.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Presidenta, essa grande descoberta...!!!


A presidenta foi estudanta?
Existe a palavra: PRESIDENTA? 
Que tal colocarmos um "BASTA" no assunto?
 
No português existem os particípios activos como derivativos verbais.
Por exemplo:
o particípio activo do verbo atacar é atacante, o de pedir é pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendicar é mendicante...
 
Qual é o particípio activo do verbo ser?
O particípio activo do verbo ser é ente.
Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade.
Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a acção que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante, ente ou inte.
 
Portanto, a pessoa que preside é PRESIDENTE, e não "presidenta", independentemente  do sexo que tenha.
Diz-se:
camara ardente, e não camara "ardenta"; estudante, e não "estudanta"; adolescente, e não "adolescenta"; paciente, e não "pacienta".
 
Um bom exemplo do erro grosseiro seria:
 
"A candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta   que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta.
  Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa camara ardenta, pois esta dirigenta política, dentre tantas outras suas atitudes barbarizentas, não tem o direito de violentar o pobre   português, só para ficar contenta".

autor desconhecido

1 comentário:

Albertina Granja disse...

Acho que a língua portuguesa não merece tamanha "desconsideração"..., sim porque tudo aquilo a que temos assistido ultimamente, no que diz respeito a acordos ortográficos, são autenticas palhaçadas....
De vez em quando aparecem uns engraçadinhos armados em iluminados e convictos de que são muito eruditos e zás ....
Já é de facto tempo de dizer BASTA....!!!