.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Considerações (II)... por Luis Manuel S.Dias.


Damião d Góis, humanista

Um Homem do Renascimento – Um Humanista
Uma das muitas Vítimas da Inquisição!
Intelectual e homem d acção
Diplomata, historiador {Crónica d Dom Manuel I}, combatente, músico e cantor, erudito e viajante, cidadão da Europa e do Mundo.
Nasceu em Alenquer, em 1502 (no tempo dD.Manuel I), d ascendência flamenga, pela Mãe.
Com D.João III, sucessor do Venturoso, manteve-se a protecção real [mau grado ter sido este mesmo que, em Portugal, introduziu, ou deixou se instalasse, a nefasta Inquisição!!!]
Do seu tempo: Lutero, Melanchton – 2 grandes nomes da Reforma protestante, Wittenberg.
Erasmo ( Desidério Erasmo de Roterdão), Friburgo (Suiça).
“Vício Europeu” : viajar, estudar, instruir-se, conhecer letrados, teólogos, gente d várias culturas.
Em 1548, Damião d Góis é nomeado por D.João III guardador-mor da Torre do Tombo.
Em 1557, um ano após a morte do Soberano, o sucessor – o Cardeal-Infante D.Henrique – futuro rei, encomendou-lhe escreve-se a Crónica do reinado d Dom Manuel I. Foi o “canto do cisne” para o humanista historiador, que, na data, se dedicava já a historiar D.João II.
É que… havia os descontentes, os interesseiros e invejosos: entre estes, Pêro Vaz d Caminha, arqui-inimigo d Luís d Camões; entre os primeiros, o próprio genro d D.Góis, Luís d Castro.
Acima d td - o Pe. Simão Rodrigues d Azevedo, da Companhia d Jesus, (q Góis conhecera em Pádua, qd estudava na Universidade) – um dos primeiros companheiros do tristemente célebre seu fundador Inácio d Loyolla – “alma danada” q sempre perseguiu DG e nunca desistira do ódio {!!!} (como é isto possível num seguidor d Jesus???) – d trinta e mts anos -  com delações atrás d delações, falsas e incongruentes!?...
Desta feita – após 1567? – apareceram as testemunhas (q antes escassearam!) – Luís d Castro, Vaz d Caminha, + alguns fidalgos …
Defendeu-se DG como pode, mas, homem velho – com sessenta e nove anos, idade já avançada para aquela época! – e, sobretudo, doente.
Cedeu, assinando um texto em q abjurava seus supostos erros!...
Condenado a cárcere perpétuo (!!!), pena a cumprir no Mosteiro da Batalha.
Mas… aqui, ocorre o mais obscuro, tenebroso mistério da sua morte. Não no Mosteiro!...
Parece seguro q a pena lhe teria sido comutada!!!
Em 1941, ao transladarem-lhe os restos mortais, da igreja em q se encontravam para a d S. Pedro de Alenquer, foi possível os peritos observarem as ossadas, e – admirados!? – verificarem q o crânio apresentava fracturas – o q torna possível a mais q provável hipótese d agressão e, por conseguinte, do seu assassínio.  

LM,01ABR2012 (revisão/original ñ datado)

Sem comentários: