.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Monumento ao Esforço da Raça - Bissau, pelo Coronel João Trabulo


"MONUMENTO AO ESFORÇO DA RAÇA - BISSAU





























MONUMENTO AO ESFORÇO DA RAÇA - BISSAU
Com a independência, as estátuas na capital guineense foram retiradas, permanecendo apesar de várias tentativas para o derrubar, somente o "Monumento ao Esforço da Raça", depois renomeado para "Monumento aos Heróis Nacionais", na antiga Praça do Império, atual Praça dos Heróis Nacionais.
Foi começado a construir em 1934 com granito vindo da cidade de Porto, onde foi feito o projecto de autoria do arquitecto Ponce de Castro, sendo Óscar Ruas, presidente da comissão para a construção do monumento. Fazia parte dos projectos de "monumentalização" da cidade de Bissau, anunciados em 1945, pelo governador Sarmento Rodrigues.
Este monumento terá sido inaugurado em 19 de Maio de 1945, pelo Governador da Guiné, Manuel Sarmento Rodrigues, conforme manuscrito a tinta azul do verso do monumento: «Bissau, Manifestação de 19-5-45». Implantado na antiga Praça do Império, a eixo e fronteiro ao Palácio do Governo, é obra de inspiração “art déco”, com desenho invulgar e dimensão monumental, de grande escala, numa expressão geral densa e algo neobarroca. Uma série de elementos curvilíneos, em pedra, desenvolve‐se na sua base, em crescendo, suportando frontalmente um elemento vertical, espécie de pilar celebrativo.

O Monumento pretendeu mostrar a “portugalidade" da época, com as velas da Cruz de Cristo de uma caravela sobre as ondas, a meio uma mulher segurando uma “coroa de glória”, tendo no peito o escudo com as cinco quinas e a Cruz de Cristo e, no pedestal da base, o escudo gótico de Portugal com a legenda: “AO ESFORÇO DA RAÇA”.
João Trabulo, Coronel"

Sem comentários: