.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial

-

Eles,
Fizeram guerra sem saber a quem, morreram nela sem saber por quê..., então, por prémio ao menos se lhes dê, justa memória a projectar no além...

Jaime Umbelino, 2002 – in Monumento aos Mortos na Guerra Colonial, em Torres Vedras


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

domingo, 18 de agosto de 2013

Pensamentos (III)... por Luis Manuel S.Dias

Achegas I     
Maiorias, ou não?
O Senhor Dom António Ferreira Gomes já, em 1985 (!) - e à vista de infelizes factos recentes, clarificadores - por antecipação  previa”, e  prevenia, que “dar às maiorias o direito de definir o bem e o mal, o justo e o injusto, seria o dogmatismo político, o absolutismo do Estado na sua pior expressão.”
Comentando – o : é bom não olvidarmos a democracia implicar – como condição “sine qua non” (i. é, necessária), para a sua total realização – o exercício quotidiano da humildade, da adequação ao “realbem comum do povo. Sem tal atitude / exercício, o poder vigente torna –se, amiúde, sobranceiro, arrogante, orgulhoso de si, narcísico, ditatorial, indialogante, em suma anti-democrático, particularmente com as para si desnecessárias formações oposicionistas minoritárias, a quem não concede sequer estatuto de existência … destarte ferindo um dos pilares básicos do que afirma defender – a mais cara expressão do homem – ser livre, autónomo, embora responsável logicamente nos seus limites e limitações, de modo a não ferir terceiros nem lhes invadir a sua natural esfera de acção!…
Nunca alguém, com a insuspeita autoridade moral e cívica do falecido Bispo resignatário do Porto – que tanto sofreu no exterior, por imposição do Governo de Salazar (é bom não o esquecermos…) – pôs o dedo, com precisão e anterioridade, na ferida, o mesmo é dizer sobre os factos que motivam, para bom entendedor, estas achegas.
Por agora é tudo.
LM Dias,Set/1987
N.B.: O texto acima, datado, é no entanto carregado de oportunidade, face à conjuntura presente, onde cada vez mais se adequam, as supra afirmações!!! –
. LMDias.Ago2013

Sem comentários: