.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial

-

Eles,
Fizeram guerra sem saber a quem, morreram nela sem saber por quê..., então, por prémio ao menos se lhes dê, justa memória a projectar no além...

Jaime Umbelino, 2002 – in Monumento aos Mortos na Guerra Colonial, em Torres Vedras


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Do Hipólito, acerca dos anos do Pedro...

- Que s'a lixe… lá a poesia! . . .

Já vi !, na ausência de encómios à veia poética, que antevia laudatórios (nem um, pr’ámostra!), não vingou esta minha reciclável vocação serôdia . . .

Deus, nosso senhor, é que sabe ! Escreve, muitas das vezes, direito, por linhas tortas . . .

De futuro hipotecado, nas artes, como nas letras, ligo à terra, isto é, arreio (de largar, de anacar), para minha frustração.

Mas, o caso, o do arreio, é que embarrilo, ao perorar, nestas subtilezas do português.
Até tenho receio de ser mal traduzido, como, parece, o venho sendo.
Reparem: arreio (de burro), arriar (de largar), arriar a bandeira, a giga e, até (uma desfaçatez!), arriar o calhau ! . . .

E até, o meu pai, dizia: “põe-te a pau, não faças indecente e má figura, que ainda te arreio”.
É bem capaz de me ser congénita esta propensão, a dita, indecente e má figura.
E é, está na cara, areia, de mais, pr’á minha camioneta, intrometer-me nestas “charlas linguísticas”.

Por isso, adiante . . .
O que me trouxe à liça, hoje, será informar os “lateiros” que, sábado, vão à do Pedro, a Montes Altos, de que o Mestre, pelos cabelos só de vos aturar, vai preparado com uma “termos” de cházinho, daquelas ervas do seu quintal, de origem japonesa, com um nome pr’ó esquisito, “kahgga-jjá”, creio, e se me não equivoco, de comprovada terapêutica digestiva e retardadora dos, mais que prováveis, vapores etílicos, mas tendo, como contraindicação, efeito acelerador, noutra função orgânica.

Pagaria, de bom gosto, já que não vou, para ver, a “guerrilheiragem”, na viagem de regresso, a cada cinco minutos, correr, ligeirinha, para debaixo dos chaparros.

Mas, não se abespinhem, calma!
Até nem é por despeito, juro, de não poder acompanhar a matula, como suspiraria – Alentejo . . ., alentejo . . ., como, com alma de alentejano genuíno, tão bem canta o nosso Toninho.

Ainda há pouco, me aconteceu do género, a ponto de, com alguma estereofónica frequência, sentir uma leve brisa a desfraldar pelas fraldas da camisa.

A “panhônha”, desmancha prazeres, que me saiu na rifa, alvitra ser do repolho galego. Contraponho, fazendo finca-pé:

- das cerejas de “Resénde” ou da linguiça de Macedo, mal curada, é que é!
E, por ora, arreio (de largar), de tanto arreio (de burro) . . .

Hipólito

1 comentário:

Hipolito disse...

Ora! . . ., ora! . . .
Que s'a lixe! . . .
Também já tinha arreado . . .