.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Assembleia-geral do BART 1914, decorreu em Penafiel, e também na casa do Hipólito

Li e reli o texto que Hipo abrilhantou no nosso Blog. Com referência à Assembleia-geral do Bart 1914, em Penafiel, não tenho dúvidas em afirmar que foi uma das melhores a que assisti. No “terreno” tudo estava bem organizado, no menu nada faltou. Uma delícia. O S.Pedro apareceu zangado, mas não o suficiente para tirar o “sol” à nossa festa! Aliás, quando forcei o Hipo, em Ovar, a aceitar tal responsabilidade, não foi por acaso. Tinha a certeza do êxito. Mas não é acontecimento para ficar babado. O Camelo já disse, que em Macedo de Cavaleiros no ano de 2011, vai fazer mais e melhor. Não tenho a menor das duvidas…é das transmissões! Quanto ao chá e às bolachitas: O que o Hipólito não sabia é que a situação… por palavrinhas mansas fazer-me convidado para o citado chá… foi estudada com o Mestre alentejano. O transtagano disse-me que eu tinha que arranjar uma estratégia para conhecer o quintal do Hipólito. Ao que parece uma das vezes que o portucalense foi visitar o amigo lá ao monte, terá dito que o seu terreno, no norte, brotava melhor as batatas, os alhos, as cebolas, as favas, etc., que o dele. Mestre, fica descansado! Não é verdade! Vê lá que ele até não tem um porco preto (quando é que tu o matas?), e muito menos cabras. Coelhos bravos e perdigões se os tem estavam escondidos. Posso dizer-te Mestre, que o chá que o Hipólito ofereceu aos 4 mastigantes, acompanhados das suas mulheres, foi feito decerto com água salobra. Pois, ora sabia a presunto, ora sabia a queijo e por vezes também a franga! O cheiro era mais o aroma do verde tinto do que a tília. As chávenas, por final, estavam tão quentes, que um dos convivas queimou a língua e já trocava a palavra… pedófilo por pidófilo. Na segunda sessão, na noite de sábado para domingo, e tendo em conta que na sessão anterior tinham sobrado muito do chá e muitas torradas, não quisemos ser desmancha-prazeres e “a esforço, a custo”, lá aceitamos o convite para comer as sobras. Não sei com que águas desta vez ferveram as ervas. Sabiam a pataniscas de bacalhau. E aquele cheiro a vinho verde maduro era insuportável. Eh Mestre, nem queiras saber camarada, um dos convivas, aquele que não conseguiu tomar os comprimidos à noite, mas sim depois da assembleia, deu-lhe ganas de ir direitinho à sua terra. Mas nós do sul, orgulhosos e cheios de boa vontade para com a família Hipólito, substituímos o casal que se revelou fracote. Mas com receio que o Hipo dissesse mal de nós, que somos do sul, reforçarmos o regimento com mais 1 casal. Fomos às sobras 5 mastigantes, mais as respectivas marias. Toma lá que já achaste! Dizer Mestre que a estratégia que montamos foi coroada de êxito! Dizer ainda estou pronto a abraçar-te e contar mais em pormenor a arte do cultivo no quintal do Hipo. Estou danadinho para saber quando. Pica Sinos ________________________________________________________ Pica! Li o texto publicado no Blog que escreveste sobre o “chá” em casa do casal Hipólito…!!!! Texto esbanjando ironia e bom-humor, explicando aos "alunos" como escrever uma boa ....receita… ou seja… a lançar um “dilagrama” lá para os lados de Mértola!! Oh Mestre! Vai haver matança do porco preto? Abraço-vos, Costa

Sem comentários: