.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

terça-feira, 30 de agosto de 2011

A Enfermaria em Tite - pelo Costa

Lembro-me perfeitamente desse episódio do camarada que ficou ferido com um estilhaço que lhe entrou ao fundo das costas. Este episódio sempre me acompanhou até hoje e passou-se em 02/03/1968. Na sequência desse ataque ao nosso quartel, ao ouvir os primeiros tiros do IN, protegi-me debaixo da mesa que havia no Centro de Mensagens. Como o fogo se intensificava e havia rebentamentos que não conseguia identificar,  se eram dentro ou fora do quartel, resolvi fugir dali e dirigir-me para  o abrigo à porta de armas. Na fuga, houve qualquer coisa que bateu numa antena que havia no edifício do Posto de Rádio do lado de fora em frente para a barbearia ou enfermaria, provocando várias faíscas. Apenas me recordo de me atirar ao chão, ferindo-me no braço esquerdo, coisa sem importância. Levantei-me, lembro-me que havia muitos gritos dos nossos homens nesse abrigo junto á porta de armas e  misturados com muitos tiros. Quando entrei no abrigo ás escuras, estava lá este nosso camarada a esvair-se em sangue deitado de bruços. Foi um momento que me marcou para sempre!
José Costa
________________________
Do Joaquim Caldeira recebemos o seguinte comentário:
.
"O soldado da CCAÇ 2314 a que se refere esta entrada era o Carlos Soares da Silva, alcunha o Matosinhos, por ser daquela localidade.
O outro ferido foi o soldado António Fernandes de Castro.
Este viria a protagonizar outro episódio, uns dias mais tarde. Num regresso de Nova Sintra, quando a coluna que eu comandava foi atacada, este solado, por estar sob o efeito do álcool, adormeceu junto a uma árvore e por lá ficou esquecido. A coluna retomou a marcha para Tite e, só muito mais tarde fui informado da sua falta. Andou perdido na mata durante dois dias e foi repescado por uma coluna da Companhia sediada em Nova Sintra, sendo enviado para Tite por helicóptero.
O seu comandante, sargento Garcia, deu-lhe um cantil de aguardente e foi o causador deste episódio. O punido, por ser o comandante da coluna, fui eu.- Como é possível um furriel comandar uma coluna em que seguia um sargento?-  No dia dois de Maio de 1968, dia dos meus anos, o capitão ofereceu-me uma lembrança e leu a ordem do dia com a minha punição, dois dias de detenção, que vim a cumprir na operação Bissássema.
Joaquim Caldeira, ex-furriel miliciano, CCAÇ 2314"

Sem comentários: