.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Nova Sintra - pelo Alf. Vaz Alves

Braga, 31 de Julho de 2011-08-08







Amigo Guedes
Um abraço antes de mais e as desculpas por só agora ir ao encontro do que me solicitaste. Já tinha há tempos o “rascunho” feito desta história, mas perdi-lhe o sitio onde o tinha guardado. Ontem, ao passar a vista no blog, envergonhei-me ao ler a tua carta e prometi a mim mesmo que de hoje não passava a história da foto do comandante Spínola.
Não sei se a foto tem alguma data no verso mas ela anda à volta do dia 7 de Junho de 1968.
A minha referencia vai para essa data uma vez que tinha passado um mês sobre o inicio da construção de Nova Sintra.
Nesse dia o comandante Felgas disse-me que no dia seguinte viria a Nova Sintra a Companhia Operacional de Tite e por sua vez a Companhia de Nova Sintra ia a S.João buscar reabastecimentos. Nessa altura a ementa estava limitada a arroz com chouriço  e chouriço com arroz.
A chegada dos helicópteros com a poeira do quartel ainda em construção, encheu-nos a panela de areia e arroz. Ao mastigar é que notávamos a diferença.
O comandante Spínola viu a situação e no dia seguinte enviou alguns helis com frango e outros alimentos.
A situação era um pouco “gágá” em termos de segurança, uma vez que fiquei só no quartel, a fazer a defesa e a segurança aos helicópteros, com alguns cozinheiros e elementos do meu pelotão, num total de cerca de uma dúzia de homens. Isto porque o meu pelotão (Nativos 66) tinha sido reduzido por ferimentos no 1º. ataque ao quartel, em 10 de Maio.
Nesse ataque vi uma série de granadas de morteiro a explodirem nas árvores em frente ao meu abrigo.
Essas que explodiram em cima das árvores, espalhavam os estilhaços e atingiam as pessoas em especial na cabeça. Uma das que não explodiu em cima, veio pela árvore abaixo, atingir o Sapador Neto, que faleceu dali a dois dias.
Algumas dessas granadas, pelo que me disse o rádio telegrafista, que estava com o meu pelotão, andaram por bem perto de mim, com os estilhaços a ficarem marcados na árvore do meu abrigo.
Nesta dia, melhor, a esta hora lembrei-me de Bissássema e até a sombra dos baga-baga, lembravam alguém a rastejar na nossa direcção. Aliás nesse ataque os “turras” chegaram a tropeçar no arame farpado.
Nesse período de Bissássema, eu não estava em Tite, porque fui destacado pelo Quartel General, para fazer exames aos que tivessem 3ª. ou 4ª. classe, como se dizia na altura.
Foi o período negro do Batalhão em que, além de Bissássema com a captura pelo IN do Alf. Rosa e dos Soldados Contino e Capítulo, (da CART 1743) rapazes das transmissões, aconteceram a morte do Alf. Carvalho, do Soldado Victor e do furriel Rato, que trabalhava ao meu lado na sala de operações, em Tite.
da esquerda para a direita: Rato, Vaz Alves e Bagulho

Durante esses quatro meses o Comandante Felgas pressionou o Quartel General de tal maneira que tive de voltar a Tite. Ele argumentava que eu lhe fazia falta, mas o que é certo é que logo a seguir me mandou para Nova Sintra, como que “castigado”, embora eu nada fizesse para sair para os exames. Conheci no entanto vários pontos da Guiné e cheguei a pernoitar em Madina do Boé (o Algarve da Guiné...).
Com estas e com outras já não te falava na foto.
Em primeiro plano estão o Alf. Domingos Sá, um antigo colega meu do Liceu de Braga e que faleceu num dos ataques a Nova Sintra, em finais de 1968.
Logo a seguir aparece o Cap. Vicente que estava a comandar a Companhia Operacional em Nova Sintra, a substituir um Capitão que tinha sido apanhado por uma mina anti-pessoal.
Voltando ao caso da foto, queres saber o porquê da foto com toda a gente em calções e tronco nu? É simples. Era assim que se andava há um  mês, com barba por fazer, vestidos o mais aligeirado possivel. Ninguém avisou da ida do Gen. Spínola e os guarda fatos estavam “fechados”, com as fardas nº. 1.
Aliás, o nosso banho era tomado com uma mangueira não sei de quantos polegadas e um motor a puxar água dum charco. Tenho a impressão que no meu album, que há tempos vos enviei, existe lá uma foto do banho, penso que com o Cap. Vicente, o Alf. Sá e eu.
Sem mais, aí vai mais um abraço e telefona quando receberes este “arrazoado”.
Vaz Alves
____________________
do nosso companheiro Joaquim Caldeira, furriel da CCAÇ 2314, recebemos o seguinte email:

"Caro Leandro Guedes. Boa tarde e que estejas bem.
Como habitualmente fui espreitar o Blog do Bart 1914 e vi que, a foto do cabeçalho refere uma visita  do Gen. Spínola a Nova Sintra e que fala aos combatentes que iniciaram a construção do quartel.
Penso que talvez possa haver aí uma leve falta pois que quem iniciou a construção do quartel de Nove Sintra foi a CCAÇ 2314, depois da aventura de Bissássema e nunca o general, que eu recorde, visitou o terreno. Nem tão pouco o Ten.Cor. Felgas.
Também não me parece que, naquela fotografia esteja alguém da minha companhia.
Isso leva-me a pensar tratar-se de uma visita do Gen. a alguma companhia que deu continuidade à construção do quartel.
Não tenho nada contra o que a fotografia diz nem me importaria não fosse a história carecer de ser bem contada.
Apenas pretendo não restem dúvidas para os nossos vindouros.
 
Com amizade,
Joaquim Caldeira"
joaquimcaldeira@netcabo.pt
___________________________
Dadas as consideraçõs do Joaquim Caldeira, vamos contactar o Alf. Vaz Alves e tentar esclarecer algum ponto que seja necessário.
Entretanto, se alguém poder dar uma achega, nomeadamente o pessoal das transmissões ou da sala de operações, seriam bem vindas esses esclarecimentos. Ou também pessoal Sapador ou da  CART 1743.
Um abraço.
LG.

2 comentários:

leandro guedes disse...

Ora aqui está a tão esperada crónica sobre a foto de Nova Sintra.
É uma óptima descrição e merece o nosso elogio.
E esperamos com ela, despertar as mentes de outros companheiros,que têm estado tão calados.
Tantas histórias para contar e por contar.
Ao Vaz Alves o nosso muito obrigado.

Albertina Granja disse...

Mais uma bela crónica!!!!!
Tantas vivências... Tantas experiências...., passadas num período da vida em que, não obstante o vigor da juventude, deixaram as suas marcas, já que muitos delas, infelizmente, tiveram um final triste...
É contudo fácil imaginar quantas histórias um "batalhão inteiro" não terá para contar!!
E acredito vivamente que, todos os visitantes assíduos deste blog, estarão ávidos de ouvir os seus relatos.....
Ficamos à espera...