.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra do Ultramar.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

"Amigo é aquele que na guerra, nos defende duma bala com o seu próprio corpo"

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra do Ultramar

-

Eles,
Fizeram guerra sem saber a quem, morreram nela sem saber por quê..., então, por prémio ao menos se lhes dê, justa memória a projectar no além...

Jaime Umbelino, 2002 – in Monumento aos Heróis da Guerra do Ultramar, em Torres Vedras
---

“Aos Combatentes que no Entroncamento da vida, encontraram os Caminhos da Pátria”

Frase inscrita no Monumento aos Heróis da Guerra do Ultramar, no Entroncamento.


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, O SPM, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS, NÃO ESQUECENDO AS ENFERMEIRAS PARA-QUEDISTAS.

domingo, 27 de setembro de 2020

Artur Camelo, mais um aniversário


 

Ao nosso amigo Artur Camelo, enviamos um forte abraço de parabéns, com votos de boa saude junto dos seus familiares.

Abraço.

Leandro Guedes.





sábado, 26 de setembro de 2020

O JUSTO HÁ MUITOS ANOS NO SEU MELHOR E SAUDADE DAQUELES QUE PARTEM !

"O JUSTO HÁ MUITOS ANOS NO SEU MELHOR
E SAUDADE DAQUELES QUE PARTEM
O Justo era um dos rapazolas, à volta dos 20 anos, como a esmagadora maioria dos que “residiam” em Tite. O posto era o de 1º Cabo. A função Operador de Cripto.
O Justo (o Zé das Osgas) era um contador de histórias exímio. Forte a sua personalidade. Todos tinham por ele grande admiração. Recordo-me de bons momentos.
A forma de estar do Justo “era não estar ali” era como se estivesse a ter….sei lá? um sonho mau, um grande pesadelo. A cerveja, os cigarros que “comia”, os seus desenhos, os trabalhos manuais, as suas fantasias eram o seu escape. Ou seja: ele estava-se nas tintas para o que lhe diziam, contava religiosamente os dias que faltavam para o regresso, mas eu sei que….não era alheio às questões e aos problemas.

O Alferes (piriquito) dava pelo nome de Vaz Pinto. Já falecido. Foi comandante do plutão Daimler. Não embarcou connosco quando da formação do Batalhão em Lisboa, apresentou-se no quartel bem mais tarde nos termos de/para rendição. (penso eu)

Homem de cavalaria, o Alferes, formado na mais exigente disciplina militar, não podia admitir aos seus subordinados, fossem eles do plutão Daimler ou quando na função de oficial de serviço, o uso da farda, mesmo de trabalho, em desacordo com o regulamento militar instituído.
Bem, o que o nosso grande amigo Alferes não sabia era que nós os “velhinhos”, fartos de levar porrada, a “farda” que vestiam já não o era. As botas estavam gastas; as camisas com os botões da cada cor; os colarinhos das ditas já só com as entretelas e mesmo estas rotas; os calções esburacados e calças feitas calções, etc. Levando a que muitos de nós mandássemos fazer calções e, não só, aos alfaiates que abancavam à porta do “branco”. Calções feitos de pano reles, não incorporavam resguardo ou suporte para segurar os “tins-tins”. Enfim uma coisa feita em três tempos, mas servia!
O Justo, por sistema não usava cuecas com o que quer que fosse e, no refeitório, numa tarde chuvosa, eu e o meu camarada almoçávamos em frente um ao outro, bem mais preocupados com as formigas de asa não fossem elas cair no prato, quando, o nosso Alferes, de bengali na mão, dizia:
….È você!!!!!!!. Oh militar!!!!!
Como a chamada não era para mim, nada disse. Mas o Alferes não desistia…É você, não ouve? Oh militar
Já muitos olhavam na direcção do Alferes mas…. O Justo nada! Até ao momento que o chamei a atenção.
É comigo????? É….disse o Alferes. Que se passa??????, diz o Justo.


…Isso que tem aí pendurado, apontando o bengali em direcção ás pernas. E acrescentando….não são propósitos de um militar.
…Olha este!!! Diz o Justo, e em alto e bom som disse….onde quer ele que ponha os c……….., em cima da mesa? Uma gargalhada geral não se fez esperar.
Tempos depois, o Alferes Vaz Pinto percebeu o espírito de equipa que reinava em Tite. Que grande camarada ele foi.
Raul Pica Sinos
e diz o Zé Justo:
Raul: Jovem, já não me lembrava desta...está porreira, obrigadinho pela lembrança.Não há dúvida que o Vaz Pinto mudou muito, foi um tipo porreiro para muita malta e apoiou-me imenso naquela história do meu processo."

domingo, 20 de setembro de 2020

Estatisticas do blog

 

ESTATISTICAS DO NOSSO BLOG, DESDE O

INICIO EM 25 DE JANEIRO DE 2008, ATÉ HOJE.

https://bart1914.blogspot.com

De sempre - 483146

Hoje - 78

Ontem - 53

Este mês - 1527

Mês Anterior - 2977

sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Desta vez é o Manuel Palma a fazer anos

 Amigo Palma

Um grande abraço de parabéns por mais um aniversário.

Que contes muitos com saúde junto dos teus familiares.

Leandro Guedes.








José Sopinha - mais um aniversário


Muitos parabens Sopinha por mais um aniversário.
Muita saúde e que tenhas um dia excelente.
Um abraço.
Leandro Guedes.









 

quarta-feira, 16 de setembro de 2020

Parabéns Alf. Augusto Antunes

O nosso alf Antunes comandante do Pelotão Daimler 1131, passa hoje mais um aniversário.

Muitos parabéns com votos de boa saúde.

Um forte abraço.

Leandro Guedes.



terça-feira, 8 de setembro de 2020

Parabéns Doutor João Caldeira Heitor


João Caldeira Heitor
2 de setembro às 12:29  ·
Faz hoje um ano que iniciei as funções de Secretário-Geral do Instituto Superior de Gestão.
Tem sido uma experiência muito enriquecedora, com uma excelente equipa, numa instituição que ministra formação de excelência.

#ISG #institutosuperiordegestao #lisboa #ensinosuperior #turismo #gestaodoturismo



Parabéns meu caro João. Muitos sucessos são os nossos votos sinceros.
Um abraço.
Leandro Guedes.

domingo, 6 de setembro de 2020

O almoço em casa do Mestre

 O ALMOÇO EM CASA DO MESTRE:

Boa tarde amigos

Conforme estava combinado entre as partes, realizou-se ontem o almoço em casa do Mestre, com a presença do nosso capitão Paraiso Pinto e Esposa.

Pelo que diz o nosso capitão foi um belo almoço de cozido de grão à moda do Alentejo e um belo assado de carne, bem regado como é da praxe.

Conversaram sobre o tempo de Tite em amena cavaqueira. Estiveram também presentes a Esposa do Mestre, a filha Graça e o genro, bem como o filho.

Lembraram, entretanto, os amigos recentemente falecidos, Eduardo “Pintassilgo” e Victor Barros, dois amigos muito carismáticos do tempo de Tite.

O Mestre e família ficaram muito contentes com a visita do nosso capitão e já prometeram que para o ano vão repetir o evento.

Por fim o nosso capitão teve que se meter à estrada por causa do movimento na ponte e também para não chegar de noite a casa.

Durante o almoço receberam o telefonema da minha pessoa e ao fim da tarde também telefonou o Cavaleiro, mas o nosso capitão já tinha saído.

Bem hajam todos os participantes nesta reunião de amigos.

Leandro Guedes.
















sábado, 5 de setembro de 2020

STAYAWAY COVID

 

Procura na APP do teu telemovel  STAYAWAY COVID e instala-a. Com esta aplicação passas a saber quando estiveste perto de alguém infectado com COVID e assim podes imediatamente ligar para o SNS 808 24 24 24 e eles te encaminharão e aconselharão.



E se por acaso estiveres infectado deves inserir no STAYAWAY o teu código de doente para informares outras pessoas. É um serviço anónimo e solidário mas muito eficiente, inventado por uma Universidade portuguesa. É gratuito.

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Parabéns António da Costa Mestre

O nosso companheiro ANTÓNIO DA COSTA MESTRE, do Monte Fialho, passa hoje o seu 75º. aniversário. Muitos parabéns amigo, que contes muitos mais com saúde junto dos teus familiares. Um forte abraço sénior. 
Leandro Guedes.




terça-feira, 1 de setembro de 2020

Dia das Bandas Filarmonicas

Hoje é o Dia das Bandas Filarmónicas, a mais pura manifestação cultural do Povo Português. Juntamos aqui duas das Bandas de Musica de Torres Vedras - dos Bombeiros Voluntários de Torres Vedras e da Incrivel Aldeiagrandense. E também uma interpretação da Banda do Exercito.

 




sábado, 29 de agosto de 2020

Homenagem a um amigo

O nosso capitão Paraiso Pinto, pediu para partilhar a excelente relação que sempre teve com o então Capitão Neves, comandante  da CCAÇ 2314,. Com ele passou serões muito agradaveis de conversa interessante e bem disposta. Era uma pessoa leal e que estava sempre presente quando era necessário naquela terra de conflito. O capitão Paraiso Pinto ficou emocionado com o falecimento do seu amigo Coronel Neves e endereça à familia os seus mais sentidos pêsames.

sexta-feira, 28 de agosto de 2020

Homenageando o Senhor Coronel Joaquim Jesus das Neves


CCaç 2314 - Age Quod Agis
4 h  ·
A família da CCaç 2314 ficou, hoje, mais pobre, o seu Comandante e Amigo deixou de estar entre nós. Fica-nos a sua recordação de durante quase dois anos, 1968/1969, na Província da Guiné, termos constituído uma família que teve continuidade até hoje e que certamente continuará com gratas recordações de uma forte amizade...
Até um dia bom Amigo!
João Trabulo, Coronel

Faleceu o Senhor Coronel Joaquim Jesus das Neves



Boa tarde, companheiros.

É com muito pesar que comunico o falecimento do nosso comandante e amigo, senhor Coronel Joaquim Jesus das Neves.

Ainda não se sabe quando nem onde terá lugar o seu funeral.
Qualquer informação adicional será transmitida.

Saudações.
Joaquim Caldeira
28/08/2020

----------------
À familia enlutada endereçamos as nossas sentidas condolências.
BART 1914.

terça-feira, 25 de agosto de 2020

"Pobres Tolos, carregam em si flores"


''Pobres Tolos, carregam em si flores''
-
Meio perdidos por aqui, encontrei na tábua de trabalho uns versos, inacabados. Falam seriamente de gente pacífica e de bem, que por aí topo, nas vagabundagens! Porventura com a Lua em vai-vém naquelas cabeças endoidadas, usam cobrir-se de flores - como fadas - os coitados! Têm pouco juízo, pensamos! Isto é, às vezes, o que se nos aparenta. Assim será 'aquela' (deles) realidade?
-
Abraços estreitados, a todos vós, Camaradas e Amigos, que me estimais, bem quereis.
Vamos lá, então, à leitura, aos vossos comentários:
===
''Pobres Tolos, carregam em si flores''
-
‘’Os pobres tolos,
Que em todas as aldeias existem –
Teixeira de Pascoaes no-lo escreve

Não recordo onde –
Vestem-se de flores!’’
-
E por môr do quê me sugerem
Senão à razão e causa de dores?
-
Não lo é só em aldeias, que as vestem…
O trato, agora em fala, tem-me convencido
Por dessas fotos-imagens ter algures vistas,
E num qualquer pedinte aparecido.
-
Em cidades de hoje, seja, ou nas vilas,
Vindos se calhar daqui – ora, ora! -,
Ou possivelmente de fora.
-
Maltratados, sujos
Pés feridos, desnudos,
Por gélidas carreiras, em vadiagem
De ambulante, lenta rota,
As nuas plantas, ramos, arbustos
E profusão de flores
De que mal tomei nota,
Oh, como são belas!,
De fino recorte nas pétalas
De pé, dobrado ou singelo,
O que importa é que é belo,
Seja por mania ou adereço
Delas se cobrem a gosto,
Sobre trapos de roupagem, aposto!
-
Vêm com que alegria branda
A inventar mitos, cores, em franja…
Disfarçam-se de loucos canteiros
Verdes-em-riste, rubro-amarelados-velhos…
-
Dos pés à cabeça atapetados
Ou o inverso, como sói em ditados,
Enrolam-se em rosas perfumadas,
Cravos aos pulos, violetas danadas,
Crisântemos fúnebres, dálias agastadas…
Ah, que trajes perfeitos para ruas de férias,
Ou florais sentidos em calendários e lérias,
Subindo e descendo compungidos risos e falas
Grossas, lentas, de per si ensimesmadas…
-
Quantos deles no esquisitóide traje
Reproduzem um infindável, único, seu mundo
Lacustre, de lodo e de ultraje,
Íntimo, disparatado, distante,
Querido outrora, quiçá manifesto de amor,
Ou a olvidar que dias, de fúria ou terror!
Com eles alegrias, risotas, activas funções
São outras distopias, abalos, separações,
Por abandono, repúdio, morte fruste, mil aflições…
-
Ah, quantas lágrimas escondidas
Detrás das flores, nas recriações!
-
LMD, 24.08.20.

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Anulado almoço anual da CCAÇ 2314


Boa tarde, amigos e companheiros.
 
O nosso convívio anual, previsto para SÁBADO, 19.09.2020,
em PENAFIEL, não poderá ter lugar devido ao perigo de contágio  do CORONAVÍRUS e pela  proibição destes eventos.

Se entretanto houver alguma modificação das condições que permita a sua realização, mesmo em data diferente, entrarei em contacto  para marcação de nova data.

Estou disponível para todas as sugestões que entenderem transmitir.

Por favor, divulguem esta informação sempre que contactarem com um dos nossos.

Aceitem o meu abraço e votos de boa saúde.

Joaquim Caldeira

13.08.2019



domingo, 23 de agosto de 2020

Em Memória do Madureira





Relembrando o MADUREIRA... Pelo Pica Sinos.
Fevereiro de 2009
Texto atualizado Agosto 2020

SEGUNDO UM VELHO DE ALFAMA O MADUREIRA
JÁ NÃO ESTÁ ENTRE NÓS

Era dia véspera de Carnaval, a tarde estava bonita, soalheira, sem vento, adivinha-se a primavera, os foliões esfregam as mãos de contentes, mas não sou muito feito a carnavais. Não que não goste, fazem-me rir os trapalhões, mas não estou para aí virado.
A minha preferência nesta tarde foi dar um passeio na baixa Lisboeta minha terra natal, há muito que não andava de barco. O rio Tejo fascina-me!
Sentado, embalado pelo rasgar das ondas, avisto o estuário. Ao longe alguns poucos barcos, o Barreiro, os fornos da Quimigal. Nas vistas de Lisboa enxergo a abóbada da Igreja de Stª Engrácia/Panteão Nacional, a velha Sé que foi mandada construir por D. Afonso Henriques. No cimo o majestoso Castelo de São Jorge e todo a casario que o acompanha na colina. A Praça do Comércio está perto do meu olhar.
O velho barco atraca no cais da Praça do Duque da Terceira (Cais do Sodré), e o momento convida há toma de uma “bica” fazendo-me recordar o casual encontro com o Madureira numa tasca da Rua dos Bacalhoeiros, aquele que foi 1º Cabo Rádio Montador em Tite.
Não hesito, vou procurar o camarada no Campo das Cebolas, lá para os lados da parte baixa de Alfama onde exerce a profissão de estivador.
Vou a pé pela rua do Arsenal, sem antes mirar a Rua Nova do Carvalho recordando com saudade tempos idos onde que por lá trabalhei. Miro a montra da mercearia do Rei do Bacalhau, a Casa Testa/Casa das Moedas, a Mercearia Pérola do Arsenal, são estabelecimentos que não “envelheceram” ainda resistem.
Direito à Rua dos Bacalhoeiros atravesso as arcadas da Praça do Comércio, não posso deixar de tomar mais um café, desta vez no Martinho da Arcada. Passo pela frente Casa das Vassouras e das Rolhas, hoje estabelecimento muito pró fino.
Já no Campo das Cebolas paro e entro na tasca onde encontrei o Madureira. À senhora que estava por detrás do balcão perguntei: Diga-me por favor… conhece um “rapaz” da minha idade que dá pelo nome de Madureira? Era estivador nos frigoríficos da carne ali no porto. Perante a sua incerteza disse-lhe que tinha umas orelhas bem desenvolvidas. …
Ah esse retorquiu, é arrumador de carros ali na frente! Olhe, lá está ele sentado na cadeira pela sombra…
Pé ligeiro, sorridente, lá vou ao encontro da personagem que me foi apontada, mas quanto mais me aproximava, mais dúvidas me sobressaltavam, até que na minha frente, vejo um homem alto, magro, mas de parecido com o Madureira só nas orelhas por muito grandes.
Fui à conversa com o Sr. José Martins perguntando e identificando o homem tendo em conta as parecenças físicas, ficando deveras triste por me dizer que fisicamente o nosso grande amigo e camarada já não estava entre nós.
Aliviando aos poucos o desconforto, pela forma de estar e de comunicar deste velho arrumador de carros sou informado:
…Claro que conheci o Madureira. Muito bom rapaz e falador!
….Dei-lhe muito trabalho de estivador quando eu era empregado na Casa das Sacas, agora há anos que está fechada
…Sim é verdade ele tinha umas orelhas tão grandes como as minhas, mas não era meu familiar.
…Era muito bom rapaz um dia vamos encontrá-lo
Deste homem, natural do Bairro de Alfama, despedi-me com amizade.
Pica Sinos

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Em Memória do Vitor Barros, pelo Pica Sinos






DECLAMOU EM ALMOÇO FESTIVO O EX-OPERADOR DE TRANSMISSÕES DE INFANTARIA E OPERARIO VIDREIRO DE PROFISSÃO OLHAI PARA ESTAS MÃOS QUE AQUI VÊDES, JÁ FORAM PEQUENINAS E FORMOSAS, LEVES E MACIAS COMO LIRIOS, ROSADAS E FRESCAS COMO ROSAS.
MÃOS VIDREIRAS QUE O GÁS QUEIMOU.

Não posso deixar de recordar o Vítor Barros. Nosso camarada d’armas na guerra colonial e operário vidreiro de profissão. Era um homem bom ao contrário do frágil vidro que trabalhava. Era um homem forte, educado, afável e gentil. Um amigo de pronto a dar o seu ombro para chorarmos nos momentos menos bons, escutar e partilhar as vivências contemporâneas e passadas.
Um dia, no final da tarde, sentados junto à porta do CC, recordo este homem bom, mobilizado para a guerra na Guiné como primeiro-cabo de transmissões de infantaria a lamentar-se pela falta de equipamento bélico quando em patrulha no terreno.
Dizia-me ele:
Há aqui alguma coisa que falha. Sou operador de transmissões de infantaria (radiotelefonista) e sou colocado numa companhia de artilharia. Vou para o mato só com o radio às costas, G3 “cá tem”. Enquanto tu tens no teu “escritório” duas armas no armeiro não utilizadas.

Já desmobilizados era comum nas conversas que tínhamos por telefone, e não só, estar quase sempre presente as lutas dos operários vidreiros por melhores condições de vida, surpreendendo-me uma vez:

Em minha casa, de volta de um frango assado, bem acompanhados, frisou:
Não sou natural de Lisboa como tu, mas gosto de fado!
Pena tenho que não saber cantar mas declamar talvez.
Cá vai uma parte:

Olhai para estas mãos que aqui vedes
Já foram pequeninas e formosas
Leves e macias como lírios
Rosadas e frescas como rosas
Mãos vidreiras que o trabalho calejou
Mãos vidreiras que só fazem obras de arte
Mãos que sabem ser vidreiras
Honradas em toda a parte
Mãos que se irmanam com o fogo
Trabalhando o vidro em ebulição
Mãos que são a alma de um povo
Na sua dura vida e duro pão

Descansa em paz camarada
Raul Pica Sinos
Agosto de 2020

Notas:: Na estante museu da minha casa tenho uma garrafa em cristal, com o meu apelido, que o Vítor Barros me ofertou. Esta garrafa, cheia de ginja feita pela Dª. Maria de Jesus sua mulher, já também defunta, simboliza os operários vidreiros. São ofertadas no museu do vidro na Marinha Grande a gentes de cariz importante quando na visita à cidade. É também religiosamente guardada a flor rosa em vidro que recentemente ofertou à Maria Emília, minha mulher.
Obrigado Vítor,
Os versos são da autoria de Francisco Correia Moita