.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial

-

Eles,
Fizeram guerra sem saber a quem, morreram nela sem saber por quê..., então, por prémio ao menos se lhes dê, justa memória a projectar no além...

Jaime Umbelino, 2002 – in Monumento aos Mortos na Guerra Colonial, em Torres Vedras


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

domingo, 29 de janeiro de 2012

Conversando com o Mestre...


E foi hoje...
- Então Mestre como vai a baldroega?
- Vai rodando companheiro, vai rodando, cá de volta das cabrinhas, mas sempre preocupado com o Hipólito.
- Então porquê?
- É que aquele calão nunca me enganou, desde os tempos da tropa. Sempre pressenti que ele ia ser um sorna, dado que teve lá um grande mestre, o seu superior hierárquico.
- Mas porque é que achas que ele é sorna?
- Então tu não vês que ele não toca nada naquele seu "guitarrito"?
Guitarrito... nunca tinha ouvido semelhante termo e tive que rir à gargalhada.
- Tens que dar tempo ao tempo.
- Eu sê, mas já me tá faltando a paciencia. Ainda pensei, eu com a sanfona e ele  com o guitarrito, os dois, lá no almoço em Maio, mas começo a perder as esperanças.
E fomos falando de outros temas que deram para ocupar meia hora...
Manda um abraço para todos, votos de melhoras para os doentes e parabens aos aniversariantes.
LG.

3 comentários:

VITOR BARROS disse...

FIQUEI ESPANTADO COM ESTA CONVERSA CHAMAR SORNA AO SACRISTÃO ESTOU DE ACORDO PORQUE SOU SEMPRE PELA VERDADE MAS AO SEU SUPERIOR ECLESIÁSTICO ESSA NÃO PORQUE ELE CUMPRIA O SEU DEVER E AINDA TINHA DE FAZER O TRABALHO DESSE DITO SORNA

Anónimo disse...

Que ninguem diga que aqui o Sr. Hipoliogto não tem pose ...

Pode não ter dotes, mas pose tem ...!

Um abraço e força aí! Ni

Hipólito disse...

Perante este testemunho, insuspeito, aliás, não ligo a provocações mormente se provindas dos arturinhos das TRMS . . .