.


“Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma”


(Do Padre António Vieira, no "Sermão da Terceira Quarta-Feira da Quaresma", na Capela Real, ano 1669. Lembrado pelo ex-furriel milº Patoleia Mendes, dirigido-se aos ex-combatentes da guerra colonial.).

-

"Ó gentes do meu Batalhão, agora é que eu percebi, esta amizade que sinto, foi de vós que a recebi…"

(José Justo)

-

“Ninguém desce vivo duma cruz!...”

António Lobo Antunes, escritor e ex-combatente

referindo-se aos ex-combatentes da guerra colonial

-

Eles,
Fizeram guerra sem saber a quem, morreram nela sem saber por quê..., então, por prémio ao menos se lhes dê, justa memória a projectar no além...

Jaime Umbelino, 2002 – in Monumento aos Mortos na Guerra Colonial, em Torres Vedras


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

RECONHECIMENTO

ESTES SÃO OS EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART. FALTAM AQUI OS EMBLEMAS DAS UNIDADES DA ARMADA E DA FORÇA AÉREA QUE TANTAS VEZES FORAM AO ENXUDÉ, A TITE, A NOVA SINTRA E OUTROS AQUARTELAMENTOS, PARA ENTREGA E LEVANTAMENTO DE CORREIO, REABASTECIMENTOS DE GÉNEROS E MATERIAL BÉLICO E OUTRO DIVERSO, OU PARA EVACUAÇÃO DE MORTOS E FERIDOS E TAMBÉM PARA FLAGELAÇÃO DO IN. E AINDA VÁRIAS UNIDADES DE INTERVENÇÃO RÁPIDA TAIS COMO PARAQUEDISTAS, FUZILEIROS, COMANDOS E OUTRAS COMPANHIAS, PELOTÕES OU SECÇÕES, PARA AJUDA EM MOMENTOS MAIS DIFICEIS.

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

domingo, 22 de junho de 2008

Poema à namorada... pelo Pica Sinos


POEMA À NAMORADA


Meu Amor
Os dias estão findos
poucos faltam.
Sinto alegria ao pensar
na hora da partida
e tristeza ao recordar
os dias desta vida

Estou farto desta terra!
Não sei se estou a ser justo com as gentes que me rodeiam.
Com este chão vermelho, com este por de sol infinito.
Com os pássaros, com as nenúfares cuja flor nasce para morrer no dia seguinte, não sei se estou a ser justo? mas tenho como certo, estou farto disto!

Ontem, 15 de Janeiro de 1969, encontrava-me sentado numa das mesas do nosso refeitório conversando com um camarada da região de Lisboa. Os temas eram variados os principais, as saudades, a nossa partida para breve e o gozo da vida nocturna em Lisboa.

A cavaqueira ia animada quando ouvimos um grande estrondo. De imediato, eu e os demais, semi-levantados, assustados e preparados como na partida de uma corrida de atletismo se tratasse, olhámo-nos nos rostos desconfiados, quando alguém se riu e disse: calma são os nossos obuses a trabalharem!

Novamente sentados pensando que assim seria, mas logo de seguida vem a confirmação, o barulho das granadas do IN a explodirem, a deflagração dos nossos morteiros a funcionar e toda uma azafama do metralhar não era o barulho só nossos obuses, mas sim mais uma flagelação do IN ao nosso aquartelamento sendo desta vez em simultâneo com o destacamento do Enxudé. A corrida para os abrigos não se fez esperar, os feridos desta vez foram muitos……14, Não aguento mais isto, estou farto meu amor,!!!

Extracto de carta enviada de Tite á minha namorada, hoje minha mulher em 16 de Janeiro de 1967

Pica Sinos

Sem comentários: