.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

domingo, 20 de outubro de 2013

As Batalhas de Bissássema - 3/5 - pelo Pica Sinos


AS BATALHAS DE BISSÁSSEMA 3/5  (continuação) 


DE NOVO A CAMINHO DE BISSÁSSEMA 

 EM FORÇA E MARCHA ACELERADA 

Conhecidos os resultados, imediatamente marcham sobre Bissássema o resto da Comp. Caç. 1743, mais 1 secção do Pelotão de Morteiros 1208 e 1 Pelotão de Milícias da 123, para além da Comp. Caç. 2314.

A urgência de reocupar Bissássema foi tal que, lembra-me o Cavaleiro, ficaram na defesa do quartel em Tite apenas “meia dúzia de elementos das NT”, onde eu me incluía, impotentes e, com o exemplo da desfortuna passada, cheio de medos, mal armados, ou seja se o IN resolvesse deixar Bissássema e voltar as suas forças na direcção de Tite, não havia a menor dúvida, entre nós, que seriamos muitos mais a fazer companhia aos camaradas capturados no dia anterior. Tal a deficiência e a mediocridade do comando do Batalhão.

Recuperada a posição sem contacto, o IN havia-a abandonado. Os Capitães das 2 Companhias Operacionais resolvem encurtar o perímetro defensivo, agora com cerca de 200 homens, bem armados, mas mal municiados, dispersando-os por diversos abrigos, alguns com 4 homens apenas, ainda assim, estorvados por uma distância uns dos outros por 150/200 metros e pelo meio numerosas moranças e árvores de grande porte. Começa-se a sentir a falta de rações de combate, ainda que a ordem fosse – ninguém arreda pé.

Na noite do dia 3 para o dia 4 de Fevereiro não se verificou contacto com o IN. Durante o dia os trabalhos da organização do terreno desenvolve-se, mas com muita falta de apetrechos. Nem serras e sem machados, era impossível desembaraçar campos de tiro. Nalguns sítios havia árvores de grande porte a 15 metros à frente das posições. Noutros as moranças à frente davam acoito fácil à penetração do IN. A actuação deste não se fez esperar.

Na noite do dia 4 para o dia 5, numeroso numero IN, atacou a posição em força. A reacção das NT foi pronta e enérgica. Ao cabo de alguns minutos de tiroteio, tudo sossegou. Mas cerca de 2 horas depois irrompeu de novo o combate, que prosseguiu durante minutos. Foi evidente a preocupação do IN de reconhecer o potencial e a combatividade das NT e as zonas mais vulneráveis.

Refere o documento, e depoimentos a que tive acesso, que todo o pessoal, sem excepção, estava exausto. Quase não havia comido desde o dia 2, não havia água potável. A pouca que havia era inaproveitável, mas mesmo assim foi consumida. Começaram a surgir diarreias em larga escala e enfraquecimentos graves. Surgiu pessoal a urinar sangue.

Os trabalhos da organização do terreno não paravam, algum pessoal ia à caça. Aproveitavam-se os utensílios da população. Pedia-se a Tite comida, médico e medicamentos, chegando ao pôr-do-sol do dia 5 alguns géneros por uma coluna de carregadores, mas foi impossível confeccioná-los. Só no dia 6 houve comida, mesmo assim, bastante deficiente por falta de apetrechos para confecção e até de alguns géneros.

A ordem vinda de Tite continuava a ser a de aguentar a posição até nova ordem. Quase toda a população fugira e os poucos elementos que apareciam, à noite, abalavam da tabanca com receio dos ataques. Sabia-se que alguns dos naturais, pela força ou não, continuavam a informar o IN da posição das NT. No entanto as instruções recebidas eram no sentido de acolher a população e manter intacta a tabanca. As preocupações continuaram, foi-se melhorando a instalação, não obstante o pessoal estar cada vez mais doente e enfraquecido.

É relatado, no testemunho, que na noite do dia 6 para o dia 7 novo ataque do IN surgiu, desta vez com mais intensidade. Durante 20 minutos as NT tiveram que combater com maior energia. O IN aproximara-se a cerca de 15/20 metros, a coberto das árvores, e alvejava, perigosamente, as posições das NT. Era evidente a sua intenção de assaltar a posição. Só o lançamento de granadas de mão pelas NT fez cessar o ataque. Felizmente, assim como do ataque do dia 4 para o dia 5, as NT não tiveram baixas.

Continua
Pica Sinos

2 comentários:

Costa disse...

Tá um excelente trabalho. Continua amigo!

José Justo disse...

Pica estou a copiar todo este teu material, e o mesmo farei aos próximos, para o meu dossier Guiné ;)
Espero que não me processes e se for preciso pago-te o copy right com um presunto!!
Abraços