.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes, furriel milº Angola ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

"NINGUÉM DESCE VIVO DUMA CRUZ!..."

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

sábado, 9 de março de 2013

A minha primeira noite fora de casa - pelo Pica Sinos.


Amigos.

De vez em quando lá escrevo um retrato da vida.
Não sou saudosista, mas gosto de recordar.
Jamais, hoje, um puto de 12 anos anda sozinho por um descampado serrano.
Como são diferentes os dias de hoje.

Tenham um bom fim de semana.

Raul Pica Sinos

___________________________ 

HISTÓRIAS DO MEU VELHO BAIRRO DAS FURNAS (XV)

A NOITE FOI BOA, O DIA NEM TANTO!
Quis o acaso que, naquele sábado, me encontrasse na rua de maior movimento pedonal. A Rua das Tílias. Esta rua ficava na entrada do meu velho Bairro das Furnas. Dava ligação a muitas outras - das Oliveiras, das Faias, das Nogueiras; dos Salgueiros -. Tinha uma ligeira inclinação a partir do meio, onde, no seu primeiro cruzamento, floresciam um número considerado de bonitas piteiras.
O alinhamento das casas era do lado direito de quem a descia. À esquerda, acompanhava-a no primeiro lanço uma sebe, sustentando um gradeamento que, separava todo um aparato social; o Posto médico, o Jardim infantil e a Creche.
Na frente da casa com o nº 2, a limpar, com a ajuda de um trapo, as mãos carregadas de óleo, sorridente, dizia o meio oficial de mecânica auto;
…Está pronto Raul, está pronto…Já faz fumo…
Não era para menos, o carro, ora reparado, encontrava-se na frente da sua porta há cerca de uma semana e, o cliente certamente já o tinha reclamado.
Retribuindo o sorriso, dirigi-me ao Carlos Santana e, em jeito de interrogação questiono-o…e agora?
Agora? Agora, aparece a seguir ao jantar, vamos dar uma volta, retorquiu.
Mãe, vou dar uma volta com o Santana, não me demoro, vamos experimentar um carro que ele consertou.
Em traje de fim-de-semana, lá me apresento à chamada. Junto ao “Anglia Prefecta” de cor preta, já lá estava o Zé Manuel, o filho da Ti Julvira que, logo me afaga a cabeça, contente, por me ter por companhia.

Era o mais novo do trio, tinha 12 anos de idade. Os meus companheiros certamente mais 3/4 anos de idade.
Aventurados, já noite, o nosso condutor ainda “desencartado”, escolheu como trajecto, para “pista de experiência automobilista”, a marginal de Lisboa/Cascais.
O velho carro acompanhava um comboio. Provocado o maquinista com acenos, este respondeu ao desafio. As marchas foram aceleradas, nervosamente trocaram-se apitos e buzinadelas.
Nem o chapéu-de-chuva aberto dentro do carro, por via da chuva miudinha a entrar pelos buracões no tejadilho, obstara, em largas centenas de metros, tão divertida corrida.
Ao chegar à vila de Carcavelos alguém disse:

… E se fossemos ver do baile à Capricho Carcavelense…
Dito e feito, arrumado o carro, lá fomos dar o nosso pezinho de dança por umas quantas horas, mas um pouco antes de acabar a animação, não me recordo qual um dos meus companheiros (ou os dois) fez a seguinte comunicação: “Eh pá Raul! Agora, vamos entregar o carro, é longe e, ficamos por lá. É melhor regressares ao Bairro, tens comboio daqui a pouco”.
Já só os vi pelas costas. Fiquei na dúvida de tão misteriosa conversa. Quando saímos do Bairro, nada me foi dito em conformidade. Pensei, talvez…raparigas? No entanto não me moveu, o que, quer que fosse, para contrariar tal decisão.

Na estação, vejo, por ser fim-de-semana, que os horários dos comboios eram mais espaçados.  
Esperei cerca de uma hora para a bilheteira abrir. Observo o dinheiro no bolso, só dava para permitir ter bilhete de passagem, até à estação de Belém. O horário do comboio a parar nesta estação, só por volta das 07 horas. Nada a fazer, outras alternativas não havia.

Quando cheguei à estação de Belém, tirei o “azimute” do caminho para casa; Subir a calçada da Ajuda, avançar na direcção aos 4 caminhos na serra do Monsanto, continuar o trajecto até prisão, situada bem no alto. Chegado aqui, para o Bairro, foi só descer a encosta. Já na entrada, o sol dava-me pelo joelho.
Foi a minha primeira noite (das muitas) fora de casa!
Quando abro a porta da entrada do “ninho”, vejo sentada, com os braços sobre a mesa, raladíssima e encolerizada minha mãe, que, de pronto me perguntou:
… Por onde tens andado? Até à polícia já fui…
A custo lá expliquei.
Não convencida, outro “baile” iniciou.
No entanto direi, mesmo depois de todas a vicissitudes, foi muito bela a minha primeira noite fora de casa.
Março 2013
Pica Sinos.

3 comentários:

Albertina Granja disse...

Como é bom recordar...!!!!!
Tudo o que se passou na nossa infância e adolescência,lembramos sempre com muita saudade...!!!
Mas de facto, eram outros tempos...
Hoje em dia seria impensável (para a maioria das crianças), "viver" uma tal peripécia apenas com doze anos de idade....!!!!

leandro guedes disse...

Neste relato do Pica, revemos tanta coisa que na nossa juventude se passou.
Duma maneira ou de outra, todos passámos por algo semelhante.
Um abraço.

José Justo disse...

...CÓQUINTÃO, bailaricos com 12 anitos!!...mas foste de pópó e vieste de comboio...está mal!!
Amigo, comecei um texto alusivo, vamos ver se o consigo acabar e se tiver algum jeito, talvez tenha honras de estampa.
Um abraço