.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Homenagem aos Combatentes do Ultramar, em Torres Vedras.

 

"Eles fizeram a guerra sem saber a quem
morreram nela sem saber por quê...
Então, por prémio, ao menos se lhes dê
justa memória a projectar no além"
Jaime Umbelino
(poema inscrito no Monumento aos Combatentes, em Torres Vedras)
_____________________________________
 
No passado dia 2 de Junho, teve lugar, em Torres Vedras, uma cerimónia em memória dos Combatentes do Ultramar.
A concentração fez-se junto ao monumento evocativo às 12,30.
Pelas 12,45 houve deposição duma coroa de flores, seguida dum minuto de silêncio em homenagem aos Companheiros já falecidos.
Às 13 h  os homenageantes reuniram-se num almoço no restaurante "O Voluntário", mesmo ao lado do monumento.
 

2 comentários:

Joaquim Cosme disse...

Nesse Monumento aos Mortos da Guerra do Ultramar há um poema de Jaime Umbelino que diz:
"Eles fizeram a guerra sem saber a quem
morreram nela sem saber por quê...
Então, por prémio, ao menos se lhes dê
justa memória a projectar no além"
Joaquim Cosme

José Justo disse...

Estes monumentos de forte simbolismo, espalhados infelizmente por várias cidades, lembram-me sempre a grande verdade "Na paz os filhos enterram os pais, na guerra os pais enterram os filhos".
Pena é, que a "tropa" que nos tem comandado, com base no QG de S. Bento, não tenha passado pelos apertos de África...