSOS DO COSTA FORAM FEITOS AINDA NA GUINÉ.

Versos1ª versão)
I

No dia 19 de Julho,
O ataque do inimigo
Eu nem me posso lembrar
O susto que trago comigo
II
Tive medo, tive medo
Não o posso negar
Mas que ideia foi a deles
De nos virem atacar
III
Comecei a rastejar
Todo feito num embrulho
Eram dez menos um quarto
No dia 19 de Julho
IV
Quarta-Feira fatal dia
Que grande barbaridade
Estavam bem instalados
Atacaram à vontade
V
Ninguém os viu essa tarde
A montar o seu abrigo
Apanhou-nos de surpresa
O ataque do inimigo
VI
Começou a manelica
A dar fogo de rajada
E a traz para disfarçar
Vinham tiros da pesada
VII
Caiu uma bazucada
Que ao forno foi parar
Deu-nos cabo do pãozinho
Eu nem me posso lembrar
VIII
Durou quarenta minutos
Elas caíam cá dentro
Eu gostava de saber
Quem é que contou o tempo
IX
Eu não tive alento
Acreditem no que digo
Que nem sou capaz de dormir
Do susto que trago comigo.

Tite, Guiné-Julho 1967
José da Costa.
-
(Versos 2ª Versão)
I
No dia 19 de Julho,
Os turras fizeram tanto barulho
Que nem se podia ouvir.
Houve tanta morteirada e roquetada
Dentro do Quartel de Tite foi cair!
II
Estava eu tão descansado
E à porta d’armas estava sentado,
A falar com o nosso “Furriel Heitor..
Onde desviado de nós caiu uma granada
Julgando que era pesada
Que até fez calor!
III
Os nossos morteiros trabalharam
E granadas pelo ar lançaram.
Nos abrigos deles foram cair
Onde os turras estavam instalados
Alguns deles foram estilhaçados
Mas conseguiram fugir!
IV
Tanto sangue se lá viu!
Perto dos abrigos, onde nossa granada caiu,
Que nem se podia ver.
Alguns deles foram levados
Para não serem apanhados
Ali, deviam morrer.
V
Alguns dos nossos soldados
Ali foram instalados no posto da enfermaria
E agora vou-lhes falar
Tenho muito que contarDo que foi este dia…
VI
Alguns foram para os abrigos
À espera do inimigo
E outros andaram em cima da lama
Eu próprio fui dar com o “cabo”Do S.P.M.
deitado debaixo da cama!
VII
Agora vou-me despedir
Com amor sincero e paixão
Adeus malta da minha companhia
E também do Batalhão

José CostaTite, Guiné-Julho 1967.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

23 de Janeiro de 1963 - Quartel de Tite, o 1º. ataque do PAIGC - Neste dia começou a guerra na Guiné.



23 DE JANEIRO DE 1963, QUARTEL DE TITE

É difícil explicar a geografia da Guiné a quem nunca lá foi. Afinal “aquilo tem o tamanho do Alentejo”. Mas é um engano. Todo o litoral é uma planície pantanosa que se abre à foz de vários rios. O que quer dizer que para descer o equivalente a 30 quilómetros em linha reta, teremos que utilizar um barco ou dar voltas por terra horas sem fim a contornar a boca de várias entradas de rios. E há o terreno de lama. A vegetação. O clima tropical. As chuvas. Os mosquitos. No início dos anos 60, a Guiné não era como as jóias da Coroa: Angola e Moçambique. Para o meio milhão de autóctones de dezenas de etnias, havia uns meros dois mil portugueses da Metrópole. Alguns deles militares, espalhados por quartéis nos principais pontos do país. A zona sul, que faz fronteira com Conacri, terrível em termos de geografia, e que seria comandada por Nino Vieira, iria ser o ponto de partida da guerra na Guiné. Tite, um quartel da tropa portuguesa, foi escolhido para a primeira investida noturna do PAIGC. É conhecido por ser o local do primeiro tiro. E ainda se comemora como tal. É uma data.

Ruínas do antigo quartel português em Tite
Alfredo Cunha

O quartel português de Tite ainda lá está. Mas em escombros. Restam as paredes e como sempre o mato vem reclamar o que lhe pertence. Ainda foi ocupado pela tropa guineense, mas abandonado em 1994. A poucos metros, impassível, está um poilão, uma magnífica árvore sagrada com dezenas de metros de altura. À sua sombra, os velhos. E, com eles, a memória. Logo ali dois que lutaram no exército português. Pedro Ussumani, 66 anos; e Brema Jasse, 73. Foram tropa feijão-verde. Brema, aliás, passou de soldado ‘tuga’ a coordenador do PAIGC, e fala desses tempos com cumplicidades e risadas. “Querem um terrorista? Vamos a casa do grande bazuqueiro”, e lá caminhamos umas dezenas de metros até à casa de Braine Sane, 63 anos, o tal artista da bazuca. Tudo amigo. “Fomos soldados, não há rancores”, diz.


Antigos combatentes da guerra pela independência da Guiné-Bissau
Alfredo Cunha

Ussumani vai adiantando “que depois das descolonizações há sempre uns exageros”. Mas a questão não era entre guineenses, era da política de Salazar. Gostava de acabar nesta frase. Não posso. Da mesma maneira que entre os jovens não há grande ligação com o poder colonial, há um saudosismo verbalizado sem medo na geração mais velha. Até em combatentes da libertação. Um cansaço da instabilidade. Da destruição. Da pobreza. Mais do que do resto. O que confunde. E ouve-se isto. “Se era para ficar assim, sem nada, com este braço sem força devido aos estilhaços, não tinha ido combater”, diz o bazuqueiro do PAIGC.

E o tal primeiro tiro, como foi? O homem que o deu morreu há poucos meses. E eis que chega à sombra do poilão Pape Dabo, 89 anos, um homem pequenino. Não sabe de ouvir dizer. Esteve presente no ataque de 23 de janeiro de 1963 e participou nas reuniões que decidiram a operação no quartel de Tite. Tiro? Não foi tiro. “Só tínhamos dez armas e a sentinela estava a dormir e, quando avançámos pela porta do quartel, matámos o homem com um canhaco.” Canhaco? É uma lança que se põe num arco. Mas foi com a mão. Perfurou-lhe o pescoço.

Mas voltemos um pouco atrás. Pape Dabo conta a história do ataque como já a terá repetido centenas de vezes. Não permite interrupções. Ele é o narrador e o dono da versão. Começa com ele e o irmão no quartel, a trabalharem como padeiros dos portugueses, e termina depois do ataque com ele a voltar a ser reconhecido pelos militares portugueses como um “dos bons” e, assim, a poder espiar. Pelo meio, o ataque: divididos em quatro grupos, só o primeiro entra no quartel; os portugueses acordam; os tiros; as mortes do lado dos ‘tugas’ terroristas (“terroristas eram vocês do PAIGC”, diz Pedro); depois, teve que voltar no outro dia, foi obrigado a ver os cadáver dos companheiros mortos e ter de fingir que não os conhecia. E recorda ainda quando o comandante alinhou a população na praça em frente ao quartel e disse: “A guerra começou.”

TABANCA DE TITE

nota - este artigo foi-nos enviado pelo nosso amigo José Justo a quem agradecemos, com a devida vénia ao Expresso.
O artigo já tinha sido publicado em tempos neste blog, mas nunca é demais repeti-lo. Muito obrigado ao Justo.

sábado, 15 de julho de 2017

Boas noticias da Guiné/Bissau

BOAS NOTICIAS DA GUINE/BISSAU.
PUCLICAMOS DE SEGUIDA, UMA BOA NOTICIA ACERCA DA GUINÉ/BISSAU, POR PARTE DO FMI. Noticia inserida no Expresso de hoje, a quem agradecemos.


segunda-feira, 10 de julho de 2017

Companhia de Milicias nº. 7

O Serafim enviou-nos hoje o estandarte da Companhia de Milicias nº. 7, estacionada em Tite, cujo comandante era o Alf. DJaló.
Ao Serafim os nossos agradecimentos e votos de rápidas melhoras.
Um abraço.




Leandro Guedes.

Viagem à Guiné - Roteiro da Memória...



GUINÉ BISSAU - ROTEIRO DA MEMÓRIA
Viagem de Autor com Luís Pedro Nunes e Alfredo Cunha
 🗓 2 Nov 2017 - 12 Nov 2017 | 11 Dias, Tudo incluído
+ INFO sobre itinerá... GUINÉ BISSAU - ROTEIRO DA MEMÓRIA
Viagem de Autor com Luís Pedro Nunes e Alfredo Cunha
🗓 2 Nov 2017 - 12 Nov 2017 | 11 Dias, Tudo incluído
+ INFO sobre itinerário, condições e preço em goo.gl/BVrWHm
A Pinto Lopes Viagens irá levar neste roteiro Alfredo Cunha que, desde 1973, vai regularmente à Guiné e é o autor de algumas das imagens mais conhecidas dos momentos-chave do País, e Luís Pedro Nunes, autor de várias reportagens sobre a vida da Guiné, dos momentos chave da independência e da guerra que envolveu os militares portugueses nos últimos anos do conflito.
O roteiro proposto visa mostrar a Guiné: o país de contrastes, belezas naturais únicas e diversidades étnicas e geográficas que foi palco de uma história militar que marcou uma geração de portugueses.
Será mais do que uma abordagem histórica, o relato de dois jornalistas e da sua relação com a reconstrução dessa realidade do ponto de vista da atualidade, revisitando alguns dos pontos marcantes e de como é possível relacionar-se e relatar algo ainda tão vivo e sensível na memória de tantos.
---------------------
PROGRAMA:
1º DIA • PORTO OU LISBOA (AVIÃO) …
Em horário a combinar, comparência no aeroporto escolhido para embarque em voo regular com destino a Bissau, via Lisboa.
2º DIA • … – BISSAU
Chegada de madrugada, assistência nas formalidades de desembarque e transfer para o hotel. Distribuição dos quartos, check-in e tempo livre para descanso. Visita a Bissau, capital da Guiné-Bissau, localizada no estuário do Rio Geba, na costa atlântica. É a maior cidade do país, com o maior porto, constituída como centro administrativo e militar do país. Fundada em 1697 como fortificação militar portuguesa e entreposto de tráfico de escravos, obteve o estatuto de cidade e de capital, estatuto que manteve após a independência. Início das visitas à cidade velha, com destaque para o Cemitério Português, local onde foram sepultados muitos soldados portugueses durante a Guerra Colonial, e onde muitos dos quais permanecem por identificar; à Fortaleza de São José da Amura, estrutura primitiva erguida por forças Portuguesas a partir de 1696, sob o comando do Capitão-mor José Pinheiro. Foi reconstruída várias vezes ao longo dos séculos e, actualmente, abriga o Mausoléu de Amílcar Cabral, líder na fundação do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) que, no início da década de 1960, iniciou a luta armada contra o regime colonial; ao Mercado de Bandim, que surgiu no início da década de 60. O entreposto recebeu, numa primeira fase, a denominação de Beco de Bandim, alterada alguns anos mais tarde com o incremento das trocas comerciais para a Feira de Curva de Bandim. Alojamento no Hotel Azalai 4* ou similar. Situado perto do centro de Bissau, as comodidades simples oferecidas pelo hotel dão resposta às exigências e necessidades dos clientes, disponibilizando serviços como internet com quartos agradáveis e climatizados.
3º DIA • BISSAU – CACHUNGO – CACHEU – PRAIA DE VARELA
Ao amanhecer, saída para Cachungo. Visita e encontro com a tribo Manjaco, povo que habita nas margens dos rios Cacheu e Geba. Durante a visita iremos perceber de que forma é que factores como a escravatura, a evangelização, a colonização, a emigração e a globalização contribuíram para a transformação das comunidades Manjaco e a sua influência no Estado da Guiné-Bissau. Seguimos para a região de Cacheu, segunda região mais populosa da Guiné-Bissau. Considerada fonte principal do comércio de Cabo Verde e Guiné, era aqui que os navios portugueses vinham obter escravos e produtos da região. A cidade de Cacheu, capital desta região, torna-se assim muito importante nas relações comerciais, o que leva à construção do Forte de Cacheu. Visita a este Forte, fundado em 1588 por forças portuguesas, com a função de defender a primeira feitoria da região. Além de assegurar a presença militar portuguesa, constituía um importante apoio ao comércio de tecidos manufacturados, marfim e escravos. Neste contexto, é criada a Companhia de Cacheu, fundada em 1675, que visava garantir o direito ao tráfego na Costa da Guiné e no arquipélago de Cabo Verde, assim como de escravos para a Metrópole, os domínios do Ultramar e a América Espanhola. Dotada de extraordinária beleza natural, Cacheu assume-se como principal zona de pesca artesanal do país. Travessia de barco até à Praia de Varela, uma das mais famosas e bonitas da Guiné-Bissau. Alojamento no Aparthotel Chez Hélène, simples mas um lugar muito calmo, no meio da natureza, perto da praia, pintado com as cores de África.
4º DIA • PRAIA DE VARELA – TABANCA DE ELALAB – PRAIA DE VARELA
Visita à Tabanca de Varela, situada a 16 km de São Domingo, e rodeada por belas praias. O seu ar puro e marés constantes são as suas características mais relevantes. Continuação para visita à Tabanca de Elalab, comunidade situada na parte litoral norte da Região de Cacheu. Travessia de barco até à ilha onde se situa esta tabanca. O objectivo da construção das tabancas é melhorar a qualidade de vida das famílias no que diz respeito à higiene de uma forma geral e, em particular, no apoio à gravidez. A comunidade de Elalab é conhecida por ser extremamente activa, empreendedora e bem organizada. Com cerca de 430 habitantes, o arroz é a principal base de alimentação da população local, cultivado em solos salgados recuperados ao mar através de pequenas barragens e diques de cintura construídos manualmente. Também os recursos marinhos são essenciais a esta comunidade, o que torna a pesca uma das actividades principais. Regresso à Praia de Varela. Alojamento.
5º DIA • PRAIA DE VARELA – BISSAU
Manhã para visita à Praia dos Pescadores, assim chamada por ser um porto onde os pescadores partem para a pesca. Esta praia é continuidade da Tabanca de Varela. A sua beleza, águas calmas e ar puro fazem da zona de Varela um ambiente natural onde o sabor de África é genuíno. Regresso a Bissau e tempo livre no centro da cidade para sentirmos a atmosfera da capital guineense. Alojamento no Hotel Azalai 4* ou similar.
6º DIA • BISSAU – GABÚ – BAFATA
Partida em direção a Gabú e visita à maior cidade do Leste do país. Gabú foi a capital do Império Kaabu, reino Mandinga, que existiu entre 1537 e 1867 na chamada Senegâmbia, região que englobava o nordeste da atual Guiné-Bissau, e que se estendia até ao Senegal. Durante o período colonial, a cidade passou a ser designada por Nova Lamego, tendo recuperado o seu nome tradicional após a independência do país. No centro de Gabú está preservado um pequeno núcleo urbano de inspiração colonial. A cidade é também conhecida pela sua população predominantemente muçulmana. Continuação para a cidade de Bafatá. Localizada no centro norte da Guiné, é a segunda maior cidade do país. Construída sobre rio Geba, Bafatá é uma cidade tranquila com uma arquitetura predominantemente colonial, conhecida sobretudo por ser a terra natal de Amílcar Cabral. Perto da casa onde nasceu, em setembro de 1924, existe um pequeno monumento com o seu busto. Em 2011, a casa foi restaurada pela UNESCO, em colaboração com a Comissão Nacional da Organização da Guiné Bissau, com o objetivo de criar uma exposição permanente sobre a vida e obra de Amílcar Cabral. Alojamento no Aparthotel Triton ou similar.
7º DIA • BAFATA – BAMBADINCA – GUILEJE – SALTINHO
Partida em direção a Saltinho. No percurso, passagem pela cidade de Bambadinca, conhecida por ser a primeira cidade a desenvolver electricidade constante, permitindo à população uma melhor qualidade de vida. Mais tarde, com ajustes feitos ao modelo de produção e distribuição de energia eléctrica, desenvolveu-se esta produção a partir de energias renováveis. Continuação para Guileje. Localizada junto à fronteira da Guiné Conacri, o quartel militar português de Guileje foi alvo de vários ataques e emboscadas devido à sua frágil localização e ao facto da envolvente ser maioritariamente mata. Havia uma constante necessidade de deixar o quartel para reabastecimento de provisões e armamento, o que deu origem a várias emboscadas resultantes na morte de muitos militares portugueses. Continuação para Saltinho, onde vamos poder admirar os Saltos do Rio Corubal, famosas cascatas. Este rio é também famoso pelo desastre de Cheche, ocorrido na retirada do quartel de Madina do Boé, que vitimou 47 militares portugueses. Alojamento na Pousada de Saltinho, onde se pode desfrutar de um ambiente calmo e paradisíaco. Nesta pousada contamos com quartos simples mas com as condições necessárias para garantir uma boa estadia.
8º DIA • SALTINHO – BUBA – TITE – SÃO JOÃO (BARCO) – BUBAQUE
Saída em direção a Buba. Situada junto ao Rio Grande de Buba, foi na época colonial ponto de paragem e de importância estratégica nas trocas comerciais e tráfico de escravos. Em 1670, foi aqui fundada mais uma feitoria Portuguesa por forma a garantir a sua supremacia na cidade e suas margens. Continuação para Tite, cidade que albergou o antigo quartel Português de Tite. Este quartel foi o ponto de partida da guerra da Guiné, ao ser escolhido pelo PAIGC como o local da primeira investida, e ficar na história como “o local do primeiro tiro”. Hoje em dia restam apenas as ruínas do quartel e as memórias de um passado sangrento. Continuação até São João para travessia de barco até Bubaque. Alojamento no Hotel Casa Dora ou similar. Este hotel familiar de origens simples, oferece os serviços mínimos a uma estadia confortável, bem como um conjunto de diversificadas actividades e boa gastronomia.
9º DIA • BUBAQUE – ILHA DE SOGA – BUBAQUE
De manhã, visita à Ilha Bubaque, localizada no Arquipélago de Bijagós, considerado Património da Humanidade pela UNESCO devido à sua rica e abundante fauna e flora. A Ilha foi uma das mais afectadas pela presença dos europeus, escolhida pelos colonizadores alemães antes da I Guerra Mundial e pelo Governo Português depois de 1920, como o centro principal das suas actividades no arquipélago. Os alemães construíram aqui uma fábrica para extracção de óleo de palma e um porto para navios de pequena e média tonelagem. Continuação para a Ilha de Soga. Esta ilha tornou-se famosa por ser o local onde foi organizada uma missão altamente secreta pelos “homens do Calvão”. Os indícios dessa operação “saltaram” para conversas quando o Comandante Alpoim Calvão efectuou, anteriormente, uma série de “golpes de mão” clandestinos nos países vizinhos. Foi nesta base militar que foi organizada secretamente a ação militar à Guiné-Conacri, com o objectivo de tomar o poder e aniquilar os principais dirigentes do PAIGC, apelidada de “Mar Verde”. Regresso a Bubaque. Alojamento.
10º DIA • BUBAQUE (BARCO) – BOLAMA (BARCO) – BISSAU (AVIÃO) …
Travessia de barco até à Ilha de Bolama. É a ilha mais próxima do território continental da Guiné-Bissau. Estava desabitada quando os colonos britânicos a ocuparam em 1792. Após uma serie de incidentes, a ilha foi abandonada em 1794. Foi então que, no ano de 1830, Portugal reclamou Bolama e iniciou-se um conflito diplomático pela sua posse. Em 1860 os britânicos declararam sua a ilha a que chamaram “Rio Bolama”, como parte de Serra Leoa, tendo sido concedida a posse novamente a Portugal em 1877. Mais tarde, após uma ação militar portuguesa, Bolama assumiu oficialmente o estatuto de primeira capital da Guiné Portuguesa, condição que manteve até à sua transferência para Bissau, em 1941. Hoje possui restos da ocupação colonial portuguesa com edifícios à procura da recuperação. Continuação de barco para Bissau. Jantar de despedida com música local. Após este em horário a combinar localmente, transfer ao aeroporto de Bissau para embarque em voo regular com destino ao Porto, via Lisboa.
11º DIA • … – PORTO OU LISBOA
Chegada a Portugal. Fim da viagem e dos nossos serviços.
-------------------
CAROS AMIGOS:  Tendo em conta que uma viagem à China, lá no Oriente, por onze dias, fica por pouco mais de 2.000 €, temos que convir que os 3.300 € pedidos para esta viagem a Guiné, aqui tão perto, é demasiado. No entanto haverá sempre alguém interessado. A viagem, segundo o programa apresentado, é de onze dias e no oitavo dia, passará por Tite, como a seguir se enuncia:
"8º DIA • SALTINHO – BUBA – TITE – SÃO JOÃO (BARCO) – BUBAQUE
Saída em direção a Buba. Situada junto ao Rio Grande de Buba, foi na época colonial ponto de paragem e de importância estratégica nas trocas comerciais e tráfico de escravos. Em 1670, foi aqui fundada mais uma feitoria Portuguesa por forma a garantir a sua supremacia na cidade e suas margens. Continuação para Tite, cidade que albergou o antigo quartel Português de Tite. Este quartel foi o ponto de partida da guerra da Guiné, ao ser escolhido pelo PAIGC como o local da primeira investida, e ficar na história como “o local do primeiro tiro”. Hoje em dia restam apenas as ruínas do quartel e as memórias de um passado sangrento. Continuação até São João para travessia de barco até Bubaque. Alojamento no Hotel Casa Dora ou similar. Este hotel familiar de origens simples, oferece os serviços mínimos a uma estadia confortável, bem como um conjunto de diversificadas actividades e boa gastronomia"
Fica o convite, a sugestão para quem se quiser aventurar a ir ao encontro da história, da qual fazemos parte. Não esqueçam as redes mosquiteiras, o quinino, os repelentes e as vacinas anti malária, os antibióticos apropriados, etc etc...
Um abraço.
Leandro Guedes

quinta-feira, 29 de junho de 2017

O Pedro faz hoje 72 anos...


Falei há pouco com o Pedro, na sua casa no Centro Social dos Montes Altos.
Está muito contente porque tem lá hoje quatro amigos de infância de Castro Marim (S. Bartolomeu), que foram almoçar com ele.
Pensava que eu iria hoje almoçar com ele, com os mesmos amigos que foram da outra vez. Ficou a promessa para uma próxima.
Mandou um abraço para todos os companheiros de Tite, tendo falado entre outros no nosso capitão Paraiso Pinto e no furriel Cavaleiro e também nos amigos que o foram visitar há alguns anos.
Ao Pedro o nossos abraço de parabens, que continue com saúde.
Um agradecimento especial ao Centro Social de Montes Altos, na pessoa do Senhor Diogo Sotero.
Muito obrigado.
Leandro Guedes.










terça-feira, 27 de junho de 2017

"Um soldado não pede muito: apenas memória e respeito..." Lema do Nucleo de Torres Vedras, da Liga dos Combatentes.

Publicamos com a devida vénia ao jornal Badaladas e ao seu autor Artur Rocha Machado, um artigo sobre a Homenagem anual aos torrienses mortos na Guerra do Ultramar, organizada pelo Núcleo de Torres Vedras da Liga dos Combatentes.


segunda-feira, 26 de junho de 2017

Secção de Obuses em Tite

Esta era a equipa da Secção de Obuses 10,5, que foi para Tite a meio da nossa comissão.
Alguém se lembra do nome dos seus elementos, bem como da terra donde eram naturais? - o da esquerda era 2º. sargento, o do meio salvo erro era cabo e o da direita furriel.
Dão-se alvíssaras...
Leandro Guedes


terça-feira, 20 de junho de 2017

Palavras do filho do Heitor e de vários amigos

Ainda que se tenha tratado de uma cerimónia muito pessoal e profundamente intensa, não posso deixar de agradecer publicamente aos camaradas Paraíso Pinto, Leandro Guedes e a todos os camaradas do Bart Tite Guine Bissau este momento sobre a memória do meu pai.
Agradeço ainda ao
Alberto Figueiredo, ao Luís Cúrdia, ao Silvino Oliveira, à Maria Crespo a sua presença e a muitos outros que me manifestaram indisponibilidade de presença, mas reconhecimento pelo justo acto.
Um abraço a todos os camaradas e amigos

E como ouvi e o Alberto Figueiredo registou, guardo com muito orgulho as palavras dos camaradas do meu pai: "era um homem preocupado com os seus amigos e com a população autotene, sem qualquer tipo de ódios".
Pois foi assim que o conheci e assim fui educado.
João Caldeira Heitor
----------------------------
Comentários, publicados no facebook do Batalhão:

Hortense Martins grande abraço amigo e solidario João.

Maria Crespo Na guerra ou na paz "não se fazem amigos, reconhecem-se."


Maria Crespo A ti João Caldeira Heitor um beijinho de longa e profunda amizade

Maria Jose Órfão Meu amiguinho compreendo o teu reconhecimento. Sao momentos inesquecíveis.
Beijinhos


Maria Emilia Matafome Bonita homenagem que fizeram ao Heitor!

Félita Coelho Justa homenagem ao meu amigo Heitor de quem tenho saudades !
Beijinho João, o teu pai era um homem justo,alegre , amigo e por isso é recordado por muita gente com saude!
Ana Filipa Nunes Ferreira Deixou-te a ti para dar continuidade a todas estas palavras bonitas. Um grande beijinho

Joaquim Antonio Dos Reis Justa homenagem a um homem bom e que felizmente conseguiu transmitir a seu filho seus bons costumes e esteja onde estiver decerto muito grato estará a todos
Ana Filipa Moutinho Beijinho e abraço. Muitas saudades.

Nuno Pereira Sem palavras amigo... e o que me lembro do teu Pai pá...Abraço

nota do BART - A todos aqueles que de algum modo estiveram ligados a este acto, seja com a feitura das placas, seja com a contribuição voluntária no almoço de Vilar Formoso, sejam as pessoas que clicaram no "Gosto", seja aqueles que participaram com os seus comentários e também e principalmente aqueles que puderam estar presentes no cemitério, o nosso muito obrigado com a certeza de que o João já não está só. Um grande abraço a todos. Bem hajam! Paraiso Pinto/Leandro Guedes.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Homenagem ao António Alves Heitor







Jock, o cão do Heitor, a mascote do Batalhão

Caros companheiros
Teve hoje lugar a nossa homenagem ao António Alves Heitor, furriel miliciano enfermeiro do nosso Batalhão em Tite.
Foi um ato simples mas sentido, em nome de todos nós.
À nossa espera estava o seu filho João Heitor e dois amigos da família, Alberto Figueiredo e Luis Curdia. Mais tarde chegaram mais dois amigos da família, Silvino Oliveira e Elvira Crespo.
Agredecemos ao João Heitor e aos seus amigos pela gentileza ao comparecerem nesta homenagem ao amigo falecido.
Revivemos em conversa, vários episódios da vida do Heitor e da sua família e até tivemos a possibilidade de assistir a uma conversa telefonica entre o João Heitor e o Rosa, que conheceu e conviveu com a família e que por motivos de saúde não pode estar presente.
Agradecemos mais uma vez a todos os companheiros que colaboraram de alguma maneira nesta homenagem, embora não estivessem presentes.
Foi um dia diferente, até pelo calor que se fez sentir, lembrando os tempos de Africa.
Paraíso Pinto/Leandro Guedes.

o Hipólito faz hoje anos



Mais um ano se passou na vida deste nosso jovem companheiro - militar, sacristão, carteiro, juiz e bombeiro - quantas reformas receberá ele???
Um grande abraço de parabens, votos de boa saúde junto dos teus.
São os votos dos teus amigos da tropa...
Leandro Guedes.

domingo, 18 de junho de 2017

Companheiros doentes

Soubemos hoje que os nossos amigos Alfredo Alves e Abreu foram operados recentemente, o primeiro a um pulso e o segundo ao nariz. Também o nosso amigo Ramos foi operado há uma semana.
Para eles os nossos votos de boas e rápidas melhoras.
Leandro Guedes.
furriel Ramos


Alfredo Alves


Coragem e Bravura - CART 1690

Companheiros
Já tenho referido o facto de o ex-alferes Moreira, ter residência habitual em Torres Vedras, tendo de vez em quando escrito textos interessantes sobre a companhia que teve sobre o seu comando, a CART 1690, após o falecimento em combate do seu capitão e comandante de companhia.
Como sabem a CART 1690, 1691 e 1692 pertenciam ao nosso Batalhão, embora não estivessem estacionadas na sua zona de intervenção.
É mais um artigo que publicou no jornal Badaladas, onde refere o heroísmo, lealdade e abnegação dos seus homens durante as operações de combate de que foram alvo.
Ao Badaladas e ao autor do artigo a nossa vénia.
LG.
(para ler o artigo clicar uma vez na noticia e quando estiver aberta clicar novamente para ficar mais visível).

quinta-feira, 15 de junho de 2017

CHEGOU O MOMENTO DE IRMOS À CAMPA DO HEITOR, COLOCAR UMA PLACA DE HOMENAGEM.


Temos vindo a tentar conciliar a vida de cada um de nós, para nos deslocarmos ao CEMITÉRIO DO GAVIÃO.
Uns dias não podem uns, outros dias não podem outros tantos.
Por isso decidimos ir na próxima segunda feira, dia 19, pelas 10,30 / 11 h.
...
Irei eu, o capitão Paraiso Pinto, O Joaquim Henriques de Peniche e talvez o Domingos Monteiro da Maceira e o Victor Barros da Marinha Grande.
Se outros aparecerem, melhor.
Seja como for será neste dia.
Se ao João Heitor (filho do Heitor) lhe for possível estar presente, seria o ideal mas compreendemos que a sua vida será muito atarefada.
Mas ficamos com essa esperança.

Leandro Guedes.

---
nota- O João Heitor, filho do nosso companheiro António Heitor, já confirmou a sua presença no cemitério, no dia 19.
Muito obrigado ao João Heitor.

sábado, 10 de junho de 2017

Aniversário do Núcleo de Torres Vedras da Liga dos Combatentes

Publicamos a seguir um artigo da Jornalista Eunice Francisco, do Jornal Badaladas, com a devida vénia, cujo tema é mais um aniversário do Núcleo de Torres Vedras da Liga dos Combatentes.
Bem hajam por mais este encontro de amigos.



segunda-feira, 5 de junho de 2017

Video do almoço em Vilar Formoso



ALMOÇO EM VILAR FORMOSO
Este video visionado no almoço, foi elaborado pelas filhas e netos do Fernando Clara, a quem mais uma vez agradecemos pelo belo almoço que a todos proporcionaram.
Muito obrigado.
Leandro Guedes.

sábado, 3 de junho de 2017

Mais algumas fotos do almoço anual em Vilar Formoso

Desta vez foi o Narciso a enviar fotos.
Agradece-se aos companheiros que tiraram fotos no almoço anual, nomeadamente o Cavaleiro e Monteiro e outros, o favor de as publicarem ou enviarem por email.
Abraços.
LG.

Mais uma promessa do Senhor Presidente, no que aos ex-combatentes diz respeito.

 Noticia publicada num jornal diário da capital, na passada 4ª feira.
É mais uma promessa do Senhor Presidente sobre os ex-combatentes e "a desatenção a que foram votados".
Diz o Senhor Presidente que "o Estado está aos poucos a fazer-lhes justiça".
Não vislumbramos onde está o Estado a fazer justiça aos ex-combatentes da guerra colonial. Mas...
Vamos aguardar. Será também até ao ano 2021, como a promessa anterior feita de dar abrigo àqueles que o não têm, nomeadamente aos ex-combatentes que vivem e dormem na rua?
Aguardemos e acreditemos na sua boa-fé.


quinta-feira, 1 de junho de 2017

O Henrique Guimarães fez anos a 27 de Maio.

O Henrique Guimarães fez anos a 27 de Maio e por esse motivo não lhe foi possível estar presente no nosso almoço anual.
Embora atrasados, para o H. Guimarães o nosso abraço de parabéns com votos de boa saúde, junto dos teus.
Leandro Guedes.



O Almoço em Vilar Formoso - 27 de Maio de 2017.








Caros companheiros

Conforme estava anunciado, decorreu ontem dia 27 de Maio de 2017, o nosso almoço anual, desta vez em Vilar Formoso, organizado pelo Fernando Clara e família, comemorando também o 50º aniversário da nossa partida para a Guiné.

Antes de mais, queremos agradecer todo o trabalho e empenho que as filhas e restante família do Fernando Clara tiveram, na organização deste evento. Foram incansáveis para receber os guerreiros e suas famílias, tudo correu muito  bem, estava tudo muito bom. Muito obrigado.

Foi grande a espectativa em relação às possíveis presenças no almoço, mas não foi mau, perto de 80 pessoas entre guerreiros e familiares.

Agradecer também às esposas e restantes  familiares  e amigos de alguns dos guerreiros, que não quiserem deixar de estar presentes.

Agradecer ainda aos companheiros que embora doentes ou em convalescença (e não são poucos), também disseram “presente” à volta da mesa que todos reuniu em mais um almoço.

O encontro aconteceu por volta das 11 h no largo 25 de Abril em Almeida. Seguiu-se uma visita à vila de Almeida, acompanhados pela D.Patricia, técnica da Camara Municipal e que com competência nos elucidou sobre a valorosa histórica daquela vila fronteiriça.

Quando estávamos na área que antigamente pertencia ao picadeiro dos cavalos, no Páteo da Artilharia, tivemos a presença do Senhor Presidente da Camara de Almeida, que com a família veio passear até àquele local, tendo conversado com o Fernando Clara. Seguiu-se a ida para o almoço.

Quinta do Prado Verde, foi o restaurante onde se realizou o almoço e que penso agradou a todos. Sabemos que deu muito trabalho ao Fernando Clara e filhas a quem reiteramos os nossos agradecimentos.

Chegou a vez do nosso capitão Paraizo Pinto, falar aos presentes.

Começou por solicitar um minuto de silencio em memória dos dois companheiros falecidos este ano – António Luis Reis Traquino em 10 de Outubro de 2016 e Joaquim Barbosa de Oliveira, O Famalicão, em 21 de Março de 2017. Este momento foi extensivo aos restantes companheiros já falecidos tanto em Tite como depois do regresso.

Foi solicitada a colaboração dos presentes para angariar fundos para a deposição de uma pequena  placa de metal com suporte em pedra, na campa dos entretanto falecidos.  A contribuição foi generosa tendo as placas e pedras entretanto feitas, ficado integralmente pagas.

Em dia a anunciar um grupo de amigos irá à campa do António Heitor no Gavião, depositar a respectiva placa e suporte, com a possível presença do seu filho João Heitor, se isso lhe for possível.

O nosso capitão pediu ainda aos presentes que tenham mudado de morada, o favor de registarem as novas moradas para assim serem contactados. Pediu ainda a divulgação destes nossos almoços na esperança de que apareçam mais companheiros.

Este ano apareceu pela primeira vez  um  companheiro da CART 1692 António Manuel Braz. Este amigo esteve emigrado em França desde a nossa chegada e solicitou a ajuda dum familiar, na procura dos seus amigos da Guiné e através do blog e facebook veio a saber deste almoço e compareceu. Mora actualmente em Rio Frio,  Bragança e fez questão de estar presente.  Este nosso companheiro António Manuel Braz, pediu a colaboração de todos na pesquisa de outros companheiros da CART 1692, na esperança de os poder rever a todos. O seu telefone é o 933834137. Morada, travessa da Fontainha, nº. 9, Rio Frio,  – 5300-831 Rio Frio, Bragança.

Chegou a altura do nosso capitão solicitar um voluntário para a realização do almoço do próximo ano, tendo ficado antecipado acordado, que doravante os almoços irão ser realizados na zona centro -  Coimbra, Aveiro ou Figueira da Foz, sempre que possível perto de auto estrada e da linha de caminho de ferro. O Vilão, o Claro e o Ramos ficaram de apresentar soluções para o efeito. Ficou também acordado que sempre que possível, o almoço passará a ser no primeiro sábado do mês de Maio.

Lembrou ainda aos presentes que temos um blog e facebook, onde é sempre possível estar em contacto com os companheiros que acedem a estas ferramentas virtuais.

Por último congratulou-se com o facto de ao longo de ano, haver pequenos  grupos de companheiros que se vão juntando em almoços de confraternização  do Minho ao Algarve, o que é motivo de satisfação para todos.

Após o discurso do nosso capitão foi exibido um filme com as nossas memórias de Tite, elaborado por uma neta do Fernando Clara, onde apareceram a maioria dos nossos companheiros.

Posteriormente foi cortado o bolo do Batalhão e após isso foi o regresso a casa, alguns de bem longe.

Muito obrigado a todos – AMIGOS NA GUERRA AMIGOS PARA SEMPRE!.