.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


sub tit

sub tit

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Comemorações do 14º. aniversário do Monumento aos Mortos na Guerra do Ultramar, em Torres Vedras



                                                
Companheiros

Realizou-se ontem, dia 5 de Junho,  em Torres Vedras, a comemoração do 14º. Aniversário da inauguração do Monumento aos naturais de Torres Vedras (existem ao todo 289 Monumentos em todo o País) , mortos na Guerra do Ultramar e também do 90º. Aniversário do núcleo local da Liga dos Combatentes.
Foi uma homenagem que teve inicio com missa na Igreja da Graça, pelas 10,30 na qual estiveram presentes vários militares e também 3 estandartes dos núcleos da Liga dos Combatentes de Vila Franca de Xira, Caldas da Rainha e Torres Vedras.


De seguida deu-se a concentração junto ao Monumentos dos Combatentes, junto ao Palácio da Justiça, iniciando-se as cerimónias pelas 12,15  tendo o seu momento alto com a imposição de medalhas a dois antigos combatentes, impostas pelo senhor secretário geral da Liga dos Combatentes, coronel Hilário. A este respeito importa dizer que estas medalhas que premeiam aqueles que estiveram em campanha em Africa, em teatro de operações, pelo menos durante seis meses, têm que ser “pedidas” às entidades competentes. É triste que assim seja. Importa ainda dizer que vão ser impostas no dia 10 de Junho, em Lisboa, 3 cruzes de guerra a miliatares que foram louvados para o efeito. Cinquenta anos depois…


Iniciou a cerimónia o ex-alferes miliciano Biencard Cruz (hoje Diácono), que serviu em Angola, na arma de Transmissões. Parte do seu discurso está publicado em vídeo neste blog.
Discursou de seguida a Senhora Vereadora da Cultura em representação da Camara Municipal de Torres Vedras, Dra. Ana Umbelino. Lamentavelmente não temos gravação do seu discurso devido a uma irritante avaria que deixou o vídeo em péssimas condições.
Por último discursou o Senhor Coronel Hilário, secretário-geral da Liga dos Combatentes Nacional e do qual temos discurso em vídeo publicado.
Destes discursos salienta-se a homenagem sentida e comovida a todos aqueles que serviram a Pátria e principalmente àqueles que por ela deram a vida (nos quais se incluem os nossos amigos do BART 1914 e restantes Unidades Operacionais do sector Quinara, em Tite na Guiné/Bissau)  e que em Torres Vedras são mais de cinquenta. Mas sem desmerecer os restantes, vale a pena ouvir o discurso do senhor coronel Hilário.
Várias entidades estiveram presentes no evento, salientando-se o senhor Presidente do núcleo da Liga dos Combatentes de Torres Vedras, o senhor tenente-coronel da Escola de Sargentos, a senhora Major da Escola das Armas, representantes da PSP, GNR e Bombeiros Voluntários, além das Juntas de Freguesia.
De salientar que estiveram presentes muitos combatentes anónimos, que serviram nas várias frentes operacionais.
No final da cerimónia alguns dos participantes foram almoçar num conhecido restaurante da cidade.
Leandro Guedes.

4 comentários:

leandro guedes disse...

De Joaquim Cosme:

"No monumento aos Mortos da Guerra do Ultramar, em Torres Vedras, um dos mais belos dos 289 existentes no País, está escrito este poema da autoria de Jaime Umbelino:

Fizeram guerra sem saber a quem.
Morreram nela sem saber por quê
Então, por prémio, ao menos se lhes dê
Justa memória a projectar no Além.

Joaquim Cosme"

leandro guedes disse...

Muito obrigado amigo Cosme, pela sua simpatia em comentar este nosso blog.
Um abraço.
Leandro Guedes.

Albertina Granja disse...

É de facto um belo monumento....!!!
Não assisti à cerimónia, mas o relato aqui feito é muito claro e elucidativo...
AG

leandro guedes disse...

Obrigado Albertina, pelo seu comentário.
Foi na verdade um belo momento a homenagear os mortos e também os vivos, que serviram naquelas paragens, em condições tão difíceis e hoje tão mal compreendidas.
Bom fim de semana.
Leandro Guedes