.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes, furriel milº Angola ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

"NINGUÉM DESCE VIVO DUMA CRUZ!..."

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

terça-feira, 8 de setembro de 2009

O BARROS MANDOU FOTOS E CONTOU UMA HISTÓRIA

Recuemos dois séculos e meio. Numa obscura aldeia de terras arenosas, sombreada pelo Pinhal, mãos anónimas erguem um forno. Alguém lhe chega o primeiro lume, alguém compõe o primeiro enfornamento. Pela primeira vez alguém colhe, sopra, dá forma…Nunca saberemos quem foram. E no entanto, a partir dos seus gestos começava a tomar uma realidade que dominaria a história da povoação que, ao longo de vinte e cinco décadas, havia de tocar, com maior ou menor intensidade, a vida de cada marinhense, que havia de ser a própria vida de tantos e que nunca saiu das práticas e dos discursos e dos sonhos locais. Como se até hoje chegasse ainda o sopro do vidreiro” Emília Marques – programa Oficial das Comemorações dos 250 anos Da Indústria do Vidro: “A Marinha Grande e o Vidro – Dois Séculos e Meio De Identidade – 1748 – 1998”, 1998 Marinha Grande, terra vidreira, vi-o nascer em 1945. Nós só o podemos abraçar 40 anos após o regresso da Guiné. Estou a “falar” do Vítor Manuel da Silva Barros. Este homem que foi operário vidreiro desde os 13 anos de idade. Órfão de mãe aos 9 anos e de pai aos 11. Assenta praça, (ainda imberbe como todos nós) no RI 7 em Leiria. Segue-se Campolide para a especialidade de Radio-telefonista, Mafra, Parede. A Guiné vem a seguir. No “Alfredo da Silva”, diz…como acharam que nós éramos um rebanho de ovelhas, meteram-nos nos porões em beliches com 5 andares. Comíamos nesse mesmo porão e, enquanto comíamos, não podíamos largar o prato senão iria parar ao outro lado. Os vomitados eram constantes! Volta à profissão de vidreiro quando regressa. Casa e nasce, deste amor, uma filha. Resultante do fecho da “sua” fábrica, como tantas outras nesta cidade operária, outro emprego lhe surge, desta vez numa fábrica de plásticos. As vicissitudes da vida deste homem endureceram-lhe o corpo, mas não o coração. Com quem de perto lidou com o Barros sabe da bondade deste homem, da sua humildade, do respeito e da amizade que dispensava aos demais camaradas. Hoje já está reformado. Passa o tempo a ler e segundo diz “apanhou o bichinho do computador”. Não acaba sem contar uma das muitas histórias que passou em Tite e que passo a transcrever: Que me desculpe o Pintão, mas não resisto a conta-la…Como alguns se lembram o Pintão usava lentes grossas, um dia apanhou uma bezana daquelas das grandes e foi beber água ao depósito que havia dentro do quartel. Antes de beber a água vomitou, na altura caíram os óculos. Eu e o Mestre e mais alguns camaradas que não lembro o nome, enquanto ele apalpava o chão há procura dos óculos, nós indicávamos sítios errados, até que o Pintão meteu a mão no vomitado e os encontrou, imaginem a cena” Pica Sinos Imagem da fábrica www.google.pt

1 comentário:

disse...

Que vontade de dar um abração ao Barros.
Nunca o consegui identificar nas fotos dos almoços e não sei porquê ? ainda outro dia estavamos na palheta no posto de rádio nos intervalos dos Alfas Sierras !!
Gostei de ver o nosso amigo tantos anos passados e está impéke.
Ao redactor Pica...que poderei dizer sem mais uma vez me repetir.
Parabéns pela prosa, gostei mesmo *****
Abrações para todos.
Justo