.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

O Padeiro e o Ajudante, o saguí e o cão...




Foto do saguí dos Padeiros e do Jock, cão do Heitor, mas que o Guedes adoptou desde muito cedo.

Lembram-se do Contige? Um rapaz alto, um pouco musculado, quase sempre “pintado de branco”, passando a maior parte das horas, quando em descanso, encostado à ombreira da padaria, edifício com a frente virada para o edifício das transmissões, conversando com o Costa de “Ovar”, Operador de Transmissões, este, sorna na primeira linha.
O Contige era o padeiro – Onde andas rapaz? Ainda na GNR ou já reformado?
O Contige era um amigão! Deveras educado, tenho saudades dele! Gostava de lhe dar um abraço! E do Ajudante, lembram-se? Um rapaz pequeno e franzino, com os ombros atirados para a frente, andar miudinho, também sempre “pintado de branco”, muito rápido na fala, assobiando primorosamente, companhia assídua do seu camarada de trabalho. Lembram-se dele? Muito bom moço!
Se haviam coisas boas em Tite, uma delas, sem sombra de dúvidas….o pão! Sim o pão, aquele alimento obtido com massa de farinha de cereais, cozida no forno. Pelas 6 horas da manhã, quentinho e estaladiço…. era um espectáculo.
O Contige, não podia obviamente dispensar pão. Era feito com conta e medida. Dar pão a todos os que pediam, não eram tão poucos como isso, era missão impossível, mas….na verdade, não havia presunto, chouriço, queijo, sardinha ou atum (latas), vindo da família, que não acompanhasse o pão feito pelo Contige e pelo seu Ajudante nas madrugadas em Tite.
Pois…. É isso mesmo que estão a pensar, o Contige, quando possível, dava-nos um pãozito escondido. E nós (……) quem? Os outros! Retribuíamos (não que ele pedisse) com “ produtos da exportação dos paizinhos e mãezinhas, das esposas, das namorados e mesmo das chamadas madrinhas de guerra.
Bom! Disto sabem todos, mas… só alguns sabiam, que o Contige e o Ajudante tinham um segredo. O “segredo” era um chimpanzé (não confundir com o sagui que vivia na padaria) que todos os dias, na paliçada das traseiras do quartel, esperava religiosamente pelo pão que lhe ofereciam. Isto era assim: o macaco chegava, ficava sentado na paliçada à espera deles. Quando se aproximavam o macaco fugia. O Contige punha o pão em cima da paliçada e afastava-se. O macaco voltava, levava o pão e nem sequer “agradecia”. Nunca o Contige e o Ajudante conquistaram a confiança do “amigo”.
Não sei, se por causa desta amizade não retribuída, mais tarde adoptaram um sagui que passou a ser mais um elemento na padaria. O bicho na maior parte das vezes andava à solta. A não ser aos seus “progenitores”, não se chegava a ninguém. Um dia morreu. O cão – o Jock, lobo alçacea, do furriel Heitor enfermeiro, matou-o de uma só dentada.
Lembro-me que a situação foi muito complicada, (mesmo muito complica) entre os padeiros e o saudoso Heitor, felizmente sem consequências.

Raul Pica Sinos

biabisa disse...
Ó Leandro apesar de tudo ainda de lá trouxe umas histórias giras. Gostei tanto de ler esta crónica que, quando falou no pão quente e estaladiço, cheirou-me a esse pão, tão saboroso. Pena foi o final. Também gosto muito de saguis, animaizinhos tão tímidos mas tão perfeitamente giros. Foi pena, mas cão é cão. Que se lhe há-de fazer? até amanhã Luísa

(Luisa - estas histórias têm sido contadas por amigos que ficaram desde esse tempo - Zé Justo e o Pica Sinos, malandrecos de Lisboa, que estavam em todas...)

5 comentários:

biabisa disse...

Ó Leandro apesar de tudo ainda de lá trouxe umas histórias giras. Gostei tanto de ler esta crónica que, quando falou no pão quente e estaladiço, cheirou-me a esse pão, tão saboroso.
Pena foi o final. Também gosto muito de saguis, animaizinhos tão tímidos mas tão perfeitamente giros. Foi pena, mas cão é cão. Que se lhe há-de fazer? até amanhã Luísa

alcindaleal disse...

Como vê Leandro só é preciso começar esta outra história feita de muitas histórias que cada um guardou na memória (e na Alma) à espera de oportunidade...
agora é trazer «à luz do dia e deliciar-nos...
felicitações para todos os compatriotas!

notyet disse...

BOM. EU NÃO TENHO MAIS A DIZER.
E, COMO JÁ COMENTEI ANTES, ESTÃO AQUI ARTILHEIROS DE SE LHE TIRAR O CHAPÉU.
JÁ NÃO DIGO: FORÇA LEANDRO.
A FORÇA ESTÁ PATENTE E VAI DE VENTO EM POPA.
UM BOM ABRAÇO

José Costa disse...

Óh Pica Sinos, só hoje 41 anos,(09 04 1967) depois de sairmos para a Guiné,é que dei com este blog, porque um amigo me descobriu na minha busca intensa pelos jornais e revistas de convívios militares e numca vos encontrei. Quero estar com vocês na primeira oportunidade. Um abraço do COSTA de Ovar Op. de msgs.

Raul Pica Sinos disse...

Finalmente encontramos o Costa.
Vamos ver se ele está disposto a contribuir para o Blog com histórias que ele recorde de Tite.
Bem vindo Costa
Raul Pica Sinos