.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial

-

Eles,
Fizeram guerra sem saber a quem, morreram nela sem saber por quê..., então, por prémio ao menos se lhes dê, justa memória a projectar no além...

Jaime Umbelino, 2002 – in Monumento aos Mortos na Guerra Colonial, em Torres Vedras


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Baltar - a terra do Hipólito.

Amigos Para vosso conhecimento. Um naco de cultura, não fará mal a ninguém. Retirei do site "as oito maravilhas do mundo" estas fotos, (apenas uma diminuta amostra), demonstrativas do que é, verdadeiramente, uma capital da cultura (Baltar). Para que não subsistam dúvidas. Nem o Rio de Janeiro tem tanto pedigree ! . . . Qual Lisboa, qual carapuça . . . Um abraço Hipólito

8 comentários:

José Justo disse...

Amigo, sem dúvida nenhuma...não há comparação possível!!
Apenas um pormenor; também cá, assim ao fundo da cidadesita, também temos uns montesitos, só que têm muitas alfaces repolhudas plantadas à beira dos caminhos...

Hipólito disse...

Pena a objectiva não ter captado, em fundo, a linda baía de mar cristalino (de coral, jamais vu) que, do sul, a banha.
Mas, desde que D. Sebastião daqui rumou a sul (Marrocos), nunca mais a densa neblina se dissipou e, desse ponto cardeal, nem o sol aqui chega (talvez, quando houver TGV), nem a dita fica bem na fotografia.
História pura.

Raul Pica Sinos disse...

Bem.... já estou baralhado

Será que Baltar já tem hotel?

O Hipólito está organizar o almoço em Baltar, diz o titalo. Logo abaixo vem um hotel de Penafiel.

Explica quem souber explicar.

Vamos para Baltar ou para Penafiel?

Estes jinjas andam baralhados?

Hipólito disse...

Está-se mesmo a ver que não sabem nada de Geografia ! . . .
Penafiel é um bairro periférico de Baltar, onde, pelo menos, há 2/3 hotéis de 5 estrelas (um até de seu nome "hotel Zé do Telhado").
Verdadinha . . .

Leandro Guedes disse...

Então Hipólito, o almoço é em Baltar ou Penafiel?
Até lá tens que te decidir...

Hipólito disse...

Como, sapientemente, referiu o Pica "deve haver . . . de interpretação da leitura" . . .
Qual almoço, carago?
Se vos referis à famigerada caldeirada, por mim, pode até ser na zona de Peniche.

Leandro Guedes disse...

O almoço do ano que vem, que tu vais organizar em Maio... É onde? Baltar ou Penafiel?.

Hipólito disse...

Escrevi, em português vernáculo, "prospecção de restaurante" . . .
Ora, ainda em consideração e estudo.
Baltar surge, apenas, para enriquecer o vosso substrato cultural.
Aliás, uma terra ímpar no mundo, como vereis.
- assaltaram a esquadra da polícia;
- ardeu o quartel dos bombeiros;
- a presidente da obra das mães era solteira; e
- o cabo de mar não sabia nadar.
E, por ora, mais não digo