.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes, furriel milº Angola ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

"NINGUÉM DESCE VIVO DUMA CRUZ!..."

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

terça-feira, 15 de junho de 2010

Entre o Monte Fialho e a Fuzeta

Lá para os lados do Monte Fialho (Mestre) e posteriormente na Fuzeta (Hipólito), um dia a seguir ao outro, reuniram-se em alegre convivio o Palma, Zé Manel, Hipólito, Contige e respectivas esposas e mais algumas amigas.
Ao que sabemos foi comer e beber à grande e à alentejana/minhota.
Os que não foram ficaram com pena, mas irão para uma próxima.
Um abraço para todos.

E o Hipólito disse:

   Estou numa de aprimorar e adocicar o meu discurso, por vezes, concedo, um tudo-nada arreeiro.

   Quem nasceu para cinco, tarde ou nunca, chegará a dez, é o meu caso.
   Mas, vou tentar.
   Das arengas que rabisco para o blog, não obtenho retorno, senão o feed-back de um ou outro comentário, por regra, cirúrgico e cerebral, do blogueiro/mor.
   De uma pobreza franciscana, este silêncio ensurdecedor! . . .
   Insistem, os “arremelados” lá debaixo, por um “têsto”, como só eles sabem pronunciar, sobre o périplo turístico/abagunçado Fialho/Fuzeta, do fim de semana, mas não estou para aí virado.
   Esses mesmos, os figurões que, lá por Tite, produziam tanto como um chavo, como foi público, notório e incontraditável.
   Não alinho em eufemismos.
   O que está bem, está bem. O que está, vernaculamente falando, uma merda, ficará ad aeternum, talqualmente.
   Apesar de tudo e das curvas do Caldeirão terem “entoldado” boa gente, como revelação agradável e de enaltecer, de realçar será a voz de falsete, tipo cana abagaçada, trauteando o fado “oh melga, desampara-me a loja . . .” , do neo-naturalizado beiro/alfacinha e ex-padeiro, a quem, o porvir, augurará, estou certo, um risonho êxito, a cuidar dos netinhos.
   Na logística, sem o desembaraço das madamas, ainda hoje, as setubalenses (talvez da praia do Meco) sardinhas, teriam chegado à mesa, lá para as calendas.
   E por aí adiante . . .

Oh diacho!? . . .
 Oh home, vai aparar as pontas, esganiça, do quintal, a minha santinha . . .
 O quê?! . . . que pontas, carago?!, ronco, eu, machisticamente.
 Das videiras. C'ais pontas é que pensavas que eram? . . .
 Hum! . . . vai lá dar banho ao cão . . .

Desculpem, xauzinho, tenho de ir. Manda quem pode, obedece quem deve . . .


Hipólito (co-blogueiro)

Sem comentários: