.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

CCAÇ 2314 - Tite




TITE
Tite é uma localidade e um dos quatro setores da Região de Quinara da Guiné-Bissau com uma área de 699,5 km2 ². A região de Quinara com 3.138,4 Km2 está subdividida nos sectores de Tite, Buba, Empada, e Fulacunda
Aqui em 23 de janeiro de 1963 o PAIGC iniciou a luta armada com um ataque ao quartel de Tite, com a vinda de elementos a partir de bases na Guiné - Conakry.
O terreno no Sector de TITE apresenta-se, na sua generalidade, com um aspecto descontínuo em consequência
... das numerosas penínsulas que o constituem. A separar estas penínsulas encontram-se cursos de água mais ou menos caudalosos, de acordo com as marés que fazem subir consideravelmente o nível das águas. Estes cursos de água, tal como as bolanhas e lalas, dificultam a passagem de umas penínsulas para as outras. Na época das chuvas, os cursos de água, em especial, o rio LOUVADO e o rio FENINGUÊ, constituem verdadeiros obstáculos para cuja transposição são necessários meios. A passagem de umas penínsulas para as outras causava nas tropas, em especial na época das chuvas, um desgaste físico apreciável.
A vegetação é pouco densa.
Os principais itinerários existentes no Sector são: TITE – ENXUDÉ, TITE – NOVA SINTRA, TITE – IUSSE, TITE – NÃ BALANTA, NOVA SINTRA – GÃ MITILIA, BIOGATE – BISSÁSSEMA.
O itinerário TITE – ENXUDÉ assume importância especial em virtude de o ENXUDÉ ser o porto fluvial que serve TITE. Dado o grande movimento que tem, esse itinerário necessita de frequentes reparações, em maior escala após a época das chuvas que deixam o piso em más condições, sendo o único itinerário do Sector que dava passagem a viaturas.
A população civil é na sua quase totalidade constituída por autóctones. Apenas se verifica a existência de dois civis europeus metropolitanos na sede. Predomina a raça balanta, havendo pequenos núcleos de fulas, papeis e mancanhos.
São pouco numerosas as tabancas deste Sector que se encontram habitadas. Entre elas, podiam considerar-se sob controlo das NT apenas a tabanca de TITE.
As tabancas de IUSSE, NÃ BALANTA, FOIA, PONTA NOVA, TITE MANCANHA, BRAMBANDA, FENINGUÊ davam também a sua colaboração, forçada ou não, ao PAIGC.
As tabancas de FLAQUE NHABAL, BUNAUSSA, FLAQUE INTELA, NHALA DE BAIXO, NHALA DE CIMA, BISSÁSSEMA DE CIMA, BISSÁSSEMA DE BAIXO e FLORA encontravam-se praticamente sob controlo do PAIGC que nelas vive, procurava apoio e obtinha contributo no que lhe é necessário.
Tal como grande parte da Província, a área deste Sector é essencialmente rica em arroz, cultivado em extensas bolanhas, em especial nas regiões de BISSÁSSEMA, FENINGUÊ, FOIA, NÃ BALANTA e IUSSE.
Historial da CCaç 2314.

Cor. Pais Trabulo
(Fotos da página
Bart Tite Guine Bissau)



Sem comentários: