.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial

-

Eles,
Fizeram guerra sem saber a quem, morreram nela sem saber por quê..., então, por prémio ao menos se lhes dê, justa memória a projectar no além...

Jaime Umbelino, 2002 – in Monumento aos Mortos na Guerra Colonial, em Torres Vedras


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

O meu Natal - pelo José Costa

Natal 2010

Conheço pessoas que ficam felizes no Natal por várias razões: ganham presentes, dão presentes, compram presentes, trocam presentes, e por ai vai...

Conheço também algumas pessoas que ficam tristes no Natal, por várias razões, não têm dinheiro para comprar presentes, não dão presentes, e ás vezes não tem ninguém para dar presentes, e também não recebe presente de ninguém e por ai vai...

O Natal transformou-se num  período de festa para dar presentes e virou consumismo. A grande maioria das famílias inclusive eu, fazemos uma festa pra celebrar esta quadra em família, onde não pode faltar o bacalhau, o “couvão” com batatas e o molho fervido, azeite cebola picada e alho. Á volta da mesa a troca de simpatia, de lembrancinhas, de afecto e de confirmação de amor entre os presentes e a lembrança sempre permanente dos que se passaram para o outro mundo também “estão” connosco á mesa.

E… depois temos o dia 25. Para mim é sempre um dia muito especial porque recebo sempre prendas a dobrar! Porquê? Porque é o dia do meu aniversário e com este já vou contar 65 natais e espero bem não ficar por aqui!
Um bom Natal para todos nós!

José Costa

1 comentário:

Andradarte disse...

Um Santo Natal, vivido ao jeito de cada um, desde que se consiga atingir a Felicidade que se procura....
Abraço