.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes, furriel milº Angola ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

"NINGUÉM DESCE VIVO DUMA CRUZ!..."

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

De dedo em riste...de tanto cavaquiar...

Não haveria “nexessidade”! . . .
Pay Black?! (*). . . Afianço, o pay estava incluso no contrato com a produção . . .
A despeito da fraca qualidade no receptor (hardware, a carboneto, o soft, do tempo da maria caxuxa, como se vê do texto desconfigurado em aramaico e do vídeo, género charlie chaplin), mesmo assim,
Será que, ao ofertar-vos este saboroso acepipe, não
“reparásteis”, pilões, no final apoteótico da soberba interpretação?! . . .
no arreganho da execução, na perfomance do trinar das cordas, na sintonia da expressão corporal com o conteúdo musical?!
Etc.
Parece-me bem que não.
Tenho, cá para mim, que estarei, porventura, a perder o meu latim e de que não conhecereis uma nota musical do tamanho da torre dos Clérigos.
Digo isto por, ao tentar explicar estas subtis nuances ao menino Mestre, receber de troco:
- Desenrola já, ainda tenho que trabalhar e no duro, nã sou como tu, nã te estiques e nã eiventes . . .
Mesmo atarefado lá me ditou umas letras alentejanas para acompanhar no cavaquinho que, púdico como sou, me reservo de aqui transcrevê-las. Só se insistirem muito, cometerei tal pecado . . ., mas que são giras, são.
Só tu, Pica amigo, apesar de teres “arrebentado” e  teres dado já o que tinhas a dar – o malfarrico do PDI -, me compreenderás.
Fala ao Contige, fala, que bem precisado estou. E, já agora, fala também ao Mestre para me emprestar a lata, com a rachinha, que usava em Tite ao tocar a sanfona, para meter as moedas angariadas lá no almoço.
Só tu, estou em crer, mais aquele sargento, entendido na música e na gaita, e não sei se aqueloutro herói, caixa de óculos (como é que se chamava aquele sargento ajudante do CA que, no 1º ataque a Tite, perdeu os óculos e, no dia seguinte, via dakota, baixou à psiquiatria do hospital de Bissau?).
Estamos conversados, a sargentaria e, muito em particular, a fur.milada - essa ínclita geração que, de cavaquinho, nikles, e na gaita, idem áspas ao quadrado, = a nicles2 -, continua com o tique de subestimar a tropa macaca, no fundo, os únicos guerreiros com “G” grande que, por aquelas bandas, demonstraram como é que se enxofra, como, sem favor, ambos fomos (e continuamos, pela graça do senhor).
Até me fazem “desamorar” da prática da nobre arte musical.
E tenho dito.
Obs:
·         A senhora caneca que visualisais na parte inferior do vídeo, no caso, figurou, apenas, como elemento decorativo; e
·         Pena tenho de, com o dedo lesionado, como prova a foto anexa, não vos poder demonstrar o “descaramento” ao vivo; e

·         Numa próxima crítica menos lisonjeira, solto-vos o cão, adestrado para morder os calcanhares aos detratores do dono . . .
(*) A propósito do pay black, estou a cozinhar uma crónica, refazendo um episódio verídico que, em tempos, já aqui abordei.
 Hipólito

Sem comentários: