.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

domingo, 13 de abril de 2014

Domingo de Ramos


Ainda me lembro de, na minha infância, ir com o meu Pai, no domingo de Ramos, anterior ao Domingo de Páscoa, levar o ramo à minha madrinha, D. Gracinda, que morava lá para os lados da quinta de Serralves, que anos mais tarde haveria de dar lugar ao Museu do mesmo nome.
Era uma prática bonita, saudável, de respeito mas que com o passar dos tempos se foi perdendo.
No domingo de Ramos, os ramos eram benzidos e o cheiro de incenso nas Igrejas, dava ao ritual um ar de purificação para aquelas crianças, que andavam na catequese e aprendiam os primeiros passos da boa educação, civil e religiosa, em função dos critérios e alinhamentos dos seus pais, embora não praticantes.
É certo que havia aqui algum interesse infantil, não ingénuo, pelo retorno duma prendinha acompanhada dumas amêndoas coloridas, de chocolate ou de licor. Uma delicia que deixava a criançada de água na boca e sem dormir na noite anterior.

Tenho saudades desse tempo.

1 comentário:

Albertina Granja disse...

Na época a que se refere, o período pascal era, sem dúvida alguma, vivido de uma forma bem diferente da que é nos dias de hoje....
Apesar de tudo e de muitas das tradições já se terem perdido, as procissões, sobretudo a dos Ramos e do Senhor morto, continuam ainda a realizar-se em muitas vilas e cidades de Portugal e continuam a ser participadas e assistidas por largas centenas de fiéis.
Como exemplo disso, posso referir a procissão do "Senhor morto" que se realiza na noite de sexta-feira Santa, em Faro. Apesar de ser suspeita, tenho de acrescentar que é uma das mais bonitas que já vi...!!!