.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial

-

Eles,
Fizeram guerra sem saber a quem, morreram nela sem saber por quê..., então, por prémio ao menos se lhes dê, justa memória a projectar no além...

Jaime Umbelino, 2002 – in Monumento aos Mortos na Guerra Colonial, em Torres Vedras


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

terça-feira, 25 de maio de 2010

Cristo-rei

Tenho andado, por aqui, a aparafusar, comigo mesmo . . . Havia-me, interiormente, prometido não gastar mais um cêntimo de cera com tais ruins defuntos . . . Mas, nunca digas, desta água não beberei . . . Já carcaço ressequido, mas ainda senhor de uma monumental voz para escrever à máquina, espicaçado e inspirado no post-cabeça de cartaz do rock in rio, gentileza do Justo, que me sensibilizou e envaideceu, desloquei-me, há dias, à capital do reino e dos algarves, em missão preparatória daquele iminente evento. Qual o meu espanto! Ao desembocar na rotunda do relógio (hoje, parece que rotunda do aeroporto), do outro lado desta, deparo com um vulto que, à primeira vista, me pareceu a estátua do cristo-rei. Meio assarapantado, pensei com os meus botões: Querem lá ver que, por mor da recente visita do papa, estes caramelos alfácicos deslocaram para aqui a estátua de Almada?! . . . Hum! . . . Não é crível que tenham desfeito na sapientíssima e perspicaz ideia do cerejeira e salazar, ao “prantarem”, naquela sempre fidelíssima terra, em jeito de recompensa, por relevantes e comprovados serviços às causas religiosa e política da época, tal como agora, essa avantésmica manifestação de fidelidade ao altíssimo. Intrigado com tal apocalíptica visão, porque não dobrara ainda o cabo das tormentas, fui-me acercando e, de facto, deparei-me, para minha surpresa, com o Contige, de braços abertos, não sei, ainda agora como, à minha espera. Só vos digo. Uma cegada, todo o santo dia, não mais me largando, ele e a comandita dos arredores, talvez, (só pode!), na expectativa de obterem uns bilhetitos (de borliu) para o tal festival . . . E para cúmulo, encaminharam-me, para almoçar, junto do verdadeiro cristo-rei, no terreiro do qual, fomos deparar com o Pica, voltado para oriente, os sapatos a seu lado, de cócoras e rabo pr'ó ar, alternadamente, a cumprir, a preceito, os rituais próprios dos indígenas de além Tejo, técnica, aliás, muito bem apreendida e aperfeiçoada em Tite. Ah! . . . já esquecia. Da dolorosa, num rebate de consciência, providenciou o Contige . . . Hipólito .

Sem comentários: