.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

"NINGUÉM DESCE VIVO DUMA CRUZ!..."

António Lobo Antunes, ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

sábado, 14 de abril de 2012

Instabilidade na Guiné, de novo...

do Blog “ditadura do consenso”


Do blog “novas da guiné bissau”
Na Guiné-Bissau, está decretado o recolher obrigatório. Os militares revoltosos querem que se forme um novo Governo de transição e que sejam realizadas novas eleições presidenciais. A pretensão dos militares foi transmitida à classe política guineense numa reunião de cerca de uma hora.

A nível internacional, o Conselho de Segurança da ONU exigiu que os militares golpistas libertem imediatamente Carlos Gomes Júnior e Raimundo Pereira.
Também o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, já condenou "nos mais fortes termos possíveis", o golpe militar.

Este sábado em Lisboa, reúnem-se os ministros da CPLP, num encontro extraordinário provocado por esta situação na Guiné-Bissau.

Do sitio “Noticias” do Google.
A capital da Guiné-Bissau vive hoje uma manhã quase normal, dois dias depois do levantamento militar que prendeu o Presidente da República interino e o primeiro-ministro.

Depois de uma noite de recolher obrigatório tranquila, a presença de militares na rua é pouco visível e a cidade voltou a um ritmo quase normal, com a maior parte dos estabelecimentos comerciais já abertos.
A rua em frente da casa do primeiro-ministro é a única encerrada ao trânsito e à passagem de pessoas. Há pedras na rua a impedir a passagem de veículos, mas apenas nuns escassos 200 metros, mesmo em frente da casa de Carlos Gomes Júnior, com alguns militares no local a impedirem que civis se aproximem.

Na zona da Presidência da República vê-se algum movimento militar, mas apenas nas instalações, e a rua está aberta ao trânsito.
Também na rua da embaixada de Portugal se pode circular livremente e não são visíveis militares.
Nas ruas há um movimento reduzido de viaturas, mas muita gente a pé e os táxis voltaram a circular, bem como os toca-toca, as carrinhas de transporte de passageiros.

De todos os estabelecimentos os únicos que estão por abrir são as bombas de combustível, mas, como habitualmente, já se vende pão fresco e há jovens engraxadores e vendedores de café a circular.
Diário Digital /Lusa

1 comentário:

leandro guedes disse...

De novo a Guiné está em conflito consigo mesma.
Quando será que acaba esta saga e aquele povo tem descanso?
É dificil saber quem quer o quê e quem é quem...