.

--

Se servistes a Pátria que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis e ela, o que costuma! (Patoleia Mendes ).

-

"Ó gentes do meu Batalhão /

Agora é que eu percebi /

Esta amizade que sinto /

Foi de vós que a recebi…"

(José Justo)


.

.
.

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART
EMBLEMAS DAS UNIDADES OPERACIONAIS ESTACIONADAS EM TITE E AINDA DAS COMPªS DO INICIO DO BART

Facebook

Para abrires o nosso FACEBOOK, clica aqui


______________________________________________________________

terça-feira, 4 de março de 2008

A caça, o pássaro preto e o nativo

Creio que todos recordamos, uns cem metros na frente da porta de armas, ligeiramente à esquerda, num espaço pejado de enormes árvores centenárias, encontrávamos o edifício da autoridade administrativa. Nunca me despertou vontade em visitá-lo, olhei-o sempre de longe. O Chefe do Posto, na região, era o responsável civil pela aplicação das leis e normas vigentes. Também “juiz” e executante das penas que determinava. Hoje, nas recordações que teimam em não desaparecer, felizmente sem traumas, interrogo-me, tendo em conta o “desempenho” deste funcionário administrativo na população de Tite, no porquê dos ataques que o IN nos infligiu, o posto administrativo nunca ter sido atingido. Numa dada ocasião assisti a uma cena que me deixou deveras revoltado. Este senhor, o Chefe do Posto, era branco, no terreno frontal ao edifício, infligia num habitante local, na presença dos familiares, um número considerável de reguadas sem descanso. As mãos do negro no final da tortura ficaram tão inchadas que o resultado era comparado ao sopro numa luva de borracha. Nunca soube a razão que motivou tão desmesurada violência.   - Minha querida professora primária Maria Helena, como eu recordo as tuas reguadas quando na escola do bairro em miúdo e reguila, embora me doessem, comparadas com as do chefe do posto, eram certamente “festas de amor”. Decerto estão lembrados, um pouco mais à frente deste edifício, havia um poço onde era costume os naturais abastecerem-se de água, as mulheres lavarem a roupa da família e dos militares que as contrataram para esse efeito, tomarem banho de quando em quando as bajudas,‚ não sendo raras as vezes sujeitas aos mirones dos brancos que regalados ficavam a ver reluzir o sol nos seus torneados e bonitos corpos desnudados tendo em conta o efeito que produzia a agua que faziam entornar pela cabeça. ‚ - Bajuda na Guiné quer dizer “moça virgem” cuja idade rondava os 12/16 anos. Quando casava, segundo a tradição, o interessado (marido) dava ao pai, como “troca”, bens agrícolas ou pastoris. Nesta terra uma das formas de os homens mostrarem abastança era a posse de várias mulheres, cujas tarefas, para além de cuidarem dos filhos, era trabalharem no amanho das terras que os “seus donos” possuíam e exploravam. Já nos finais da nossa comissão, nas imediações do “palco das lavagens”, um pouco para lá do posto avançado da defesa ao quartel, munido pela primeira vez de uma nova espingarda flóber, resolvi experimentar a arma procurando caçar pró petisco, pombos verdes ou rolas, já que com a “espingarda G3” pouco ou nada se aproveitava dos animais caçados. Não sei exactamente o porquê, na verdade nada cacei. Pelo caminho, de volta ao quartel, vai de matar um ou outro lagarto de cabeça amarela, quando, já nas imediações do edifício da autoridade administrativa, avisto, no cimo de uma enorme árvore das muitas ali existentes, um pássaro preto que não me fazendo rogado assumo o tiro certeiro estatelando-se o dito cujo rapidamente no chão. O pássaro não era melro, nem corvo, era bem maior, ao mirá-lo oiço uma voz deveras forte e rouca, de um velho negro que surgindo por detrás de mim, disse: Mataste o pássaro preto porquê? Ele não serve para comer. Posso dizer-vos que a minha vontade para os dias de caça terminou ali. Raul Pica Sinos alcinda leal disse... Caríssimos concidadãos eu encanto-me a ler as vossas histórias da guerra colonial...estou na casa dos cinquenta e todos os homens da minha família(irmãos,primos e cunhados)foram à guerra. Contudo nunca ouvi quaisquer histórias. Além de ser a caçula lá de casa, julgo que foi preciso uma certa distância temporal para as histórias fluirem,não acham? cumprimentos calorosos

2 comentários:

alcindaleal disse...

Caríssimos concidadãos eu encanto-me a ler as vossas histórias da guerra colonial...estou na casa dos cinquenta e todos os homens da minha família(irmãos,primos e cunhados)foram à guerra. Contudo nunca ouvi quaisquer histórias. Além de ser a caçula lá de casa, julgo que foi preciso uma certa distância temporal para as histórias fluirem,não acham? cumprimentos calorosos

Anónimo disse...

Your blog keeps getting better and better! Your older articles are not as good as newer ones you have a lot more creativity and originality now keep it up!