.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Cidadãos sem abrigo


O Presidente de República, Marcelo Rebelo de Sousa, advertiu que a resolução do problema das pessoas em situação de sem-abrigo não pode “esperar pela aceleração do crescimento”.
Em entrevista à TVI, que será divulgada hoje na íntegra, Marcelo Rebelo de Sousa alertou mais uma vez para a questão dos sem-abrigo, sublinhando que “a função do Presidente da República é chamar a atenção para os problemas e pressionar para que aquilo que depende do poder executivo seja acelerado”.
“Eu penso que o Presidente da República ao mesmo tempo que puxa pelo crescimento, que puxa pelo investimento – porque isso é essencial -, tem de olhar para aqueles problemas do imediato, que estão aí e que não podem esperar pela aceleração do crescimento”, defendeu na entrevista, que acompanha uma reportagem sobre esta população.
Marcelo Rebelo de Sousa apelou ainda para que não se esqueçam destas pessoas que vivem nas ruas das cidades ou em centros de acolhimento.
“Supondo que começa mesmo o crescimento e o emprego não se esqueçam dos que ficaram para trás”, disse, vincando: “Há muitos que ficam para trás e ficam irremediável e definitivamente para trás. Não se esqueçam deles”.
No início do mês, Marcelo Rebelo de Sousa pediu que a nova estratégia do Governo de combate à situação dos sem-abrigo seja aplicada já este ano, para que este problema esteja erradicado em 2023.
Questionado na altura se o Governo tem atuado com eficácia neste domínio, o chefe de Estado sublinhou que o horizonte de aplicação da anterior estratégia terminou em 2015 e que “2016 foi um compasso de espera” para que o executivo apresentasse a nova estratégia 2017-2023.
Na entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa afirma que “O Governo está a preparar esse plano para o médio e o longo prazo”, para ver “como se pode fazer funcionar melhor a articulação e a coordenação”.

noticia do Observador, partilhada pela nossa amiga Albertina Granja, a quem agradecemos.

ver também reportagens sobre este mesmo tema, no Jornal da noite da TVi nos dias 15 de Abril, sábado e 16 de Abril, domingo.

Sem comentários: