.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial

-

Eles,
Fizeram guerra sem saber a quem, morreram nela sem saber por quê..., então, por prémio ao menos se lhes dê, justa memória a projectar no além...

Jaime Umbelino, 2002 – in Monumento aos Mortos na Guerra Colonial, em Torres Vedras


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

terça-feira, 10 de julho de 2018

A dôr do nosso amigo Luis Manuel Dias.


"Boa tarde, Amigas/os.
Estranharão, alguns, estar a pensar e a escrever-vos, neste meio, com tão soalheira tarde de Verão (só prejudicando o equilíbrio, a beleza dela, nestas bandas, o 'canto' crescente de alguma nortada) propícia, q. b., a um desfrute na praia'....
Ao invés. Ontem, pouco ou nada me viram, por aqui.
Hoje, passada a triste rememoração, em poucas palavras vos farei cientes.
Passados ontem, 7 de Julho, foram 30 anos que o nosso João Carlos desapareceu, levado nas águas da Barragem da Caniçada (Terras do Bouro, ao Gerês). Ficaram-nos dois rapazes e uma moça, cada qual na sua vida.
O João foi passar com amigos uns dias, em campismo. E, ao pretenderem ir à margem contrária, na Serra Amarela, onde moraria alguém deles conhecido, foi por água abaixo, ao se ter voltado o caiaque monolugar, quando atravessava o lago. Tudo pela elevada corrente, que se mediu um dia depois (no fim conjunto dos rios Caldo e Gerês a desaguarem no Cávado). Foi em 88. Ano deveras chuvoso. Logo, com alta força de água. Debaixo da ponte, entre as ribeirinhas Rio Caldo, de um lado e Vilar da Veiga, do outro, passava a menos de 2 metros !!! E havia uns 70 metros de profundidade, na zona, aumentando quanto mais se ia para a Barragem, ela mesma, uns 6 km adiante. E por ali ficou, mau grado esforços que, com amigos, fizemos, no sentido de o recuperar.
--- ---
Vou-vos deixar um Soneto, feito a propósito. Gritos de alma? Talvez..., ou da insuficiência humana !!!
--- ---
‘ In memoriam ’ JC

soneto

Filho meu que, sozinho, foste
P’ra tão longe do lar paterno …
Entregaste teu riso forte
Nas corcovas do sempiterno !

Será que tenha merecida
Desventura tamanha assim?!
Porque, destarte, oferecida
A levaste a aventura ao fim?

A companheiros, como tu,
Roga, no éter onde moras,
Mísero, eu… me perdoem.

E da terra não me esconjurem !
Do brejo, em que ninguém demora,
Não me mandem lá p’rás lonjuras !

LMDias,24NOV96
In facebook de Luis Manuel Dias".

1 comentário:

Luis Manuel Dias disse...

Imensamente grato estou ao Leandro Guedes por, usando da faculdade que todos vós, ex-camaradas e amigos, tendes de ''pegar'' e ''reutilizar''o que escrevo na minha página de FB, assim fazendo a republicou, neste nosso blogue. A Ti, querido Amigo e Camarada, o meu apertado, fraterno abraço. Aos demais, as minhas lembranças, votos de boa saúde, ou se de maleitas sofrerem, arribem de pronto, que é preciso. E o saudoso, muito amigo abraço. Às nossas companheiras (as de cada qual, havendo-as) beijinhos e longa vida, feliz. Ficai bem, em paz. Em breve, que o tempo voa, nos reencontraremos, querendo Deus.
Luís M. Dias (ex-fur Tms/BArt1914).