.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quarta-feira, 30 de março de 2016

O Amador passa hoje mais um aniversário.




Para o Amador o nosso abraço de parabens, com votos de saúde e bem estar.
Leandro Guedes.

sábado, 26 de março de 2016

Mudança da hora

Não esqueçam de logo à noite, adiantar os relógios uma hora, para assim dar-mos entrada na chamada hora de verão.
Abraços e Boa Páscoa.
Leandro Guedes.

quinta-feira, 24 de março de 2016

PASCOA FELIZ.

PÁSCOA FELIZ PARA TODOS OS NOSSOS COMPANHEIROS, AMIGOS, FAMILIARES E VISITANTES.


quarta-feira, 23 de março de 2016

Na Guiné-Bissau a fazer voluntariado pela ONGD, para pôr os Guineenses a Sorrir...



 Inês Raposo, dentista, está desde 22 de fevereiro na Guiné-Bissau a fazer voluntariado pela ONGD Mundo a Sorrir. Além de aulas e palestras de higiene oral, já fez tratamentos em aldeias isoladas onde ninguém sabia o que era tirar um dente sem dor

 Não é a primeira nem a segunda vez que Inês Raposo, 23 anos, partiu em missão. Em 2012 teve a primeira experiência de voluntariado com a Equipa d’África quando foi para o norte de Moçambique durante um mês e meio. “Fiquei com o ‘bicho’ da missão”, diz a jovem dentista ao i.

 Quando voltou para Portugal, o bicho não se acalmou. Pelo contrário, ficou bem colado à pele. “Soube que não ia ficar por aí. Não fazia sentido, depois de viver coisas tão intensas. Durante os três anos seguintes pude fazer voluntariado no Bairro 6 de maio [Lisboa] e na Casa de Saúde do Telhal. No verão de 2014 voltei a Moçambique por dois meses, para Metoro.”

 Nestas experiências, Inês Raposo - assim como o grupo de voluntários em que estava inserida - deu aulas de português e apoiou os projetos já existentes no terreno (como as escolinhas, ou seja, os jardins-de-infância). No entanto, no último ano da faculdade - cursou Medicina Dentária - decidiu que “queria ter uma experiência de missão na minha área”. Nessa altura já fazia voluntariado em Lisboa pela ONGD Mundo a Sorrir, que promove a saúde oral como direito universal. “Fazia ações de sensibilização em escolas, mas queria voltar a África. Senti que precisava de dar aos outros tudo aquilo que tinha aprendido e ajudar no pouco que pudesse. Queria dar o melhor de mim à população que fosse encontrar. Surgiu então a oportunidade de vir em missão para a Guiné-Bissau por seis meses!”

 Perante o desafio, nem hesitou e desde 12 de fevereiro que está neste país. Se em experiências passadas viajou inserida num grupo, desta vez está sozinha, mas espera ajuda para breve. “Vou poder ter ajuda de mais voluntários que virão para o terreno por pequenos períodos de tempo, quando o trabalho aperta só para duas mãos. Iremos um mês para as ilhas Bijagós e vamos viajar por toda a Guiné-Bissau”, contou ao i. “O projeto que estou a integrar, Saúde a Sorrir na Guiné-Bissau, visa a criação de uma clínica dentária aqui em Bissau, bem como a capacitação de profissionais de saúde. Estamos a construir uma disciplina de Saúde Pública e Oral para o curso de Enfermagem e para as parteiras. Quando não estou em Bissau vou às aldeias fazer atendimento clínico em ambulatório, e aí é trabalhar desde que o sol nasce até se pôr. Para além disso, tentamos melhorar não só a saúde oral mas a saúde em geral da população guineense através da promoção de palestras de higiene oral e escovagem, hábitos alimentares, palestras e a realização de tratamentos em ambulatório nas aldeias mais desfavorecidas.”

 Sobre o trabalho nestas aldeias, a dentista já tem um rol de histórias para contar. A semana passada esteve em Catungo, onde para lá chegar é uma aventura por si só. “Demorei seis horas e meia de candonga (o transporte local da Guiné), meia hora de moto, 15 minutos de caminhada com lama até ao joelhos, atravessei o rio com crocodilos de canoa e depois mais 20 km de caminhada com a carga às costas e a correr, porque o sol já estava a desaparecer.” No fim do percurso esperava-a “uma tabanca (aldeia) onde nunca ninguém tinha visto um dentista na vida!”. Mas a aventura estava ainda a começar. “Atendi pacientes durante dois dias inteiros, mais de 40 pessoas que vieram das aldeias ali ao pé, debaixo de uma mangueira. A maior parte dos tratamentos foram extrações dentárias, porque não há meios nem materiais para fazer mais do que isso. Foi a primeira vez que muitas pessoas souberam o que é tirar um dente sob o efeito de uma anestesia. Foram inacreditáveis esses quatro dias que vivi, sem luz nem água em casa, e sempre com a sensação de que há tanto para fazer aqui.”

 A primeira reação de quem nunca viu um dentista é sempre de medo, conta Inês. “Assim que cheguei a Catungo tinha imensas pessoas à minha volta para ver o que trazia comigo e que materiais estranhos e de tortura eram aqueles que trazia na mala. Por isso, as primeiras pessoas que atendi foram crianças, obrigadas pelos pais, para eles próprios verem que não havia problema. Depois de verem que não havia sofrimento nem dor, começaram a chegar os adultos! Muitos têm receio porque nunca sentiram o que é realizar uma extração dentária ou porque, quando o fizeram, foi a sangue frio e estão à espera de dores agonizantes. Quando digo para abrirem os olhos porque já acabou, choram de alegria e agradecem muito e pedem para voltar! Não há como explicar essa sensação”, conclui a voluntária. A data de regresso a Portugal já está marcada: até 22 de julho, Inês Raposo continuará a pôr a Guiné a sorrir.
in facebook de Albertina Granja, a quem agradecemos.

segunda-feira, 21 de março de 2016

O Cavaleiro passa hoje mais um aniversário




Ao nosso companheiro Cavaleiro, enviamos um forte abraço de parabens, desejando-lhe boa saúde junto dos seus.
Leandro Guedes.

quarta-feira, 16 de março de 2016

O Serafim faz hoje anos



O nosso companheiro Victor Manuel Serafim, passa hoje mais um aniversário.
Para ti, amigo, um forte abraço de parabéns com votos de boa saúde, junto dos teus.
Leandro Guedes

sábado, 12 de março de 2016

Monumentos de Homenagem aos Combatentes Mortos na Guerra do Ultramar

Companheiros
Este video mostra fotos que nos foram enviadas, dos Monumentos de Homenagem aos Combatentes Mortos na Guerra do Ultramar.
Faltam aqui muitos daqueles que estão espalhados pelo País. Se quiserem enviar os das vossas terras, não hesitem pois serão publicados.
Um abraço.
Leandro Guedes.

terça-feira, 8 de março de 2016

Dia Internacional da Mulher - 8 de Março de 2016.


 

“Hoje não se celebra o Dia Internacional da Mulher.
Hoje assinala-se este dia.
No dia em que for possível simplesmente celebrar, ele deixa de fazer sentido. E quando ele deixar de fazer sentido é sinal de que estamos a viver num mundo muito mais justo e equilibrado, onde os seres humanos são celebrados de igual forma todos os dias. Onde uma pessoa não é menor, ou menosprezável, simplesmente por ter nascido com determinado género. Neste caso, o feminino.
Paula Cosme Pinto, jornalista.

 ------------
Assinala-se hoje em todo o mundo, o dia da mulher.
É certo que, modernamente, as mulheres não lhe dão valor algum, ou dão-lhe muito pouco.
Acho que são mais os homens a lembrarem-se.
No entanto, nós, no nosso caso especifico, temos que dar valor às mulheres que no tempo da guerra colonial, foram um suporte importante na nossa vida - avós, mães, irmãs e para os que as tinham, as namoradas e esposas.
Foram na verdade a outra ponta dos aerogramas, que recebíamos religiosamente e nos mantinham animados.
Para elas (e também para as mulheres actuais das nossas vidas) um beijinho especial de admiração e gratidão.
Leandro Guedes.

domingo, 6 de março de 2016

Aspectos de Leça da Palmeira, em 1927

Caros companheiros
O Hipólito enviou-nos este belo video sobre o antigo percurso de comboio, que existia entre a estação de Trindade no Porto e a praia de Matosinhos, na chamada linha de via estreita. Hoje este percurso é feito pelo moderno Metro do Porto, tendo o comboio deixado de existir.
E perguntarão vocês, o que é que eu tenho a ver com isso?
Pois bem, esta publicação deve-se ao facto duma grande parte dos nossos companheiros serem do Norte e portanto, serem conhecedores desta antiga realidade com mais de 50 anos.
Fiz este percurso muitas vezes quando criança a caminho da praia de Matosinhos, com o meu Pai, a minha irmã e alguns amigos. São recordações...
Abraços para todos.
Leandro Guedes




sábado, 5 de março de 2016

O FRANCISCO FERREIRA, FAZ HOJE ANOS !




O nosso companheiro Francisco Ferreira, do pelotão de morteiros, passa hoje mais um aniversário.
Para ti, amigo, um forte abraço de parabens e que continues com boa saúde junto dos teus.
Leandro Guedes.

quinta-feira, 3 de março de 2016

O REGRESSO...






Hoje, dia 3 de Março, faz 47 anos que embarcamos no Uige, em Bissau, de regresso à Metrópole.

Foi um dia de muitas emoções e até o navio partir, estivemos sempre na dúvida se era a sério.

Os dias antecedentes, em Tite, foram de muita ansiedade, pois há meses que nos vinham prometendo o tão esperado regresso à Metrópole.

Estávamos no mato há 23 meses. Foram meses muito duros, onde perdemos amigos, em situações de sofrimento, com mortos, feridos, incapacitados e prisioneiros. Houve de tudo um pouco.

Mas o ansiado regresso tinha chegado. Tinham ficado para trás os bons e maus momentos passados num quartel no mato, rodeado de arame farpado e chapas de bidões,  numa Tabanca cercada de bolanhas e floresta, com o perigo a espreitar por trás de cada árvore.

A 9 de Março chegámos a Lisboa e ao passarmos o farol do Bugio foi a alegria geral, espontânea, infantil, sem limites – choramos, rimos, saltamos, cantámos, praguejamos… Era a Metrópole.

Muitos de nós tínhamos regressado sãos e salvos, tendo-se gerado naquele tempo e até hoje, uma amizade entre todos, fazendo jus ao lema: AMIGOS NA GUERRA, AMIGOS PARA SEMPRE.
Leandro Guedes.

terça-feira, 1 de março de 2016

A furia do rio Douro, em tempos passados

A Furia do Rio - Sonoplastia from Um Segundo Filmes on Vimeo.

A todos nós que hoje apreciamos passear pelo Douro, em confortaveis barcos de recreio, hoteis e restaurantes flutuantes muito agradáveis, para que demos o valor ao quanto era difícil contornar a fúria do rio. Muitos desastres aconteceram, muitas pessoas morreram ao longo de séculos, até que foram construídas as eclusas que suavizaram o curso do rio e tornaram planas as águas bravias deste rio, tornando possivel a contemplação das margens deste magnifico vale, para deleite de quem por lá passa. Este video foi enviado pelo Hipólito a quem agradecemos.
Leandro Guedes