.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

sábado, 21 de junho de 2014

A Liga dos Combatentes em Torres Vedras


 Com a devida vénia, publicamos este artigo do Badaladas, que noticia as comemorações de evocação aos militares que lutaram pela Pátria, as quais tiveram lugar junto ao monumento dos ex-combatentes, frente ao tribunal, em Torres Vedras.
Nestas comemorações foram mais uma vez lembrados os ex-combatentes do Ultramar e a guerra em que estiveram envolvidos durante 13 anos e que tantas vitimas provocou.
-
nota - é referido neste artigo "a pouca presença de pessoas naquela cerimónia pública". O que se passou é que esta cerimónia não foi anunciada, como acontece com outro género de eventos. Acredito que se fosse dada a devida e merecida notoriedade e publicidade, muitas pessoas estariam presentes, homenageando os filhos da terra, os filhos de Portugal!

2 comentários:

Albertina Granja disse...

Parece que, mesmo quando muito divulgada, poucos são os que por ali passam, a não ser os familiares dos que morreram em combate....
Não deixa de ser curioso que, já muitas vezes tenho visto (não em dia de comemorações), um Senhor já com muita idade (certamente pai de um dos combatentes falecidos no Ultramar), dirigir-se para o local e ali permanecer, sózinho, durante algum tempo....Fico parada a olhar e a pensar que, provavelmente o sofrimento que aquele homem carrega há mais de 40 anos, só acabará quando ele também partir....!!!

leandro guedes disse...

A tristeza e a solidão provenientes da perda dum filho deve ser muito dramática.
Qualquer gesto, por muito simples que seja, alivia a alma e aquece o coração, que está gelado...
Muito obrigado pelo seu comentário.