.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

terça-feira, 13 de agosto de 2013

MUSEU DA GUERRA COLONIAL - V.N.Famalicão


Caros amigos
Venho informá-los de que em Vila Nova de Famalicão, está instalado o MUSEU DA GUERRA COLONIAL.
Diz quem visitou, que é digno de se ver.
Mais abaixo transcrevemos um excerto da página deste Museu e que descreve a maneira como o mesmo está organizado.
O endereço electrónico do Museu é o seguinte:


"O Museu está organizado segundo temas que assentam naquilo a que chamamos “o itinerário do combatente na guerra colonial” e tem um perfil pedagógico de informação histórica e cultural para as gerações do pós guerra e para o público em geral com a intenção de preencher uma lacuna sobre este período recente da História de Portugal.
Os conteúdos dos diferentes temas contêm materiais escritos e iconográficos recolhidos desde 1989 e estão assim organizados:

1.Portugal Continental, Insular e Ultramarino – informações gerais.

2.O itinerário do combatente:

2.1.O embarque – Através de imagens, documentos e objetos dá-se a conhecer a envolvência do embarque, os meios de transporte e as condições vividas nas viagens até ao destino reservado a cada militar;

2.2.O Dia a dia – Retratam-se os momentos da não operacionalidade: os convívios, o tratar da higiene e das roupas, a caça, os passatempos e os momentos de desporto;

2.3.As operações militares – A operacionalidade: situações de guerra, obstáculos, contextos geográficos, os meios de transporte e apoios utilizados e o armamento;

2.4.Os nativos – O relacionamento com as populações e a curiosidade pelas suas culturas. Aqui podem ser observadas fotografias que retratam todos estes aspetos;

2.5.A ação social e psicológica – Observam-se apoios às populações ao nível do ensino básico, construções diversas e no apoio médico. Dá-se a conhecer as comunicações murais entre militares e os panfletos de ação psicológica do exército português para os movimentos de libertação e as populações e dos movimentos de libertação para as tropas portuguesas e populações;

2.6.A religiosidade – As influências da igreja e do capelão militar no contexto de guerra bem como a cultura e as crenças religiosas de cada combatente;

2.7.Os horrores da guerra – Memórias fotográficas e iconográficas;

2.8. Os ferimentos de Guerra. Formas de comunicação com a família. Hospitais e centros de recuperação militar na metrópole e no estrangeiro;

2.9.A morte – Formas de comunicação com a família. O impacto das linguagens. O processo de morte;

2.10.A correspondência – Os postais, as cartas, os aerogramas;

2.11.As madrinhas de guerra – o seu papel e a sua importância;

3.O fim do império – O 25 de Abril de 1974.

4.As consequências da guerra:

4.1.A Associação dos Deficientes das Forças Armadas -ADFA;

4.2.O Anexo Militar;

4.3.O stress de guerra.

Este Museu é e será a memória de um período da Nossa História recente que devemos conhecer, respeitar para Compreender e valorizar a geração de jovens portugueses que se sacrificaram e morreram pela Pátria."
 

1 comentário:

Albertina Granja disse...

Que interessante deve ser este Museu....!!!
Vou agendar uma visita, para breve...
Albertina Granja