.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


sub tit

sub tit

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

segunda-feira, 23 de junho de 2014

As interessantes vivências do Pica Sinos


HISTÓRIAS DO MEU VELHO BAIRRO DAS FURNAS (XLIII)

 O PÊSSEGO REBOLÃO

Muitos dos quintais do meu velho Bairro das Furnas tinham árvores de frutos cultivadas, não sendo raro haver pessegueiros! O meu brotava uma qualidade de pêssegos que pela sua cor vermelha e fina penugem que os cobria, fazia inveja a quem na passagem os admirava. Os ramos, carregados, dobravam pelo peso de tantos rebentos. Cá o rapaz, não raras as vezes, era criticado pela D. Georgina, minha mãe, por os apanhar, às escondidas, ainda pouco maduros.

Ao longo da vida sempre gostei de pêssegos, direi mesmo que é um dos frutos que mais aprecio. Hoje, quando como pêssegos, não me parecem tão saborosos como os desta árvore que me viu crescer.
Exactamente por gostar tanto deste fruto, guardo uma história que me atrevo a contar.

Aos fins-de-semana, era comum a rapaziada do bairro, ainda imberbe e em grupo, rumarem ao Pavilhão dos Desportos, em S. Sebastião da Pedreira. A Câmara Municipal de Lisboa, para gáudio da cachopada, oferecia, na ausência das modalidades desportivas, nos períodos da manhã ou nas tardes, fitas de desenho animados entre outros filmes.

Também o Jardim Zoológico era destino a ter em conta.

Com a chegada do verão, era forte a discussão entre a miudagem na casa da Mocidade existente na entrada do Bairro. A organização dos acampamentos e dos cursos para graduados da Mocidade Portuguesa era alegre, divertida e entusiasmante. 
Os rapazes acabados de sair da instrução primária, ainda sem trabalho, ou em período de férias escolares antecedentes ao ensino secundário, aos fins-de- semana, eram convidados a passar esses dias fora de casa. Uns com vistas a acampar nos mais variados sítios nos arredores de Lisboa, outros a obter cursos de “Chefe de Quina” e de “Comandante de Castelo”, na Quinta da Graça, à Cruz Quebrada.
Passar o fim-de-semana fora de casa tornava-se uma aventura. Acampar com a “malta” tendo como manta o som das ondas do mar era o máximo! Como seria passar o fim-de-semana na Quinta da Graça, na companhia dos rapazes oriundos das mais variadas casas da Mocidade do distrito de Lisboa? A minha curiosidade era mais que muita. Contudo, aqui, ao contrário dos acampamentos, não gostei. Só por lá passei um fim-de-semana.


Nesta quinta, as mesas do refeitório tinham bancos corridos que comportavam cerca de 12 rapazes (6 de cada lado). Dispostas para acompanhar o comprimento da sala, divididas por um corredor. No final ficava atravessada a mesa dos “vips” com as respectivas cadeiras na direcção dos alunos.
Fazia parte da tradição um aluno representar os demais na mesa das personalidades, composta por monitores e convidados. Ainda hoje não sei o porquê de ter sido eu o escolhido para esse jantar de sábado. Ocupei a cadeira frente ao corredor, “encaixado” na minha esquerda por um padre, e pela direita, um engravatado qualquer.

Não me lembro de como era composto o menu, mas os olhos não se desviavam do centro de mesa carregado de fruta, onde abundava o fruto que tanto apreciava – os pêssegos -!
Uma dúvida me sobressaltava….Será que os “vip(s)”! comem os pêssegos à dentada…?

Demoro a ver, na minha frente, um prato pequeno acompanhado de faca e garfo.
Uma voz soa ao meu ouvido. Era a voz do padre:
…Como te chamas? ...Não comes fruta…?
Quero um pêssego, mas nunca os descasquei com faca e garfo, retorqui!
…Vê como eu faço… Disse o meu companheiro vip.
Sobre o olhar da rapaziada por perto, quiçá com as mesmas dificuldades no descasque, lá fui atabalhoadamente descascando com a faca e com o garfo o suculento pêssego. Quando perto do final de tão arriscada operação, o popular fruto, certamente ofendido pelo trato, salta a bom saltar do prato e rebola apressadamente pelo corredor, acompanhado na sua desenfreada correria as gargalhadas de todos que assistiram.

Em conclusão direi:
Nunca mais visitei a Quinta da Graça!


E jamais, ao longo da vida, comi pêssegos com faca e garfo!

2 comentários:

Joaquim Cosme disse...

Conheci o Bairro das urnas com casas de lusalite nos anos 50 do século passado. O que aconteceu com o pêssego aconteceu-me a mim com uma laranja num dos restaurantes da antiga praça da Figueira. Era um mercado no centro daquele espaço onde hoje está uma estátua.
Joaquim Cosme

leandro guedes disse...

Obrigado amigo Cosme pelo seu comentário.
O Pica Sinos tem um blog cujo endereço está referido neste blog
onde conta muitas outras interessantes histórias sobre o SEU VELHO BAIRRO DAS FURNAS.
Vale a pena visitá-lo.
Um abraço.