.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

o HIPÓLITO NOS CAMINHOS DE SANTIAGO...

A ficar “xarangado” . . .
E, para escrever, há que assentar a “perereca”, o que não é fácil.
Responsabilidade acrescida e exigível a um poeta talhado (para grandes voos e de futuro risonho, como o n/ querido líder, Guedes, não escreveu, por manifesto lapso, mas deixou subentendido nas entrelinhas).

Para esquecer, estas férias.
Só para terem uma ideia.
A minha consorte, já no final, saiu-se com esta, mui apropriadamente:
- Estes moinantes, teus ex-colegas, aqui, duma assentada, caídos de paraquedas, seguiram a tropa?
- Porque perguntas?
- São cá uns lateiros! Marchou tudo, ficamos depenados . . .

Em resultado do que, mesmo, mesmo, quase a esticar o pernil . . . já só “marcham” os restitos do tempo das vacas gordas.
Lá sosseguei a patroa, prometendo que tinha inscrito a m/casa no programa, em curso lá no burgo, de desrratização, desbaratização e desmosquitização.
E de que já tinha encomendado um sistema de electrificação (com a respectiva placa – “aviso – perigo de morte”) para portas, janelas e portinhola (para esta, os dois programinhas), precavendo um futuro ameaçador.

Para me ressarcir do acolhimento que, à algarvio de Tavira, os da gaveta por debaixo da mesa, lhes proporcionei, propus-me a um périplo.

Mas, mãos que não dais, por que esperais?
Na Marinha Grande, primeiro apeadeiro, um cafezito, no LIDL, por mais em conta;
Em Peniche, umas sardinhitas e uns carapaus (caldeirada de grilo);
Na do Reguila, oiçam só:
Treze sardinhas, uma das quais “moída” e que me tocou, para quatro, com a recomendação de que a dona da casa, só ela, arrumava com 18 (sardinhas);
Daqui, recambiado para Cascais, tabanca do Pires. Outra vez, sardinhas (estas vermelhas, a que minha mãe chamava de “ardidas”, e em que não toquei, sequer, por temer da vesícula;
Outra vez “xutado” pr’á do Reguila. Uma sola, chouricito e uns feijãozitos, também do LIDL, e toma lá que já almoçaste;
Para finalizar e já de regresso, após 16 horas, sem “tirar o freio”, atraco na do Contige.
E não é que, outra vez, sardinhas, estas muito maiores, da Terra Nova, marca RiberAlves, e uns ossitos, pareceram-me, de algum cãozito que o Contige, na viagem para o Meco, tenha atropelado.

Bem esteve o Guedes, em optar por aturar os netos (quatro) e a sogra (só uma!?) . . ., como esteve o Marinho, em não querer acamaradar com tal tropa.

Só mais duas notas, que me estão agarradas ao gasganete:

À “pita”, algarvia, sobretudo da foz do Êta, sempre chamei um figo. 
Lânguidos e curvilíneos, tão andaluzes, qu’inté os apêndices tocavam castanholas!
De saudosa memória! . . . Fica, e a não perder, a ideia.
É capaz de ser mesmo praga que me rogaram, como, alguém, sugeriu, há tempos e “abicado”, afloradamente, num comentário.
Matemático, ao segundo dia, na Fuzeta, tão genuinamente algarvia e onde até as dívidas  esqueço, soltam-se-me as águas.
É um alívio, do 2º andar, lá do alto, desopilar, de leque, por trás, e, de assobio, pela frente.

Adeusinho, agora “boue” a Santiago de Compostela, malhar com a môna lá no calhau, a ver se melhoro.
Volto já.
Todo vosso,
Hipólito

3 comentários:

Albertina Granja disse...

A FICAR "XARANGADO"?

Se me é permitida a intromissão e sem querer ofender ou ferir susceptibilidades, eu pergunto se a intenção não seria a de utilizar um termo algarvio, mais concretamente olhanense???

Em caso afirmativo então corrija-se o Xarangado para "XARINGADO"

Se porventura não se tratar do "xaringado olhanense", então desculpem-me pela minha ousadia.

Hipolito disse...

É bem capaz de ter razão, sim senhora.
A verdade é que ando, há mais de 35 anos, a tentar perceber aqueles heróis (pescadores) da Fuzeta e nada feito
Então se falarem, entre si, dois ou mais, percebo-os tanto como se falarem mandarim.
Lembro-me de, quando, há anos, ia com pai e dois filhos, de madrugada, lá fora (ao mar aberto, suspender ao alar as redes, naquelas 4/5 horas, não percebia, mesmo nada, do que comunicavam entre si.
Limitava-me, em terra, a usufruir dos frutos que pescavam e era, ruidosamente, "gosado" por ser atreito ao "gregório", sobretudo quando a "Amália cantava", isto é, quando o mar tinha alguma vaga ou "desembraivam" o motor do barco e este ficava como que à deriva, perecendo uma banheira.
Belos tempos, esses, em que na cozinha da casa onde estava e pertença dos mesmos pescadores era preciso pedir licença a um pé para não calcar as lagostas, lavagantes e outra bicharada que, livremente, se passeavam no chão da mesma.
Também disso, ficou a ideia . . .

Albertina Granja disse...

Sim, é verdade.....quando dois olhanenses se juntam (sobretudo se forem pescadores) e começam a trocar palavras entre si, não há quem os entenda....., mas não deixa de ser uma linguagem engraçada e interessante....