.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

NOTICIAS DA GUINÉ BISSAU

A CÓLERA MATA NA GUINÉ-BISSAU Apesar do significativo esforço, através dos tempos, de várias entidades não governamentais (entre outras) …. a exemplo: o apoio monetário da OMS com para a região de Tite para construção de 19 novos poços de água e 290 latrinas comunitárias…. Não tem sido possível colmatar o surto de cólera que presentemente afecta a Guiné-Bissau. O flagelo que começou a sul do país é de tal gravidade que o Hospital da capital já esgotou a sua capacidade em camas e em géneros alimentícios, levando o seu Director a um apelo público para contribuição de géneros alimentícios, tendo em vistas a alimentação dos doentes naquele hospício internados. Segundo Fernando Casimiro – www.didinho.org – a cólera que mata os guineenses, em parte deve-se a ausência de uma boa campanha de sensibilização e prevenção por parte das autoridades sanitárias, bem como das estruturas do poder local (cuidados de higiene pessoal e colectiva; limpeza das ruas, recolha e tratamento do lixo, protecção dos poços de água, tratamento da rede de agua canalizada, construção de latrinas, entre outras medidas), de forma a evitar que se continue a defecar em zonas próximas aos poços de agua ou de cultivo, senão dificilmente se conseguirá estancar a epidemia que em acordo com os órgãos de Comunicação Social em Bissau, no dia 07/08/2008, já apontam para 1.077 casos de pessoas infectadas, sendo ¾ na cidade de Bissau. F. Casimiro – www.didinho.org – acrescenta que também tem contribuído para a sustentação da cólera na Guiné-Bissau, ainda que ligado a factores acima referenciados, a preservação, pela negativa, de práticas ancestrais, que alguns continuam a defender como sendo parte da tradição e simbolismo cultural do mosaico social guineense, sem contudo, perceberem que a cultura como elemento identitário não deve servir, igualmente, como elemento de auto-extinção dos povos. Concluindo que neste momento o que importa é ajudar, todos somos poucos para colmatar a epidemia que assola a Guiné-Bissau Fica o registo bart1914.blogsport.com Raul Pica Sinos

1 comentário:

Didinho disse...

Caro Raúl Pica Sinos,

Agradeço-lhe o gesto de ter divulgado o alerta sobre a preocupante situação da cólera na Guiné-Bissau, abrindo assim, possíveis canais de ajuda dos que estiverem interessados e disponíveis em ajudar, de uma forma ou de outra.

Aproveito igualmente esta oportunidade, para saudar a todos os membros do vosso blogue.

Com estima e consideração

Fernando Casimiro (Didinho)