.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

terça-feira, 29 de setembro de 2009

A presença Portuguesa na Guiné/Bissau - pelo Pica Sinos

A Guerra colonial Os ventos de mudança pós segunda guerra mundial que levariam às descolonizações em África também se fizeram sentir na Guiné. Depois do governo português ter recusado qualquer possibilidade de negociar a transferência política do território, o PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde) iniciou a luta armada no território. Encravado entre o Senegal e a Guiné-Conacri pode o PAIGC beneficiar do constante apoio destes países. A densidade das matas no sul do país e o relativo isolamento a que esta região era obrigada pela existência de inúmeros rios que sulcavam o território permitiram ao PAIGC consolidar uma luta de guerrilha mais efectiva que no norte do país onde os amplos espaços abertos não ofereciam as mesmas condições para este tipo de luta. A proximidade da fronteira da Guiné-Conacri constituiu sempre uma retaguarda segura que abastecia a guerilha. Os Balantas que durante o séc XIX tinham migrado para as zonas húmidas do sul em busca de terrenos férteis, pelo seu carácter combativo, constituem a base do movimento de guerrilha. Muitos dos seus primos do norte rumam às zonas sob controle do PAIGC para se juntarem à luta de libertação. A tomada de Guileje pelo PAIGC na estrada que ligava os sectores de Cacine e Bedanda em Tombali junto á fronteira da Guiné-Conacri permitiu à guerrilha criar o espaço para o estabelecimento das suas bases em território nacional que alargaram aos sectores vizinhos e à região de Quinara, formando assim a primeira grande zona libertada do país. 2 No limite norte da região, os sectores de Tite e Fulacunda, separados apenas pelo rio Geba, distam apenas alguns quilómetros de Bissau. A sua importância estratégica esteve na origem de violentos combates entre as forças portuguesas e o exército de libertação com frequentes bombardeamentos para a tomada destas posições. Passados 35 anos ainda se podem observar inúmeros efeitos indesejados desses combates. A presença de inúmeros projecteis não deflagrados (uxos) constituem uma ameaça às populações. As forças portuguesas vão perdendo o controle do território ficando sitiadas na ilha fronteira de Bissau e em aquartelamentos e povoações dispersos pelo interior. Buba resiste a intensos bombardeamentos das forças do PAIGC refugiando-se a sua população civil na margem oposta do rio durante longos períodos escondida nas suas matas. A 24 de Setembro de 1973, com a maior parte do território nacional sob controle das suas forças, em Madina do Boé, zona libertada junto à fronteira da Guiné- Conacri, o PAIGC declara unilateralmente a independência, reconhecida imediatamente por 80 países. “A Missão de Observação Eleitoral Internacional 1999/2000. A participação Portuguesa”, GuilhermeZeverino / Luis Branco “A luta pelo poder na Guiné-Bissau”, Álvaro Nóbrega “História da Guiné – Portugueses e Africanos na Senegâmbia”, René Pelissier 5 (próximo capítulo - "O PÓS INDEPENDENCIA")

Sem comentários: