.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Os homens só morrem quando a Pátria se esquece deles

Ó noite, porque hás-de vir sempre molhada! Porque não vens de olhos enxutos E não despes as mãos De mágoas e de lutos ………………………... Ó noite eterna e velada Senhora da tristeza, sê alegria! Vem de outra maneira ou vai-te embora, E deixa romper o dia Eugénio de Andrade
A frase em titulo não é minha, nem tão pouco sei o nome do seu autor, a quem rendo respeito e homenagem, mas vem a propósito de uma notícia que li num jornal diário (JN) onde anunciava que: “Cerca de 200 ex-combatentes vivem na rua a travar todos os dias a sua derradeira batalha: a da sobrevivência”. Não é demais referir que um sem-abrigo é visto em Portugal, como uma pessoa que não possui moradia fixa, sendo a sua residência, na sua maior parte, os locais públicos de uma qualquer cidade. Anuncia a Lusa (HN) que, ………estima-se que a população sem-abrigo em Lisboa é constituída maioritariamente por homens alcoólicos, com idades entre os 35 e 44 anos, aqueles que têm uma idade superior representam 21%.......... Mas AMI vai mais longe, considera também população sem-abrigo as pessoas que vivem em alojamentos de emergência, em habitação sem arrendamento e de ocupação ilegal, em alojamento indigno dando como exemplo as barracas, etc. Desde 1999 já foram atendidas mais de 5.000 pessoas em situação de sem-abrigo. Num estudo publicado na NET, menciona que dos mais 700 novos casos em 2006 a quem deram assistência 32% dormiam na rua, em albergues 22% e em barracas 6% e a tendência era para aumentar. Refere ainda que esta população, teve como recurso económico mais frequente a mendicidade, seguindo-se os apoios/subsídios institucionais (22%), de amigos e de familiares (13%), o Rendimento Social de Inserção abrange 10%. Sendo: desempregada 89%, com formação profissional 28%, com familiares vivos 92%, mas apenas 37% se relaciona com eles, não têm médico de família 39%, 7% tem HIV, 28% consome substâncias activas e 43% têm filhos. Quanto à evolução do sexo feminino, o estudo verificou um aumento num espaço de 7 anos de 13% para 31%. As causas desta degradação humana decerto são muitas mais e variadas que urge rectificar com acções que visem a solução deste problema de exclusão social que passam, entre outros, do acesso a uma habitação digna, à inserção profissional, à formação, a programas ocupacionais e à resolução dos problemas de saúde. A Pátria não pode esquecer-se dos seus homens! Raul Pica Sinos

1 comentário:

Leandro Guedes disse...

Pica Sinos
Gostei amigo.
Esta chaga que os politicos nos impoem e pela qual demonstram um desprezo inqualificavel, demonstra bem a qualidade daqueles que nos governam, descendentes naturais daqueles que para la nos mandaram...
Mesmo que proclamando promessas eleitorais sociais modernas...
Um abračo.
Leandro Guedes