.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


sub tit

sub tit

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

domingo, 8 de setembro de 2013

Apologia fantástica... pelo Luis Dias



- APOLOGIA FANTÁSTICA -

O Murmurar das Águas
1
Águas
que quebram
contra os rochedos;
águas
isocronamente batendo
no desconforme areal;
azulinos os céus,
dum azul-branco-esverdiado;
amarelo-palha-douradas
as areias do litoral
ameno,
suave,
sereno;
cambiantes meio-escuro claros,
a fugir para o verde;
amarelos,
a sorrir de contentamento
para o verde-azul-cinzento
das longínquas águas
marinhas;
arcos anelidificamentosos,
e íris
ensanguentadas-coloridas,
ornam
de matizes, ricos e agradáveis
à vista,
deslumbrada.

2
Águas
que passam velozes,
céleres;
o característico marulhar
natural,
monótono,
sempre igual;
águas que embatem
em velhos moínhos,
obstáculos irrelevantes,
para a mole líquida
que passa
pujante,…veloz.

3
Murmurantes
as águas,
sem cessar parece dizerem
baixinho:
paisagem maravilhosa,
coberta
de azul-verde-escuro-claro-amarelo-palha,
fugindo à côr vermelha
quebrada,
embelezada
com amarelo-torrado-azulado-escuro-esbranquiçado,
que simula
querer dar-nos
a plenitude
da dualidade
de sua beleza
estranha.

4
Os pensamentos,
em um cérebro
exíguo,
passam,
murmurando
também baixinho,
- como as águas, os ventos, o tempo… -
dispensando-os,
aos tempos e espaços …
Para quê, eles, afinal?
Uma mais-menos
bem urdida mensura:
- a determinação real
do a nós destinado
lugar-espaço
no tempo.
Horas, minutos, segundos,
correm por nós,
sobre tudo e todos,
sem fim:
imperturbável,
interminável,
incansavelmente …

5
Águas
que passam,
vertiginosamente …
- força, vigor, pertinácia
inauditas.
Marulhar constante,
homófono,
igual
Ondas
que quebram,
tenazes,
vezes e vezes
furiosamente,
em arfar contínuo,
à exaustão,
sem admitir espera…
sequer paragem.
+.+.+.+.+.+.+.+.+
Murmurando
- cantigas de embalar -
(as águas),
em suave melopeia,
deleitosa,
meditante
e, pois sim,
silenciosamente.
+.+.+.+.+.+.+.+.+
Serena,
compassadamente,
as águas
revolteiam,
em fluxos e refluxos,
ou directos
ou alternados,
num descomunal vaivém
- para trás-para diante,
para trás-para diante -,
indefinidamente …
+.+.+.+.+.+.+.+.+
Olhei!...
Vastidão imensa:
- de dia, dos olhos regalo,
- à noite, da selenítica luz,
esbranquiçada-leitosa-pálida,
espelho
dourado-prateado.
+.+.+.+.+.+.+.+.+
QUE BELEZA
APRESENTA,
AOS OLHOS
EXTASIADOS,
A NATUREZA!


[LM,1961] {rv19AGO2013}

Sem comentários: