.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

sábado, 15 de agosto de 2009

AS BATALHAS DE BISSASSEMA 1/5

TORMENTOS QUE AINDA HOJE A MUITOS MARCAM

Todos nós ao longo da vida e, após estes e outros acontecimentos que vamos relatando da guerra colonial, procurámos na viagem de regresso, “lançar ao mar” tudo o que nos ia na alma. Pura ilusão.

Comigo e certamente com muitos outros, por muito que o queiramos esquecer contando apenas as histórias de bom convívio e de respeito mútuo, de irreverência, que naquela juventude nos caracterizava, as feridas, dores, tristezas que por todos nós passaram, também são histórias. Mas por serem chagas, procuramos, ou melhor, evitamos contar, certamente para não chocar aos que de mais perto nos ligam, sobretudo familiares. Mas sobre “As Batalhas de Bissássema” é tempo de abrir a excepção e expor as memórias.

Sobre algumas situações militares ocorridas na Guiné, um homem deu-me a oportunidade, pelo livro que escreveu, de conhecer a versão dos primórdios dos acontecimentos, no terreno, daquilo a que eu chamo “As batalhas de Bissássema”. Esse homem é o ex. Alferes Júlio Rosa e o livro tem por título “Memórias de um Prisioneiro de Guerra”.

Pelas 05,00 horas do dia 2 de Fevereiro de 1968, aquando da chegada, dispersa, à porta d’armas do aquartelamento em Tite, de outros homens, carregados de dor e sofrimento, também tive a oportunidade de ouvir depoimentos dos acontecimentos, e de verificar quanto profunda, imensa e forte tristeza os assolava que, ainda hoje, não os consigo apagar da memória.

Aliás o Justo no seu diário (3), espelha muito bem os momentos de frustração vividos por todos nós, quando afirma…

…Rostos que tinha visto sorrir, estavam marcados pelos vincos profundos da dor, do desespero e desânimo. As lágrimas que lhes vi na face, os olhos vermelhos e inchados, cobertos de lama e na maioria descalços e rotos, parecendo figuras de filmes de terror, com forças apenas para agarrarem desesperadamente a G3, a sua própria e única salvação para manter a vida, quando em redor somente a morte…

Ao longo dos tempos, sobretudo a partir do 25 de Abril de 1974, na imprensa escrita, radiofónica, televisiva e a não menos rica narração oral, ou escrita, apresentada por variadíssimas formas, inclusive por via informática – em páginas pessoais ou colectivas (bloogs) de quem esteve nas frentes da guerra colonial – não tive a possibilidade de ler, com o rigor histórico necessário, outras narrações dos fundamentos de tal operação militar, que ocorreu no inicio do ano de 1968.

Assim sendo, para que fique em conhecimento mais vasto, passo a transcrever o fundamental de um documento a que tive acesso. Tal documento procura traduzir os motivos operacionais, o projecto, os acontecimentos e as consequências das batalhas, sendo de todo importante e desejável, que os que nela participaram, o comentassem, corrigissem, ou o complementassem (se for o caso), para que os jovens de hoje, sobretudo e em especial as mulheres, os filhos e os netos, daqueles que foram intervenientes em Bissássema, saibam e daí tirem conclusões de entendimento dos tormentos que ainda hoje a muitos marcam.

As batalhas de Bissássema, no período a que se faz referência, não foram só as que decorreram contra o IN. Também classifico como “batalhas” as resultantes das consequências de um projecto deficiente, quer para a implementação da ocupação e da manutenção das tropas no terreno, quer aquelas que foram derivadas da fome, sede e, por falta da assistência médica, as doenças. Os contactos com o IN foram em número de 5, com pesadas e dramáticas baixas para ambos os lados. As NT sofreram 2 mortos (afogados no Rio Feninque), 3 capturados e cerca de uma dezena de feridos, sem necessitarem contudo de evacuação hospitalar. O IN sofreu 55 mortos estimados e, para mais de uma centena de feridos, alguns muito graves, segundo noticias a posteriori.

Continua

Pica Sinos

Foto e distancias – Go

Leandro Guedes disse...

Leandro Guedes disse...

Meus amigos

Com estes valiosos documentos - o diário do Justo e as Crónicas das Batalhas de Bissassema do Pica - é dado incio ao debate sobre a mais marcante acção da nossa estadia em Tite, a par de uma outra, a de Nova Sintra. Mas esta, a de Bissassema, talvez porque nela foram capturados três companheiros nossos e outros dois morreram afogados, e ainda devido ao elevado numero de mortos por parte do IN, talvez esta seja a mais dolorosa. Todos nós de uma maneira ou de outra fomos actores e espectadores de tão triste acção.

Por isso eu peço, aos chamados operacionais que nos lêem, sejam quais forem as suas especialidades, que aqui descrevam a sua experiencia e também a sua dôr por tudo aquilo que foi vivido naqueles tristes dias. Desapaixonadamente, com sinceridade e com o maior rigor possivel.

Alguns de nós eramos mais chegados na amizade ao Alf. Rosa, ou ao Capitulo, ao Contino ou ainda ao furriel Cardoso. E isso foi marcante a cada um (quem não se lembra da simpatia, da boa conversa e do trato afavel do furriel Cardoso para citar apenas este). Além do problema militar, teremos a contar o quanto significou sentir a perda de um amigo morto ou dum amigo capturado, estes ultimos com boatos sucessivos nas horas seguintes, de que tinham sido fuzilados no caminho, afinal boato falso. Todos se lembrarão disto.

Muitos foram os erros e eles começaram por parte das chefias no planeamento desta operação militar de tão triste memória.

Vamos falar das coisas, "chamar os bois pelos nomes", descrever o que nos vai na alma e assim podemos contribuir para o esclarecimento desta página negra da história da guerra colonial, estranhamente metida na gaveta até aos dias de hoje.

Um abraço. Leandro Guedes.

1 comentário:

Leandro Guedes disse...

Leandro Guedes disse...
Meus amigos
Com estes valiosos documentos - o diário do Justo e as Crónicas das Batalhas de Bissassema do Pica - é dado incio ao debate sobre a mais marcante acção da nossa estadia em Tite, a par de uma outra, a de Nova Sintra. Mas esta, a de Bissassema, talvez porque nela foram capturados três companheiros nossos e outros dois morreram afogados, e ainda devido ao elevado numero de mortos por parte do IN, talvez esta seja a mais dolorosa.
Todos nós de uma maneira ou de outra fomos actores e espectadores de tão triste acção.
Por isso eu peço, aos chamados operacionais que nos lêem, sejam quais forem as suas especialidades, que aqui descrevam a sua experiencia e também a sua dôr por tudo aquilo que foi vivido naqueles tristes dias. Desapaixonadamente, com sinceridade e com o maior rigor possivel.
Muitos de nós eramos mais chegados na amizade ao Alf. Rosa, ou ao Capitulo, ao Contino ou ainda ao furriel Cardoso. E isso foi marcante a cada um de nós (quem não se lembra da simpatia, da boa conversa e do trato afavel do furriel Cardoso para citar apenas este). Além do problema militar, muitos de nós teremos a contar o quanto significou sentir a perda de um amigo morto ou dum amigo capturado, estes ultimos com boatos sucessivos nas horas seguintes, de que tinham sido fuzilados no caminho, afinal boato falso. Todos se lembrarão disto.
Muitos foram os erros e eles começaram por parte das chefias no planeamento desta operação militar de tão triste memória.
Vamos falar das coisas, "chamar os bois pelos nomes", descrever o que nos vai na alma e assim podemos contribuir para o esclarecimento desta página negra da história da guerra colonial, estranhamente metida na gaveta até aos dias de hoje.
Um abraço.
Leandro Guedes.