.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Guerra do Ultramar - por Joaquim Cosme


"Nos anos sessenta e seteta do século passado, Portugal viveu e sofreu com a Guerra Colonial em Angola, Guiné e Moçambique onde nos finais de 1973 combatiam cerca de 148 mil homens. 
Durante aqueles anos (de 1961 a 1974) morreram 8290 militares nas três frentes de combate. Se não tivesse surgido o 25 de Abril, onde é que este número chegaria?
Monumento Nacional aos Mortos da guerra colonial, em Belém
Em Janeiro de 1994 foi unaugurado em Lisboa no Forte do Bom Sucesso na zona de Belém, o Monumento aos Combatentes do Ultramar.
E em 2002, Torres Vedras prestou homenagem aos 49 torrienses  mortos nessas guerras, erigindo um Monumento em frente ao tribunal e onde constam os nomes desses 49 militares.
E nesse monumento ainda se pode ler este poema da autoria de Jaime Umbelino:
Monumento aos Torrienses Mortos, na Guerra colonial
"ELES
FIZERAM GUERRA SEM SABER A QUEM
MORRERAM NELA SEM SABER PORQUÊ...
ENTÃO, POR PRÉMIO, AO MENOS SE LHES DÊ
JUSTA MEMÓRIA A PROJECTAR NO ALÉM"

Joaquim Cosme
__________________ 
Curiosidades...
Nos Lusiadas, Luis de Camões, fala essencialmente do descobrimento do caminho marítimo para a Ìndia por Vasco da Gama e conta muitos factos da história de Portugal. Para tanto cita os nomes de vários países, mares, deuses, navegadores, reis, amores e tantas outras coisas.
Das mais de trezentas cidades e vilas portuguesas cita o nome de apenas vinte e tal. Entre as cidades está Torres Vedras o que poderemos considerar ser uma verdadeira memória para a nossa terra.
Vejamos o que diz a estância 61 do canto terceiro:

"Que cidade tão forte porventura
Haverá que resista, se Lisboa
Não pôde resistir à força dura
Da gente cuja fama tanto vôa?
Já lhe obedece tôda a Estremadura,
Óbidos, Alenquer, (por onde soa
O tom das frescas águas entre as pedras,
Que mormurando lava) e Torres Vedras.""

Joaquim Cosme

in Revista Caminhar, da AUTITV, com a devida vénia.

4 comentários:

Andradarte disse...

Gostei de ver essa nota do Amigo Cosme....
Parabéns amigo....., continuas em grande atividade, mesmo em férias..
Um abraço aos Amigos Cosme
e Leandro, com Votos de um Santo Natal...
Andrade

Albertina Granja disse...

São sempre interessantes os "apontamentos" do Sr. Cosme...!!!
Gostei...
Feliz Natal para todos
AG

leandro guedes disse...

Obrigado amigos pelos vossos comentários.
O nosso amigo Cosme, tem sempre algo interessante para partilhar com os seus amigos, connosco.
Muito obrigado a ele e a vós.
Abraço.
LG.

Joaquim Cosme disse...

Fico emocionado pelo Leandro se ter lembrado deste meu texto e publica-lo. Fico surpreendido e ao mesmo tempo agradecido. Um grande abraço.
Joaquim Cosme