.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

sexta-feira, 11 de maio de 2012

O Tóny de Castanheira de Pera

O Tony à mesa, em Almada, ladeado pela sua esposa e filha.

Um dos companheiros que nunca tinha aparecido após o desembarque, foi o Tony (António Manuel Alves Costa) natural de Castanheira de Pera, e que era um dos elementos do Pelotão de Morteiros.
Foi ele que quando cheguei ao restaurante em Almada, me reconheceu imediatamente. Eu sinceramente não o reconhecia com o seu aspecto actual.

Estava acompanhado pela esposa e filha, que me apresentou e com quem falei um pouco
Relembramos coisas passadas. E uma delas foi o facto de eu o ter requisitado para a cozinha da messe de sargentos, facto que ele nunca esqueceu, uma vez que o retirou de saídas mais complicadas para o mato. Acho que coincidiu com a saída do cozinheiro da messe, excelente cozinheiro, requisitado para a messe de oficiais, pela mão do cap. Vicente.

Era normal alguns oficiais virem pedir um pratinho de comida à messe dos sargentos, dado que era excelente, e por isso não descansaram enquanto não levaram o cozinheiro...
Mas o que é certo é que o nosso amigo Tony foi para a messe de sargentos e nunca mais de lá saiu, até ao seu regresso à Metrópole, que se verificou 3 ou 4 meses depois de nós.

Foi engraçado recordarmos estas situações.
.
Com mais actualidade falamos da sua terra, Castanheira de Pera, que eu conheço e onde já fiquei num hotel Nova Granada, que por sinal é do seu irmão.

Afinal estive tão perto dele sem saber. O Tony tem uma sapataria onde exerce a sua actividade, juntamente com sua esposa e filha.
Falámos também sobre lindos palacetes que Castanheira de Pera tem, alguns deles em estado de abandono, mas que mostram bem o quão importante foi no passado esta bonita localidade.

E não podia deixar de se falar também da praia fluvial que é o encanto das gentes vizinhas de Castanheira e que tem sido motivo de grandes reportagens por parte da rádio e televisão.
Esperamos que a partir de agora, o Tony não deixe de aparecer nos almoços e aguardo que conforme combinado o Tony me envie fotos suas (actuais e do tempo de Tite) para serem publicadas no blog.

Um abraço para o Tony.
LG.

1 comentário:

Albertina Granja disse...

Aos poucos todos se vão reencontrando...., e isso é muito gratificante....!!!!
As redes sociais têm destas coisas..., levam a informação a qualquer lado....
Mas quem segue este blog com alguma assiduidade, percebe perfeitamente que para tal, este "espaço" tem dado um enorme contributo.
Parabéns.....!!!