.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

O Alferes e a falta das cuecas do Justo...

Foto do refeitório do quartel de Tite


Foto do Alf. Vaz Pinto
(por onde andará este camarada, que nunca apareceu nos almoços?...)
O Justo era um dos rapazolas, à volta dos 20 anos, como a esmagadora maioria dos que “residiam” em Tite. O posto era o de 1º Cabo. A função Operador de Cripto.
O Justo (o Zé das Osgas) era um contador de histórias exímio. Forte a sua personalidade. Todos tinham por ele grande admiração. Recordo-me de bons momentos.
A forma de estar do Justo “era não estar ali” era como se estivesse a ter….sei lá? um sonho mau, um grande pesadelo. A cerveja, os cigarros que “comia”, os seus desenhos, os trabalhos manuais, as suas fantasias eram o seu escape. Ou seja: ele estava-se nas tintas para o que lhe diziam, contava religiosamente os dias que faltavam para o regresso, mas eu sei que….não era alheio às questões e aos problemas.
O Alferes (piriquito) dava pelo nome de Vaz Pinto. Foi comandante do plutão Daimler. Não embarcou connosco quando da formação do Batalhão em Lisboa, apresentou-se no quartel bem mais tarde nos termos de/para rendição. (penso eu)
Homem de cavalaria, o Alferes, formado na mais exigente disciplina militar, não podia admitir aos seus subordinados, fossem eles do plutão Daimler ou quando na função de oficial de serviço, o uso da farda, mesmo de trabalho, em desacordo com o regulamento militar instituído.
Bem, o que o nosso grande amigo Alferes não sabia era que nós os “velhinhos”, fartos de levar porrada, a “farda” que vestiam já não o era. As botas estavam gastas; as camisas com os botões da cada cor; os colarinhos das ditas já só com as entertelas e mesmo estas rotas; os calções esburacados e calças feitas calções, etc. Levando a que muitos de nós mandássemos fazer calções e, não só, aos alfaiates que abancavam à porta do “branco”. Calções feitos de pano reles, não incorporavam resguardo ou suporte para segurar os “tins-tins”. Enfim uma coisa feita em três tempos, mas servia!
O Justo, por sistema não usava cuecas com o que quer que fosse e, no refeitório, numa tarde chuvosa, eu e o meu camarada almoçávamos em frente um ao outro, bem mais preocupados com as formigas de asa não fossem elas cair no prato, quando, o nosso Alferes, de bengali na mão, dizia….È você!!!!!!!. Oh militar!!!!!
Como a chamada não era para mim, nada disse. Mas o Alferes não desistia…É você, não ouve? Oh militar
Já muitos olhavam na direcção do Alferes mas…. O Justo nada! Até ao momento que o chamei a atenção.
É comigo????? É….disse o Alferes. Que se passa??????, diz o Justo. Isso que tem aí pendurado, apontando o bengali em direcção ás pernas. E acrescentando….não são propósitos de um militar.
Olha este!!! Diz o Justo, e em alto e bom som disse….onde quer ele que ponha os……….., em cima da mesa? Uma gargalhada geral não se fez esperar.
Tempos depois, o Alferes Vaz Pinto percebeu o espírito de equipa que reinava em Tite. Que grande camarada ele foi. Um Abraço para os meus grandes amigos!

Raul Pica Sinos

e diz o Zé Justo:
Raul: Jovem, já não me lembrava desta...está porreira, obrigadinho pela lembrança.Não há dúvida que o Vaz Pinto mudou muito, foi um tipo porreiro para muita malta e apoiou-me imenso naquela história do meu processo.Estou a preparar um história com ele.Xau

Zé Justo

2 comentários:

Raul Pica Sinos disse...

Amigos

Por vezes somos conhecedores de noticias que não esperamos deixando-nos muito tristes.

O facto do Alferes Vaz Pinto não dar noticias tem infelizmente as suas razões.

Segundo a família o Vaz Pinto já não está entre nós fisicamente.

Recordemos o Vaz Pinto com o respeito que sempre nos mereceu.

Raul Pica Sinos

Raul Pica Sinos disse...

De: Zé Maria Vaz Pinto
Enviada: qua 16/4/2008 13:06
Para: Afonso Vaz Pinto
Cc: raulpsinos
Assunto: Re: Esclarecimento ou ajuda


Olá, Afonso
Infelizmente, e para o efeito do almoço convívio, já não adianta muito porque o Alferes Vaz Pinto referido na mensagem é o Zéito, meu primo direito Zé Vaz Pinto, que morreu a 10 de Fevereiro de 2006 ! Claro que se for de alguma utilidade poderei arranjar contactos dos irmãos. Beijos do pai Zé


2008/4/15 Afonso Vaz Pinto


Olá Pai,
Pode ajudar?
Bjs

---------- Forwarded message ----------
From: Raul Pica Sinos
Date: 14 Apr 2008 21:13
Subject: Esclarecimento ou ajuda
To:

Boa Noite

Estive com um Alferes de apelido Vaz Pinto na Guiné-Bissau, mais própriamente em Tite no periodo 67/69.

A Companhia onde esteve integrado nada sabe dele.

Vamos em breve (Maio) fazer um almoço convivio

É possivel uma ajuda no seu encontro?

Obrigado
Raul Pica Sinos