.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial

-

Eles,
Fizeram guerra sem saber a quem, morreram nela sem saber por quê..., então, por prémio ao menos se lhes dê, justa memória a projectar no além...

Jaime Umbelino, 2002 – in Monumento aos Mortos na Guerra Colonial, em Torres Vedras


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quinta-feira, 3 de março de 2011

Ser ou não ser TUGA, eis a questão...

De Pedro Farinha
pedronogueira@netcabo.pt
__________________________________

Boa noite,

Tenho apenas 28 anos, não combati mas o meu pai foi militar (não foi ao ultramar) e tenho o maior respeito pela classe militar e pelos sacríficios que os nosso Portugueses fizeram naqueles anos.

A razão do meu e-mail é porque não consigo encontrar a origem do termo “Tuga”, que me disseram que tem origem na guerra do ultramar.

Ninguem melhor que vocês me pode ajudar a transmitir o significado deste termo, se me confirmarem que teve origem na guerra (seja do lado dos portuguese, seja dos locais)

Um grande abraço e obrigado.
___________________________
Caro amigo
Procurando dar satisfaçãoà sua pergunta ,pesquisamos na Wikipédia e o resultado é o que a seguir se transcreve.
Cumprimentos
.
Tuga

Tuga(s) é uma expressão utilizada para designar o(s) portugues(es), tal como acontece com Lusitanos ainda que este último seja um termo mais erudito ou literário. Tuga é uma abreviatura de Portuga que, por sua vez, é uma derivação regressiva de português, com fontes registadas desde 1899.[1]

Tuga na Guerra colonial
O termo tuga popularizou-se durante os anos 1960, no decurso da dita "Guerra Colonial", como expressão para designar os portugueses por parte dos guerilheiros e oposição independentista africana em geral. Tinha como contraponto o termo turra (para terrorista, influenciada por gíria turra (andar às turras), usado pelos portugueses para designar os guerrilheiros independentistas. Ambas as expressões foram, nessa época, entendidas como depreciativas, por serem usadas pelo inimigo.
Um exemplo adicional numa obra mais recente que releva a conotação depreciativa do termo, in [1]: " (…) Ma-Tuga no mato. Imagens sobre os portugueses em discursos rurais moçambicanos * (…) * «Tuga» é um termo algo depreciativo utilizado, em especial nos contextos urbanos, para definir portugueses.(…)"
Tuga nos nossos dias
Nos últimos anos, em Portugal, a expressão tuga tem vindo a ganhar nova força, já sem a carga negativa que teve em África nos anos 1960. É muito usada no desporto e em formas de cultura ligadas aos jovens e à música (especialmente nos movimentos Rap e Hip Hop).
No Brasil o termo tuga não é usado, apesar de portuga o ser amplamente.

Sem comentários: